28 fevereiro 2011

Poesia 2068 – A quarta

No sábado, a primeira.
No domingo, a segunda.
Na segunda, a terceira.
Na terça, há quarta, há quinta, há a sexta...

Mas não há sábado.
No sábado, a quarta...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

Poesia 2069 – Romance

No vácuo de minha cabeça
Letras se misturam
Em elos
Correntes
Que dizem tudo o que sinto
Mas você não entende nada...

No vácuo de minha cabeça
Há um big bang
Onde você surgiu...

O apocalipse também já começou...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

Poesia 2070 – Come chocolate, menino sujo.

Proponho-me a ler Pessoa.
Repito leituras
Tento entendê-lo
E entendê-las...

As palavras...

Quem me deu tamanha ambição?
Eu não me entendo
Como posso querer entender Pessoa?
Nem ele mesmo o faria...

O que eu sou?
Pergunta-me ele.
O que é você?
Um nada...

As carapuças me servem.
Deleito-me, depressivo:
Meu amor não me ama
Acho que nunca me amou...

Não mais que a si própria...

O que é o amor?
O que é a vida?

Eu também nunca amei ninguém...

Come chocolate, menino sujo!
Come chocolate!
Lambuze-se em suas dúvidas
Perca-se em sua escuridão
Mate-se com seus refluxos...

Sua história não vale Oscar...

Come chocolate, Pessoa!
Mas permita-me lamber seus dedos...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

Poesia 2071 – Adeus, amor, você partiu

Olho-me ao espelho.
Não me reconheço.
Estou diferente
De ontem
Do passado.
Estou velho, castigado...

Saio ao quintal
Entre árvores
Esqueço-me de mim
Tento lembrar-me de ti:
Cristina?
Maria?
Imaculada?
Esqueci seu nome...

O que não se pronuncia não se aprende...

Fecho os olhos.
Última chance:
Mentalizo seu rosto.
Olhos verdes. Ou azuis?
Cabelos encaracolados. Ou lisos?
Morena. Ou loira?

O que não se vê, se esquece...

E a vida passa tão rápida
Mais que pensamentos
Mais que minha memória...

Adeus...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

SHIT, MY DAD SAYS

OSCAR 2011

OS VENCEDORES:

Melhor direção de arte: Alice no País das Maravilhas
Melhor fotografia: A Origem
Melhor atriz coadjuvante: Melissa Leo, por O Vencedor
Melhor animação: Toy Story 3
Melhor roteiro adaptado: A Rede Social
Melhor roteiro original: O Discurso do Rei
Melhor filme estrangeiro: Em um Mundo Melhor
Melhor ator coadjuvante: Christian Bale, por O Vencedor
Melhor Trilha Sonora Original: A Rede Social
Melhor Mixagem de Som: A Origem
Melhor Edição de Som: A Origem
Melhor Maquiagem: O Lobisomem
Melhor Figurino: Alice no País das Maravilhas
Melhor Curta em Documentário: Strangers No More
Melhor Curta: God Of Love
Melhor Documentário: Trabalho Interno
Melhores Efeitos Visuais: A Origem
Melhor Edição: A Rede Social
Melhor Canção Original: We Belong Together de Toy Story 3
Melhor Diretor: Tom Hooper, por O Discurso do Rei
Melhor Atriz: Natalie Portman, por Cisne Negro
Melhor Ator: Colin Firth, por O Discurso do Rei
Melhor Filme: O Discurso do Rei

27 fevereiro 2011

POESIA 2067 – LENDO MULHERES

Eu não sei ler mulheres.
Eu não sei escrever histórias de mulheres.
Eu não sei ser coadjuvante em história de mulheres.
Eu não suporto ser protagonista em história de mulheres...

O que elas querem?
Dinheiro?
Não é dinheiro.
Amor?
Não é amor.
Nada as satisfaz...

O que as mulheres buscam?
O que essas malditas mulheres buscam?
Qual é a maldita busca dessas mulheres?

Paz?
Nunca terão.
Vocês são preocupadas com detalhes.
Vida confortável?
As mulheres que vivem bem reclamam.
Bons restaurantes?Viagens?Companhia?
Eu não sei ler as mulheres...

Acho que as mulheres não estão escrevendo corretamente...

Está bem!
Estou confuso!
Vou estudá-las mais um pouco.
Quem sabe eu as entenda...

Mas, juro que não farei “lição de casa”...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

STOCK CAR

20/03 Curitiba (PR)
03/04 São Paulo
17/04 Ribeirão Preto (SP)
15/05 Nova Santa Rita (Velopark – RS)
05/06 Campo Grande (MS)
03/07 Rio de Janeiro (RJ)
07/08 São Paulo/alternativo
04/09 Salvador (BA)
18/09 Santa Cruz do Sul (RS)
02/10 Londrina (PR)
16/10 Brasília (DF)
06/11 Curitiba/alternativo

FÓRMULA INDY

27 de março - São Petersburgo (rua)
10 de abril - Barber (misto)
17 de abril - Long Beach (rua)
1.º de maio - São Paulo (rua)
29 de maio - 500 milhas de Indianápolis (oval)
11 de junho - Texas (oval - duas corridas)*
19 de junho - Milwaukee (oval)
25 de junho - Iowa (oval)*
10 de julho - Toronto (rua)
24 de julho - Edmonton (misto)
7 de agosto - Mid-Ohio (misto)
14 de agosto - New Hampshire (oval)
28 de agosto - Sonoma (misto)
4 de setembro - Baltimore (rua)
18 de setembro - Motegi (oval)
2 de outubro - Kentucky (oval)
16 de outubro - Las Vegas ou Fontana (oval) - a confirmar

