30 junho 2011

POESIA ANTIGA

POESIA 871 - IDOLATRADA

Você é minha deusa
Minha santa online
Nossa Senhora dos Poetas Depressivos...

Virtualmente
A redoma te protege
E o vidro do monitor
Não permite te tocar...

Posso apenas te venerar...

Vejos seus olhos claros
(olhos de santa)
Às vezes vejo mais de você
Mas nunca o suficiente
Para ter a certeza de sua existência...

Nunca ouvi sua voz
Nunca te vi movimentando-se
Não sei nem se você respira...

Talvez seja só espírito...

Às vezes
Sua foto muda
A paisagem muda
As palavras mudam
Mas tudo é muito superficial...

Quem faz essas alterações?
Um padre?
Um pastor?
De qual entidade religiosa?

Não sei de seus milagres...

Você já fez algum?
Tem seguidores?
Percebi que no Orkut tem um monte...

Onde é a sede de sua igreja?
Quero participar
E te exaltar
Cantar louvores para ti...

Uma divindade?
A minha deusa...

É por isso que eu te adoro, minha musa...

AUTOR - JORGE LEITE DE SIQUEIRA

26 junho 2011

POESIA 947 - SINAIS

Estou no lugar pré-determinado.
Olho para o céu
Espero a chegada de meus superiores...

Fiz a minha parte.
Recolhi as informações necessárias
Sobre os costumes da Terra
E não tenho mais motivos para permanecer aqui...

Quero ir embora...

Este lugar chamado Terra é muito estranho:
Mentiras, traições, farsas,
Aqui, os sentimentos ruins são muito valorizados
Mais até do que os bons sentimentos...

Não vejo a hora de voltar
De rever a minha família
De respirar o ar puro de meu planeta...

Lá vem eles!
As luzes se aproximam
Param acima de mim.
Agora é só esperar pelo tele-transporte...

Mas, por que a demora?
Levem-me logo!
O que está acontecendo?

O tele-transporte começa
Mas eu não subo
Eles descem...

Meu líder supremo
Em estado materializado
Aparece ao meu lado
Acompanhado de alguém que não conheço...

- Jorge, parabéns!
Já retiramos de sua mente
As informações que você recolheu...

- Mas seu trabalho ainda não acabou.
Eis alguém que vai te ajudar.
Você não a conhece
E, como não usamos nomes,
Nós a chamaremos de mulher...

- Ela será a sua mulher...

Eu olho para ela.
Aqueles olhos claros
Aqueles cabelos encaracolados...

Eu conheço essa mulher...

- Eu sei o que você está pensando!
Nós a materializamos
Conforme os seus pensamentos.
Ela é o que você considera mulher perfeita...

- Agora, preciso partir.
No futuro voltaremos para buscá-los.
Avisaremos antes...

- Boa sorte...

A nave some no espaço
Com suas luzes coloridas.
Ao meu lado, a minha mulher.
Com um sorriso nos lábios
Está ansiosa para conhecer os costumes da Terra...

- O que é beijo?
O que é sexo?
O que é amor?
Ela me pergunta...

E foi assim que tudo começou...

A minha deusa veio do céu
Trazida pelos extraterrestres
E cheia de dúvidas...

E eu tive que sanar suas dúvidas...

Agora não quero mais voltar.
Aqui na Terra tenho a mulher que amo...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

23 junho 2011

NOITE DE SÃO JOÃO

Poesia - PROFUNDAMENTE
Autor - Manuel Bandeira

Quando ontem adormeci
Na noite de São João
Havia alegria e rumor
Estrondos de bombas luzes de Bengala
Vozes cantigas e risos
Ao pé das fogueiras acesas.

No meio da noite despertei
Não ouvi mais vozes nem risos
Apenas balões
Passavam errantes
Silenciosamente
Apenas de vez em quando
O ruído de um bonde
Cortava o silêncio
Como um túnel.
Onde estavam os que há pouco
Dançavam
Cantavam
E riam
Ao pé das fogueiras acesas?

- Estavam todos dormindo
Estavam todos deitados
Dormindo
Profundamente

*

Quando eu tinha seis anos
Não pude ver o fim da festa de São João
Porque adormeci

Hoje não ouço mais as vozes daquele tempo
Minha avó
Meu avô
Totônio Rodrigues
Tomásia
Rosa
Onde estão todos eles?

- Estão todos dormindo
Estão todos deitados
Dormindo
Profundamente.