(*) Etapas a serem realizadas à noite

FÓRMULA UM

GP da Austrália - 27 de março
GP da Malásia - 10 de abril
GP da China - 17 de abril
GP da Turquia - 08 de maio
GP da Espanha - 22 de maio
GP de Mônaco - 29 de maio
GP do Canadá - 12 de junho
GP da Europa - 26 de junho
GP da Inglaterra - 10 de julho
GP da Alemanha - 24 de julho
GP da Hungria - 31 de julho
GP da Bélgica - 28 de agosto
GP da Itália - 11 de setembro
GP de Cingapura - 25 de setembro
GP do Japão - 09 de outubro
GP da Coreia do Sul - 16 de outubro
GP da Índia - 30 de outubro
GP de Abu Dhabi - 13 de novembro
GP do Brasil - 27 de novembro

DESABAFOS

Oi, meu nome é Jorge. Prazer em me conhecer. Pois é, além de muitos defeitos eu sou pobre, também. Pobre, não, mais ou menos. Pelo menos eu tenho emprego. Ou seja, eu posso gastar uma determinada quantia por mês.

Eu não gosto de Shoppings, de compras, desses lances. Mas, gosto de ir beber chopp no Shopping. Mas, você viu como é caro o chopp no Shopping? E a cerveja?

Por exemplo, lá em Santa Bárbara d'Oeste a latinha de Skol custa três reais. Três reais!!! Imagina como é cara!!!???

Sabe o que eu faço? Vou te falar mas não conta pra ninguém. Na entrada do Shopping tem um Supermercado. Um enorme Supermercado. Com preço de Supermercado. Eu descobri que nesse Supermercado há cervejas geladas com preços normais.

Aham! Acho que você já adivinhou...

É isso mesmo! Eu vou ao Supermercado, compro três ou quatro latinhas, sento-me em uma das mesas na área de Alimentação, peço uma latinha ao preço caro, peço um copo, e bebo todas as latinhas que comprei lá fora.

Certo ou errado? Não sei. Sei que economizo e bebo mais. É isso aí...

FAROESTE CABOCLO - O LIVRO

ESTA É A HISTÓRIA DE JOÃO DE SANTO CRISTO QUE RENATO RUSSO ESCREVEU EM SUA MÚSICA DE MESMO NOME.

NESTE LIVRO, JORGE DE SIQUEIRA CONTA EM DETALHES COMO FOI A SAGA DE JOÃO DE SANTO CRISTO DESDE SEU NASCIMENTO NO SERTÃO BAIANO ATÉ SUA MORTE EM BRASÍLIA.

UM LIVRO PARA TODOS OS QUE ADMIRAM A OBRA DE RENATO RUSSO.


FAROESTE CABOCLO - O LIVRO
CLIQUE AQUI E COMPRE O SEU

25 fevereiro 2011

COSMOS - CARL SAGAN - EPISÓDIO 1







DESABAFOS

No trabalho. O cliente chega, sério; eu atendo, converso. Falo palavras à toa, sem tanta seriedade, sem tanta necessidade. Eu brinco, afinal. Falo de times, de cores, de jeitos. Falo de situações.

Ele, o cliente, um senhor de cinquenta anos, mais ou menos, pergunta por que eu trabalho tão sorridente. Eu respondo, sem pensar: é porque eu tenho a filosofia de trabalhar feliz, como um aposentado; e não infeliz, para me aposentar. Eu tenho duas alternativas: posso ser um aposentado feliz ou um aposentado infeliz.

E então eu encontrei a solução para meu tédio: vou trabalhar como um aposentado, como se eu estivesse conversando com outros aposentados, como se eu tivesse jogando dominó com outros aposentados.

- Olha só: esses papéis são peças de dominó. Eu as mexo, distribuo, pego uma parte para mim, outras para você.

Ele sorri. Gostou da minha brincadeira. E vai feliz.

Ele me ajudou a encontrar uma saída para meu tédio diário. Será que eu o ajudei a ficar um pouco mais feliz? Perguntarei a ele na próxima vez que nos encontrarmos para jogar dominó. Ou para "indicar o condutor"...




23 fevereiro 2011

DESABAFOS

Como todos os dias: chego ao trabalho, coloco mochila e capacete em cima do balcão, vou ao atendimento bater o ponto, volto e guardo mochila e capacete, ligo os computadores, cumprimento os colegas, sento-me e espero a vida ficar online.

Somente hoje: colega chega, sorridente, cumprimenta, mexe nos meus cabelos, conversamos, ela diz que estou tenso, faz massagem nas minhas costas. Dez, quinze segundos.

Conclusão: preciso de uma namorada, de uma esposa, de casar, de contratar uma massagista. Que delícia. Realmente, estou tenso. Relaxei com sua massagem.

Obrigado pela massagem. Autorizo repetições...



DESABAFOS

Como todos os dias: chego ao trabalho, coloco mochila e capacete em cima do balcão, vou ao atendimento bater o ponto, volto e guardo mochila e capacete, ligo os computadores, cumprimento os colegas, sento-me e espero a vida ficar online.

Somente hoje: colega chega, sorridente, cumprimenta, mexe nos meus cabelos, conversamos, ela diz que estou tenso, faz massagem nas minhas costas. Dez, quinze segundos.

Conclusão: preciso de uma namorada, de uma esposa, de casar, de contratar uma massagista. Que delícia. Realmente, estou tenso. Relaxei com sua massagem.

Obrigado pela massagem. Autorizo repetições...

DESABAFOS

Hoje eu vi um acidente. Um motociclista bateu ao lado de um caminhão. Não estavam rápidos. Pelo que vi, o motociclista errou. Entrou muito rápido quando devia parar.

Quando eu olhei, só vi a moto no chão. Ouvi o barulho.

O motorista do caminhão nada sofreu. Andou um pouco, estacionou, desceu e veio ver o que aconteceu. O motociclista gemia no meio da rua, cercado por pessoas que queriam ajudar. Tirou o capacete. Segurava a perna. Acho que havia quebrado a perna. Vi sangue no chão.

Eu tenho moto. Temo acidentes. Dirijo preventivamente. Sou cuidadoso. Mas, todos são. Não são?



Poesia 2066 – Sonho de escritor

Um dia tive um sonho: viver de poesia.
Escrever
Ganhar dinheiro
Pagar aluguel
Comer e beber...

Um dia tive um sonho: ser escritor.
Vender milhões de livros
Ganhar milhões de dólares
Morar numa cidade à beira-mar...

Um dia pensei que a vida valia a pena viver...

Um pintor vendendo um quadro
Um escultor vendendo uma escultura
Eu vendendo um livro...

Um dia tive um sonho...

Daí acordei: pura ilusão.
Não conseguirei realizar meu sonho
Não ganharei dinheiro com o que escrevo
Não viverei como quero viver...

Fiquei triste.
Entrei em crise.
Nunca mais vou escrever – eu disse...

Não me contive. O diário poético do andarilho continuou...

A angústia continua
Os objetivos continuam
Mas, agora, com a certeza da loteria:
As chances são mínimas...

A sorte será lançada a cada poesia escrita...

As idéias continuam surgindo
As musas continuam se revezando
As poesias continuam sendo criadas...

Vou à casa lotérica
Aposto
Uma, duas cartelas,
Espero a sorte me levar para o mar...

Ou, quem sabe, para a sua estante...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

22 fevereiro 2011

DESABAFOS

Vou ser feliz só hoje.

Engraçado como é a vida. A gente reclama pra caramba. Só reclama. Pouca gente agradece. Eu também reclamo. Daí alguém me fala para ser feliz um dia de cada vez. Como os alcoólicos anônimos em relação ao álcool.

Eu tento dominar meus sentimentos. Domar, para ser mais exato. É difícil. Eu tenho recaídas relâmpagos. Mas, não estou mal, ultimamente. Não tenho motivos para estar mal.

Mas, para ser justo, não tenho motivos para ser feliz. Tenho motivos para agradecer. Não posso dizer que isso seja a razão de minha vida. A vida que levo é temporária, se Deus quiser. Tenho planos para daqui três a cinco anos. Espero que dêem certo.

Mas hoje eu serei feliz. Só hoje?

DESABAFOS

O aniversário do gato

Eu peguei o gato na rua. Não sei quando ele nasceu. Quantos meses ele tem? Dois meses. Então ele nasceu no dia 20 de dezembro.

É isso aí! Vinte de dezembro é o aniversário do gato. O nome dele? Laranjinho.

21 fevereiro 2011

DESABAFOS

A frase:

"A gente devia ter tempo para ficar com os filhos quando são pequenos e não quando ficam adultos."

Eu fico de longe. Tenho serviço a fazer. Alguns colegas se reúnem no "cafezinho". Um deles solta a frase. Não sei nada da sua vida. Não sei nem se tem filhos. Não sei o que o fez falar isso. Mas faz sentido.

A gente não vê os filhos crescendo. De repente, lá estão eles discutindo situações conosco. Dando "opiniões próprias". E não estamos preparados para sermos contrariados. Nunca estamos preparados para sermos contrariados, principalmente pelos filhos.

Alguns filhos crescem e não saem de casa. Alguns filhos casam, saem de casa, separam e voltam para casa. Alguns filhos fazem os pais saírem de casa para ficarem com ela, a casa.

É isso aí. A vida deveria acontecer ao contrário: primeiro morremos, depois vivemos, depois nascemos. Mas todo mundo já recebeu um email contando como seria.

E a segunda-feira está acabando...


DANIEL SIQUEIRA - QUASE 18 ANOS
O CAÇULA

DESABAFOS

Entra a mulher. Cara fechada, meio que odiando tudo.
- Boa tarde, senhora.
- Boa tarde.
- Tudo bem?
- Muito calor, né?
- Depois melhora. Daqui a pouco chove.
- E chove demais. Horrível.
- Assim que é bom.
- Bom para você que trabalha aqui.
- E isso é bom?
- Claro que é bom.
- A senhora gostaria de trabalhar aqui?
- Claro que gostaria.

Corte. Não falei mais nada. Era difícil disputar com tanto mau humor. Acho que falta eu falar sobre o rosto da mulher. Ódio. Esbanjava ódio. Rancor. Suava. Estava vermelha. Era meio gorda. Estava sofrendo em viver.

Coitada. Podia se matar.