SANTOS TRI CAMPEÃO LIBERTADORES 2011

22 junho 2011

É HOJE!!!!

Alguns haikais de Paulo Leminski (1944-1989)

soprando esse bambu
só tiro
o que lhe deu o vento

-----------------------------------

confira
tudo que respira
conspira

-----------------------------------

duas folhas na sandália
o outono
também quer andar

-----------------------------------

a palmeira estremece
palmas pra ela
que ela merece

-----------------------------------

passa e volta
a cada gole
uma revolta

-----------------------------------

bateu na patente
batata
tem gente

-----------------------------------

verde a árvore caída
vira amarelo
a última vez na vida

-----------------------------------

nada me demove
ainda vou ser o pai
dos irmaos karamazov

-----------------------------------

na rua
sem resistir
me chamam
torno a existir

-----------------------------------

debruçado num buraco
vendo o vazio
ir e vir

-----------------------------------

casa com cachorro brabo
meu anjo da guarda
abana o rabo

-----------------------------------

cabelos que me caem
em cada um
mil anos de haikai

-----------------------------------

as folhas tantas
o outono
nem sabe a quantas

-----------------------------------

a chuva vem de cima
correm
como se viesse atrás

-----------------------------------

amei em cheio
meio amei-o
meio nao amei-o

-----------------------------------

pelos caminhos que ando
um dia vai ser
só não sei quando

-----------------------------------

abrindo um antigo caderno
foi que eu descobri
antigamente eu era eterno

-----------------------------------

o mar o azul o sábado
liguei pro céu
mas dava sempre ocupado

-----------------------------------

primeiro frio do ano
fui feliz
se não me engano

-----------------------------------

ano novo
anos buscando
um ânimo novo

-----------------------------------

cortinas de seda
o vento entra
sem pedir licença

-----------------------------------

lua à vista
brilhavas assim
sobre auschwitz?

-----------------------------------

tudo dito,
nada feito,
fito e deito

-----------------------------------

tarde de vento
até as árvores
querem vir pra dentro

-----------------------------------

tudo claro
ainda não era o dia
era apenas o raio

-----------------------------------

essa vida é uma viagem
pena eu estar
só de passagem

-----------------------------------

longo o caminho
até uma flor
só de espinho

-----------------------------------

nadando num mar de gente
deixei lá atrás
meu passo a frente

-----------------------------------

noite alta lua baixa
pergunte ao sapo
o que ele coaxa

-----------------------------------

nu como um grego
ouço um músico negro
e me desagrego

-----------------------------------

a noite - enorme
tudo dorme
menos teu nome

-----------------------------------

madrugada bar aberto
deve haver algum engano
por perto

-----------------------------------

acabou a farra
formigas mascam
restos da cigarra

-----------------------------------

minha alma breve breve
o elemento mais leve
da tabela de mendeleiev

-----------------------------------

essa idéia
ninguém me tira
matéria é mentira

-----------------------------------

jardim da minha amiga
todo mundo feliz
até a formiga

-----------------------------------

relógio parado
o ouvido ouve
o tic tac passado

-----------------------------------

milagre de inverno
agora é ouro
a água das laranjas

-----------------------------------

a estrela cadente
me caiu ainda quente
na palma da mão

-----------------------------------

saber é pouco
como é que a água do mar
entra dentro do coco?

-----------------------------------

amar é um elo
entre o azul
e o amarelo

-----------------------------------

-- que tudo se foda,
disse ela,
e se fodeu toda

VINICIUS...

...eu sei que vou te amar, por toda a minha vida eu vou te amar!

VINICIUS...

...eu sei que vou te amar, por toda a minha vida eu vou te amar!

17 junho 2011

2117 - COMPANHEIROS

Acordo
Olho em seus olhos verdes
Grandes, enormes,
Que sorriem para mim...

Seus lábios ainda dormem...

Acordo seus lábios
Uso os meus
Você quer dormir
Mas não pode dormir
Temos que trabalhar...

Um banho a dois logo cedo
Espuma em dois corpos
Quatro mãos em dois corpos
Dois corpos que parecem um corpo
Um corpo que são dois corpos
Dois corpos em um banheiro
Um banho que demora o suficiente...

Roupas
Cafés
Carro
Estrada
Trabalho...

Mas o almoço chega logo
E volto a ver os seus olhos
Grandes, enormes,
E verdes...