Daí aconteceu algo desagradável/merecido. Entrou um senhor e esbarrou na mulher. Não pediu desculpas. Encarou o outro funcionáro e ficou sério. Nossa. A mulher ficou uma fera. Encarou o homem. Fulminou o senhor com um olhar aterrorizante. Se ele falasse alguma coisa, não sei não. Sairia briga.

Fui rápido. Atendi a senhora e a dispensei para atender o senhor. Ele disse que esbarrou nela de propósito. Não gostou dela.

Espelhos? O homem não a conhecia. Não sabia de seu ódio. Apenas chegou por trás e esbarrou.

Estranho. Como a vida é estranha.

...


20 fevereiro 2011

DESABAFOS

Repito: meus ossos estão doendo!
Insisto: meus ossos estão doendo!

Hoje fui andar. Agora, à noitinha, depois do Santos ser goleado. Tentei correr, juro, mas não consegui. Meus joelhos não aguentaram.

E agora? Será sempre assim? Você acha que devo procurar um especialista? Um médico de ossos? Um ossologista? Um calciologista? Um ortodonlogista? Um joelhogista? Ah, deixa pra lá.

Vou, sim, procurar ajuda. Depois de hoje eu vi que não tenho mais jeito. E a natureza hoje tava legal. Sol se pondo. Horário sem verão. Andei. Não corri. Quer dizer, até corri. Meia volta. Quatrocentos, quinhentos metros. Ou menos. E andei um monte. Agora estou entravado.

Chega. Estou velho. Vou me retirar.

DESABAFOS

Um lance de futebol:

Narrador: incrível drible de Anelka pela direita, o atacante passa pelos dois marcadores, cruza na área, Drogba arruma para Lampard que acerta um belíssimo chute e faz o primeiro gol da partida.

Meu filho: o zagueiro não devia tentar driblar o Anelka, olha lá, devia ter chutado pra fora; cruzamento fraco, defesa ruim; cadê a defesa?; deixou o Drogba livre, sozinho; olha só que cara ruim, bateu na perna dele, não conseguiu dominar; sobrou na cagada pro Lampard, que sorte, até eu faria esse gol, faz tempo que não marcava, tá muito ruim esse Lampard.

Pois é. A vida é feita de pontos de vista. De um lado o positivismo, o lado bom; do outro, o negativismo, as falhas, o lado ruim.

Aí você me diz: - Vejo muitas diferenças entre nós dois!

Pontos de vista. Engraçado como no passado só víamos as semelhanças. Em tudo. Lembra dos horóscopos? Excluíamos o que nos convinha. Hoje só vemos as diferenças.

Céu e Terra? Razão e Emoção?

Não importa. Sempre teremos o que quisermos, o que buscarmos. A vida é um espelho? É isso aí. A vida é um espelho. Tudo volta conforme damos.

Eu já comecei a mudar...

DESABAFOS



A distância está acabando comigo: estou longe, muito longe de tudo o que gosto, o que quero, o que anseio, o que planejei para mim, o que escolhi.

Tudo!

Estou longe da praia. Poderia pegar minha mochila e ir viver na praia. No nordeste. Na cidade dos meus sonhos. No lugar que me inspira.

Estou longe da mulher que mais gostei até hoje. Estou a três mil quilômetros de distância dela. O que me faz? Esfriar. Brigar. Desistir. Lutar. Reconquistar. Sofrer.

Por que não vou viver mais perto? Não sei.

Estou longe de tudo o que quero para viver melhor. Por que não arrisco mais? Por que não tomo atitudes para resolver isso?

Covardia? Deve ser covardia...

VINÍCIUS DE MORAES



A MORTE

A morte vem de longe
Do fundo dos céus
Vem para os meus olhos
Virá para os teus
Desce das estrelas
Das brancas estrelas
As loucas estrelas
Trânsfugas de Deus
Chega impressentida
Nunca inesperada
Ela que é na vida
A grade esperada!
A desesperada
Do amor fratricida
Dos homens, ai! dos homens
Que matam a morte
Por medo da vida.



A HORA ÍNTIMA

Quem pagará o enterro e as flores
Se eu me morrer de amores?
Que, dentre amigos, tão amigo
Para estar no caixão comigo?
Que, em meio ao funeral
Dirá de mim: - Nunca fez mal...
Que, bêbedo, chorará em voz alta
De não me ter trazido nada?
Quem virá despetalar pétalas
No meu túmulo de poeta?
Quem jogará timidamente
Na terra um grão de semente?
Quem elevará o olhar covarde
Até a estrela da tarde?
Quem me dirá palavras mágicas
Capazes de empalidecer o mármore?
Quem, oculta em véus escuros
Se crucificará nos muros?
Quem, macerada de desgosto
Sorrirá: - Rei morto, rei posto...
Quantas, debruçadas sobre o báratro
Sentirão as dores do parto?
Qual a que, branca de receio
Tocará o botão do seio?
Quem, louca, se jogará de bruços
A soluçar tantos soluços
Que há de despertar receios?
Quantos, os maxilares contraídos
O sangue a pulsar nas cicatrizes
Dirão: - Foi um doido amigo...
Quem, criança, olhando a terra
Ao ver movimentar-se um verme
Observará um ar de critério?
Quem, em circunstância oficial
Há de propor meu pedestal?
Quais os que, vindos da montanha
Terão circunspecção tamanha
Que eu hei de rir branco de cal?
Qual a que, o rosto sulcado de vento
Lançará um punhado de sal
Na minha cova de cimento?
Quem cantará canções de amigo
No dia do meu funeral?
Qual a que não estará presente
Por motivo circunstancial?
Quem cravará no seio duro
Uma lâmina enferrujada?
Que, em seu verbo insonsútil
Há de orar: - Deus o tenha em sua guarda.
Qual o amigo que a sós consigo
Pensará: - Não há de ser nada...
Quem será a estranha figura
A um tronco de árvore encostada
Com um olhar frio e um ar de dúvida?
Quem se abraçará comigo
Que terá de ser arrancada?

Quem vai pagar o enterro e as flores
Se eu me morrer de amores?

19 fevereiro 2011

Poesia 2065 – Andarilho no Shopping

Sentado, no Shopping,
Todos me olham.
Será meu cabelo despenteado?
Será minha barba mal feita?
Será minha sandália velha?
Minha roupa não está suja
Não é nova
Mas não está rasgada.
O que querem?
Terno e gravata?
Estou sentado
Barriga cheia.
Escolhi uma mesa farta
Com sobras em demasia
Que me alimentariam.
O que há de mal nisso?
Os pássaros fazem isso.
Não vivem de sobras? De migalhas?
Por que não posso ser igual?
Era pizza.
De frango.
Com catupiry.
Estava fria, mas não sou exigente.
Faltou uma cerveja
Se eu tivesse dinheiro, compraria.
Não vou pedir.
Aqui, não...

Sentado, no ônibus,
Ninguém se senta ao meu lado.
Não estou fedido,
Estou feio.
Lembro-me de quando me elogiavam o queixo
Quando eu postava fotos no Orkut
Quando eu usava Orkut.
Agora, a barba esconde meu queixo,
Os fios brancos e negros estão visíveis.
O banco ao meu lado sempre era ocupado
Agora, ninguém ousa.
Mulheres me rejeitam
Homens me evitam.
Sou asqueroso, nojento,
E posso ser um bandido perigoso...

Sentado, na calçada,
Preparo-me para dormir.
Meus três cães me esperam
Estão na cama que montamos juntos
Com papelões que achamos.
Meus cães me amam
Nunca me abandonaram
Posso confiar neles.
Em quem mais posso confiar?
Sempre fui enganado.
Meus cães não me enganam...

Vou dormir. Hoje o dia foi duro...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 2063 – A MENINA DE VINTE ANOS

Ela, vinte anos.
Eu, quase cinqüenta.
Seu pai, quase cinqüenta.
Sua mãe, quase cinqüenta.
Seu namorado, quase vinte...

Ela: meu pai não sabe conversar, vive falando no Santos, em Pelé, Coutinho, e meu namorado não entende nada.
Eu (pensando): eu dou conta de você e entendo tudo do Santos, de Pelé, de Coutinho.

Ela: não vem com essa camisa vermelha, me lembra o chefe, fico com o coração batendo mais forte, de medo.
Eu (pensando): quero deixar seu coração batendo mais forte mas é de outro jeito.

Ela: acabei meu namoro.
Eu: opa! to na fila!
Ela: em último, depois de meu pai.

Desisto...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

Poesia 2062 – Procura-se

Procura-se:
Uma mulher que queira assistir 1001 filme.
Que saiba me ensinar a mensagem de cada filme
Que não se importe que eu beba cerveja enquanto assistimos aos filmes
Que beba cerveja em meu copo...

Que vista um vestidinho bem simples enquanto assistimos ao filme
Que o vestidinho lhe “caia bem”
Que não se incomode que eu lhe tire o vestidinho, se convier...

Que não reclame se o filme for ruim
Que não exagere se o filme for bom
Que nunca peça para mudar de filme...

Que não se importe se for legendado
Que saiba ler as legendas rapidamente
Que saiba o básico de inglês...

Que não se importe em assistir o filme deitada na cama
Que não se importe em assistir da rede
Que não se importe em assistir deitada no chão...

Que não durma durante o filme...

Que se surpreenda com a mensagem e não com os personagens
Que não comente apenas a roupa dos personagens
Que não critique os penteados
Que não censure o contexto
Que não tenha preconceitos...

Não precisa ser cinéfila. Se for, melhor;
Não precisa ser tarada. Se for, melhor;
Não precisa ter dinheiro. Se tiver, melhor...

Este anúncio é para daqui quinze anos
Quando eu me aposentar
Quando for morar na praia
Quando for morar em Maxaranguape
A cidade de meus sonhos...

Mande o seu currículo.
Com fotos.
De corpo inteiro.
Não tenho dinheiro
Tenho paciência...

E amor...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

DESABAFOS

Estou baixando todos os 1001 discos que devo ouvir antes de morrer. Não baixei todos, minha net é lenta. Todos os dias eu copio um pouco para o celular para escutar no trabalho. Estou escutando na ordem Estou no número dezenove. Já escutei Elvis, mambo, rock, muito jazz. Ella me faz feliz, agora, sete e meia da manhã.

Esses primeiros discos me lembram os filmes antigos: Fred Astaire, Frank Sinatra. Por aí vai. Faz-me ficar com um vazio na mente. Não penso em nada. O sax ao fundo é muito bom.