Seus lábios agora estão acordados
E dizem segredos profissionais
Contam pequenos problemas
Falam pequenos elogios
Perguntam pequenas perguntas...

E sorriem comigo...

A tarde passa rápido.
Academia
Caminhada
Jantar...

Um filme a dois
Computador a dois
Notícias a dois
Literatura a dois
Conhecimento dividido...

Sono à vista...

Já deitados
Abraçados pelo frio
Sentimos vontade de nos amar...

E nos amamos...

O frio já não é tão frio
A noite já não é tão escura
O sono já nem existe...

Sorrisos, gemidos,
Gritos, orgasmos,
Buscas, encontros...

Luzes apagadas
Olhos fechados
Mentes livres...

O sono chega.
Sonhos nos visitam
Bons sonhos
Relaxantes sonhos...

E a certeza que a rotina de amanhã será ainda melhor...

AUTOR - JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 2116 - MORRER MENINO

Há pouco tempo
Ontem
Anteontem
Eu era um menino...

Meu corpo cresceu
Eu não percebi
Mas a mente se nega a crescer
É uma criança
Brincando de viver...

De repente as pessoas apareceram
E gritaram comigo:
- Você é um homem!
- Cresce e toma rumo em sua vida!
- Faça coisas de adulto!

Mas eu não sou adulto
Sou uma criança
Um menino
Perdido no tempo
Esperando crescer
Ainda
Para ver como serei quando for adulto...

Serei sério e ranzinza?
Serei sério e chato?
Serei sério e responsável?

Não quero ser sério
Quero as brincadeiras de menino
Do menino que sou...

Por isso acordo cedo e vou trabalhar
Por isso volto tarde para casa
Por isso sou responsável como adulto
Mas, brincando,
Brincando com os amigos
Brincando com os colegas
Brincando com os clientes
Brincando de trabalhar
Brincando de viver...

Não quero ser adulto!
Adulto é sério
Adulto fica velho
E velho morre...

E eu vou morrer menino...

AUTOR - JORGE LEITE DE SIQUEIRA

16 junho 2011

SANTOS SEMPRE SANTOS

Poesia 2115 – Pedras de Deus

Estou andando
Olho para o céu
Azul
Muito azul
Uma claridade infinita
Um sol brilhante
Amarelo
Como meus dentes quase brancos...

Azul
Muito azul
E um frio arrepiando meus pelos
E peles
E todos os meus pensamentos...

Inverno...

E Deus?
Cadê Deus?
Está lá no azul ou aqui no frio?

Ou no eclipse de ontem à noite?

Ele é onipresente!
Está em todo lugar
Em todos os momentos.
Está no azul
E ali na minha sombra no chão...

Mede meus pensamentos
Segue meus passos
Joga pedras no meu caminho
Para que eu tropece...

Ou me desvie, sei lá...

Ele talvez retire as pedras
Que outros colocaram...

Outros?
Que outros?
O diabo?
Os anjos que perderam as asas?

Eu gosto das pedras.
Reclamo, mas gosto.
Não construo palácios com elas
Quem me dera!
Mas o que seria da minha vida sem as pedras para eu me esquivar?

Gosto das que me jogam
Gosto das que me empurram goela abaixo
Gosto das que colocam em meu caminho...

Eu desvio de algumas
Engulo outras
E sou acertado por tantas...

Na cara
Nas pernas
Nas costas
No cérebro
No âmago
No mais profundo da alma...

Gosto das pedras
Mesmo desconfiado:
Quem as jogou em mim?
Deus?
Diabo?
Os dois?

Acho que a pergunta deveria ser:
Quem autorizou que as jogassem em mim?

Deixa para lá!
As pedras construíram minha vida
Fizeram-me essa figura singular que sou...

Cheio de virtudes e defeitos
Com uma mente confusa por dúvidas e certezas
Um ser conflitante e feliz...

Não sei se devo agradecer
Nem a quem
Por isso não agradeço
E continuo
Seguindo
Sempre
Curtindo esse céu maravilho
Azul
E frio
Neste mês de junho
Que me gela o corpo...

Mas nunca me esfria a alma...