Estou baixando todos os "1001 filmes para ver antes de morrer", também. Resolvi fazer uma licitação: procuro uma mulher que queira assistir todos os 1001 filmes comigo. Um por dia. Na praia de Maxaranguape. Daqui a alguns anos.

Mas, tenho uma condição: quando assistirmos todos, vamos nos matar. Suicídio. Alguém se habilita?

NÓS NA FITA - PARTE 1

NÓS NA FITA - PARTE 2

NÓS NA FITA - PARTE 3

NÓS NA FITA - PARTE 4

NÓS NA FITA - PARTE 5

NÓS NA FITA - PARTE 6

NÓS NA FITA - PARTE 7

NÓS NA FITA - PARTE 8

DESABAFOS

Meus ossos doem. Ossos não doem? Os meus ossos doem. Para piorar, ontem eu bati meu joelho na cabeceira da cama. Nunca senti tanta dor! Meu Deus, que dor!

Uma batidinha de nada e doeu? Doeu muito? Tá bichado!

Não posso correr. Meus ossos doem. Não posso andar muito. Meus ossos doem. Não posso ficar sentado muito tempo. Meus ossos doem. Minhas juntas também.

E agora? É assim que vou acabar? Numa cadeira de rodas?

Melhor que cego e mudo. Mas, não conheço andarilho em cadeira de rodas. Serei o primeiro?



DESABAFOS

Sábado. Quase nove horas. Manhã.

Acordei. Liguei a tevê e estava terminando Silent Hill no Animax. Assisti a volta da mulher com sua filha para casa, onde seu marido estava esperando-a. Mas, cada um em uma dimensão diferente. Ela chega, olha para o sofá vazio. Ele está sentado no sofá e também não a vê. A morte os separa? A morte é outra dimensão?

Quando assisti a esse filme na primeira vez tive a plena certeza de que acredito nisso. Nas dimensões. Na certeza que tenho alguém ao meu lado. Alguém que brinca comigo. Alguém que me ama. Alguém que me odeia.

E esses seres, essas pessoas da outra dimensão só se envolvem no meu dia a dia quando eu permito. Quando fico triste alguém se aproveita e me consola. Ou me entristece mais. Manda-me beber. Manda-me chorar; quando estou alegre alguém se alegra comigo. E dançamos juntos, de mãos dadas. Cada um em sua dimensão.

Sobrenatural? Espiritualidade? Loucurua? Seja lá como chamam, espero que existam outras dimensões. Quero voltar aqui, um dia. Quando eu morrer. Quero participar um pouco mais dessa bagunça.

Por enquanto, venham, seres da outra dimensão e baguncem na minha bagunça. Assustem as minhas mulheres, afaguem os meus filhos, beijem-me os lábios. Venham. Não deixem a minha vida cinza, como é quase sempre. Venham e tragam as cores de sua dimensão.

Essa dimensão em que vivo é triste. É solitário viver aqui. Essa dimensão em que vivo só tem cadáveres. Nessa dimensão ando de braços dados com a morte, com a dor, com o desespero.

Tragam-me o colorido. Por favor...




BLEFE PERFEITO

18 fevereiro 2011

NADA



TUDO


DESABAFOS

Esta semana foi só papo sobre Ronaldo aposentando. É, eu vou falar sobre Ronaldo, também. Já passaram alguns dias, mas esse assunto fica me martelando.

Ronaldo se aposentou!

Quantos anos ele tem? Trinta e tantos. Quanto ele vai ganhar por mês? Milhões de reais. E eu? Eu ainda tenho que trabalhar mais quinze anos para me aposentar aos 61 anos. É isso mesmo! Preciso de mais quinze anos de trabalho! E quando me aposentar terei sessenta e um anos.

E eu vou falar sobre Ronaldo??? Por quê??? Ele está gordo! Ele está ruim de bola! Ele isso, ele aquilo!

Você viu a namorada dele? Quer dizer, todas as namoradas dele? Lindíssimas. Com pequenas exceções. Mas, são bonitas, gostosas, famosas.

E eu vou me preocupar com Ronaldo???

Ah, um dia eu vou me aposentar, também. Vai ser tão bom. Vou morar em Maxaranguape, lá no Rio Grande do Norte. Vou comprar uma casinha lá. Vou pescar todos os dias. No mar. No rio. E vou viver com meus oitocentos reais. Ou menos. Ah, vou ser feliz. Vou sim.

Ou melhor, vou ser mais feliz...

NÃO TENTE FAZER ISSO EM CASA!!!

STREET FIGHTER REAL

17 fevereiro 2011

POESIA: SEGUINDO O SOL

Entro no carro
Passo o cinto de segurança
O tanque está cheio
Tudo normal
Começo a viagem...

Daqui a alguns minutos
A rotina recomeça
Meu trabalho burocrático
De cada dia...

Na estrada
Vejo o Sol brilhando lá na frente
E começo a viajar
Para dentro de mim...

Resolvo seguir o Sol
E ser livre
Fazer valer a minha vontade
Como sempre desejei...

Fujo da minha rotina.
Meu destino agora
É ir onde o Sol me levar...

Não desobedeço as regras
Respeito os limites de velocidade
As placas, semáforos,
Como tem de ser...

A velocidade constante
A estrada com suas nuances
Curvas e retas
E o Sol
Sempre à frente...

São SPs, BRs, RJs,
Estradas que se unem
E me afastam
Da realidade...

As horas passam
O Sol cada vez mais elevado
E só paro para abastecer
Quando necessário...