AUTOR - JORGE LEITE DE SIQUEIRA

13 junho 2011

FERNANDO PESSOA


Autopsicografia

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração

Pessoa, Fernando. Lírica e dramática, In: Obras de Fernando Pessoa

-----------------------------------------

A Criança

A criança que pensa em fadas e acredita nas fadas
Age como um deus doente, mas como um deus.
Porque embora afirme que existe o que não existe
Sabe como é que as cousas existem, que é existindo,
Sabe que existir existe e não se explica,
Sabe que não há razão nenhuma para nada existir,
Sabe que ser é estar em um ponto
Só não sabe que o pensamento não é um ponto qualquer.

Alberto Caeiro

-----------------------------------------

Anjos ou Deuses

Anjos ou deuses, sempre nós tivemos,
A visão perturbada de que acima
De nos e compelindo-nos
Agem outras presenças.
Como acima dos gados que há nos campos
O nosso esforço, que eles não compreendem,
Os coage e obriga
E eles não nos percebem,
Nossa vontade e o nosso pensamento
São as mãos pelas quais outros nos guiam
Para onde eles querem E nós não desejamos.

Ricardo Reis

-----------------------------------------

Tabacaria

Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.
Janelas do meu quarto,
Do meu quarto de um dos milhões do mundo que ninguém sabe quem é
(E se soubessem quem é, o que saberiam?),
Dais para o mistério de uma rua cruzada constantemente por gente,
Para uma rua inacessível a todos os pensamentos,
Real, impossivelmente real, certa, desconhecidamente certa,
Com o mistério das coisas por baixo das pedras e dos seres,
Com a morte a por umidade nas paredes e cabelos brancos nos homens,
Com o Destino a conduzir a carroça de tudo pela estrada de nada. (...).

Álvaro de Campos


YES, DALLAS

09 junho 2011

EDUARDO E MONICA - VIVO

VRRRUUUUMMMMMM...















POESIA 2114 - EX-POETA

Caro público
Prezados espectadores
Eis aqui
Deste lado
Neste cantinho
Encolhido
Escondido atrás de sua própria sombra
Eis ele
Eis o que chamam de poeta...

Forcem a vista
Esforcem os ouvidos
Aprimorem os sentidos
Vejam o que sobrou do que chamam de poeta...

Meus queridos espectadores
Olhem bem
Talvez seja a última vez que vejam isso
Esse resto de gente
Esse trapo humano
Esse coitado
Esse caco...

Isso é o resto do que já chamaram de poeta...

Vejam bem, senhores
Admirem
Esse ser
Encolhido atrás de escombros
Escondido atrás de derrotas
Defendendo-se de palavras
Protegendo-se de pensamentos...

Admirem-no
Mas não o imitem, por favor,
Não façam nada do que ele fez...

Vocês não suportariam
E acabariam igual a ele
Igual a isto
Igual ao que já chamaram de poeta...

Poeta?
Que nada!
Ex-poeta...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

06 junho 2011

BEATLES - DISCOGRAFIA

http://www.megaupload.com/?d=B7BSKTKU
1988 - Past Masters - Volume Two.rar

http://www.megaupload.com/?d=3HI6KCKO
1988 - Past Masters - Volume One.rar

http://www.megaupload.com/?d=9IDGCY6R
1970 - Let It Be.rar

http://www.megaupload.com/?d=Y4DW5BXZ
1969 - Yellow Submarine.rar

http://www.megaupload.com/?d=77W900VJ
1969 - Abbey Road.rar

http://www.megaupload.com/?d=3A6QWHAJ
1968 - White Album.rar

http://www.megaupload.com/?d=K5BGU87T
1968 - White Album II.rar

http://www.megaupload.com/?d=L4C0GXDC
1967 - Sgt. Pepper\'s Lonely Hearts Club.rar

http://www.megaupload.com/?d=WVBBYAYT
1967 - Magical Mystery Tour.rar

http://www.megaupload.com/?d=23OLC92I
1966 - Revolver.rar

http://www.megaupload.com/?d=NEMRGSG3
1965 - Rubber Soul.rar

http://www.megaupload.com/?d=CD3SJTX9
1965 - Help!.rar

http://www.megaupload.com/?d=VVK101JG
1964 - Beatles For Sale.rar

http://www.megaupload.com/?d=ZHL47M5R
1964 - A Hard Day\'s Night.rar

http://www.megaupload.com/?d=9O9DXA9B
1963 - With the Beatles.rar

http://www.megaupload.com/?d=BVU0JL45
1963 - Please Please Me.rar

Dez mitos sobre dietas

Muitos mitos você com certeza já deve ter ouvido e talvez até possa acreditar, mas o fato é que não correspondem à realidade. Aqui vão ...