É quase meio-dia,
Fico confuso,
O Sol está no alto
As estradas não...

Para onde devo ir?

Paro
Espero
Aproveito para almoçar
A marmita que levava para o trabalho...

O Sol começa a descer
Agora posso continuar
A minha trajetória
Rumo ao Sol...

Vou encontrar o meu pote de ouro
A cidade perdida
A mais nova Maravilha do Mundo...

As horas se passam
Meus olhos fixos no Sol
Não olham o caminho
Não uso mapas
O Sol me guia...

Não percebo que o Sol se esconde
Diminuo a velocidade
E chego, finalmente,
A lugar nenhum...

Estou de volta
Ao ponto de partida
Ao portão de minha casa
Ao início...

Coloco as mãos na cabeça
E, no meu desespero,
Percebo que andei o dia todo
E nem soube para onde ia...

Não vi o Cristo Redentor
No Rio de Janeiro
Porque não estava na linha do Sol...

Não vi a Catedral de Aparecida
Ao lado da estrada
Como todo seu movimento
Humano e sobrenatural...

Não vi os rios,
Os montes, cascatas.
Não vi as pessoas
Sorrisos e lágrimas...

Agora percebo
Que todas as viagens
Que fazemos
Nao importa onde chegamos...

O que importa é a viagem...

Abra a porta
Desça do carro
Ponha os pés no chão...

Sinta a vida
Pois a verdadeira viagem
Ainda é viver...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

DESABAFOS

E aí: Deus existe? Deus não existe? Quem veio primeiro: o ovo ou a galinha? O início de tudo se deu com a poeira cósmica? E quem fez a poeira cósmica? Deus. E quem fez Deus?

A fé!

A solução de todas essas perguntas é: tenha fé! Com fé você responde tudo: Deus existe, fez a poeira cósmica, fez a si próprio, fez a todos nós, e descansou no sétimo dia.

Independentemente do que é verdade ou mentira, quero viver o presente, esquecer a existência, esquecer o início de tudo, viver a vida, aproveitar o ar, respirar a natureza pura, independente de quem nos fez. Aproveitar o rio para pescar. Aproveitar o mar para nadar. Aproveitar o céu para poetizar.

Na minha fé há dúvidas. Como eu me preocupo muito com tudo o que penso, quero pensar menos nesse assunto. Sei que há poucas respostas. Sem fé não há respostas.

Se Eva veio de Adão, ela teria o mesmo DNA dele. Ok? Se nós viemos de Adão e Eva, teríamos todos o mesmo DNA. Ok? Somos todos irmãos, não somos? Mas não temos o mesmo DNA. E agora?

Deixa para lá. Pense menos nisso. E tenha fé...

ALGUNS VÍDEOS



DESABAFOS

Pois é, eu tava me lembrando de vir aqui escrever, mas acabei esquecendo. Quando afinal me sentei aqui, me esqueci sobre o que ia falar. E nesse lembra e esquece eu finalmente resolvi confessar:

EU TENHO MAL DE ALZHEIMER!!!

Bem, não é tão sério assim, quanto deve ser ter o mal cem por cento, doença mesmo, coisa braba. Eu esqueço de tudo, de todos, então tenho o mal. Bem, se não for Alzheimer deve ser um amigo dele, algum alemão metido a besta que me acompanha como uma alma penada.

Sobre o que eu estava falando, mesmo? Ah, mal de Alzheimer...

Pois é, sabe aquelas camisetas "estive em tal lugar e me esqueci de todo mundo"? Eu preciso distribuir pra todos vocês, leitores. E amigos. E família. E todo mundo!!! Eu esqueço, sim, não é fingimento. Se eu não escrever em um papel, esqueço até o que ia comprar no supermercado. Sério!

Espero ser perdoado por tantas falhas, né?

De tudo o que me sobra, o que mais gosto é de uma piada que li um dia: o que é melhor: ter Alzheimer ou Parkinson? Alzeimer, claro. Afinal, é melhor esquecer de pagar a cerveja do que derramá-la inteira...

16 fevereiro 2011

DESABAFOS

16/2/2011

O Santos jogou ontem à noite. Primeiro jogo do Peixe na Libertadores. Empatou. Zero a zero. Eu assisti ao jogo que acabou perto de uma da manhã de hoje. Estou com sono, mas valeu a pena.

Na verdade, o que valeu a pena foi saber que agora tenho Internet em casa, com tevê a cabo da net. Agora posso postar no meu blog todos os dias. E posso assistir uma porrada de coisas.

Na república onde eu estava tinha muitas coisas que me incomodavam. Não conseguia dormir direito. Não passavam os cabos da net na rua de lá. Eu fiquei bem mal enquanto morava lá.

Agora tudo mudou. Mudou tanto que me sinto feliz. Mas, será que essa felicidade é boa para mim? Não consigo mais fazer poesias. É verdade. Eu não me sinto mais inspirado.

Preciso encontrar motivos para ficar triste: barulho? (não, vizinhos excelentes, silenciosos), dinheiro? (não, não tenho, mas não falta), trabalho? (é o emprego melhor que já tive, colegas legais, patrões legais, salário em dia), amor? (hummmm... já sei...).

É isso aí! Vou reclamar de amor. Vou reclamar da falta de amor...

SANTOS RUMO AO MUNDIAL - LIBERTADORES

TERÇA-FEIRA - 15/02/2011
DEPORTIVO TÁCHIRA 0 X 0 SANTOS

15 fevereiro 2011

O BRILHO DA ALIANÇA

PIADA

Um homem com andar meio cambaleante é parado pela polícia às quatro da manhã e é perguntado para onde estava indo.
- Estou indo ouvir uma palestra sobre os efeitos do álcool e das drogas no corpo humano.
O policial pergunta:
- Sério? E quem vai dar uma palestra a essa hora da madrugada?
E ele responde:
- Minha esposa...

DESABAFOS

Quem não tem nada não perde nada.

Ontem à noite perdi o sono. Ouvi um barulho vindo da rua. Pensei em ladrões. E minha moto, mesmo velhinha, na varanda, toda acorrentada, dando sopa. Pensei nas mãos que iriam cortas as correntes. Pensei em quantos ladrões eram. Pensei em tantas coisas que até perdi o sono.

E se eu não tivesse moto? Não perderia o sono. E quem não tem nada não perde nada. Nem o sono?

Minha filosofia é não ter bens desnecessários. Não quero mais do que preciso para viver. Parece idiotice, utopia, loucura. Eu sei que parece. Posso até estar meio louco. Mas, não quero mais casa. Para quê? Fixar-me em uma rua, um bairro, um estado, um país?

Tenho a moto porque me é conveniente. Posso ir trabalhar mais tarde. Posso almoçar em casa. Não preciso correr atrás dos ônibus. Mas, para que uma super moto se posso ter uma pequena, simples, velha, mas que dá para o gasto?

Lá vem minha filosofia de novo: quem não tem nada não perde nada. Nem o sono...

14 fevereiro 2011

HAPPY FEET

DESABAFOS

...tenho tudo para ser feliz. Mas sou triste.

Vinícius faz mal pra mim. Ficar triste é ficar mal? A tristeza é ruim? Os meus melhores poemas são os mais tristes. Talvez o de Vinícius também. E de Quintana, de Bandeira, de Verlaine, de Rimbauld, e de todos os outros.

Vinícius não me faz mal. Me inspira!

Estou bebendo (18:01 h - segunda-feira) as duas últimas latinhas de skol que tenho na geladeira. Tristeza? Melancolia? Desespero?

Quem saberá me dizer? Quem saberá me julgar? Quem saberá saber?

Dialética (Vinícius de Moraes)

É claro que a vida é boa
E a alegria, a única indizível emoção
É claro que te acho linda
Em ti bendigo o amor das coisas simples
É claro que te amo
E tenho tudo para ser feliz
Mas acontece que eu sou triste...

POESIAS ANTIGAS...

O louco

Ele ri
Gargalha
Chama a atenção
A praça está cheia...

Ele ri
Afinal, enganou todo mundo
Falou que era louco
E todo mundo acreditou...

Ele não é louco
Apenas brinca que é
E todos concordam
Mesmo sabendo que ele não é
O que parece ser:
Um louco...

E ri
Gargalha
Agora está sentado no chã da praça.
Deita.
E ri...

Todos olham
Mas ninguém faz nada
Porque ele é maluco
Um louco varrido...

E é por isso que ele ri
Porque ele não é
Apenas está fingindo
E todos acreditam...

Só pára de rir
Quando percebe que está todo mundo em volta
Olhando para ele
Como se ele fosse um louco...

E ele não é
Apenas está fingindo...

Por isso ele parou de rir
E foi embora
Como uma pessoa normal:
Sério e triste...

Jorge Leite de Siqueira

13 fevereiro 2011

DESABAFOS

Domingo. 13 de fevereiro.
Dia de Síndrome do Fantástico.

Hoje foi um domingo light. Acordei cedo, janela aberta, calor demais, sol demais. A claridade me tirou da cama.

Esta casa onde moro é muito boa em relação a silêncio. Vizinhança tranquila, sem som alto, sem brigas, sem forró. O que há de barulho é normal, tipo um cão que late, um café tomado com conversa animada, uma porta aberta com estardalhaço. Barulho rápido, que não incomoda.

Hoje, logo depois do jogão em que o Corínthians empatou (merecia perder), eu fui andar. Daniel estava comigo. Daniel está com umas dores, umas bolhas, uma preguiça, e corremos/andamos menos do que deveríamos. Na volta encontramos esse animal da foto que adotamos.

É isso aí. Treze de fevereiro.

POESIAS ANTIGAS...

Limão

Sou azedo
Irrito sua língua
Incomodo seu paladar...

Sou aborrecedor,
Mas posso virar um suco
Uma limonada
Só depende do açúcar
Que você adicionar...

Mas você me prefere amargo
Porque te incomoda
E você pode me criticar...

Adicione pinga
Ou um pouco de vodca
E te embriago
Te entonteço
Te levo ao irracional...

Sou limão
Sou azedo
Mas foi você quem me fez assim...

Você pode me transformar
Mas será que você quer?

Contudo
Não se esqueça
Que também sou tempero
E você precisa de mim
Para dar mais sabor
À sua vida...

Jorge Leite de Siqueira

GUARUJÁ - SP

Minha amiga Janete me mandou essas fotos da Praia das Pitangueiras, Guarujá, SP. Deu saudades...





Dez mitos sobre dietas

Muitos mitos você com certeza já deve ter ouvido e talvez até possa acreditar, mas o fato é que não correspondem à realidade. Aqui vão ...