03 março 2012

POESIAS

2325 – MEUS MEDOS

Eu tenho medo
Medo de gente
Medo de ordens
Medo de desculpas
Medo de gritos
Medo de falar e ninguém me ouvir...

Eu tenho medo de brigas
De ignorância
De covardia...

Tenho medo
Até de ter medo
De ter medo...

Ou de não ter mais medos...

AUTOR - JORGE LEITE DE SIQUEIRA

-------------------------------------------------

2326 – O GATO OCIOSO

Espreguiça-te, gato ocioso,
Neste mundo cão!
Espreguiça-te...

Invejo-te o sono
Invejo-te a preguiça
Invejo-te a vida...

Comida fácil
Casa, cama, carinho,
Só luta por sexo
O que o deixa exaurido...

Eu?
Fico cansado apenas em viver...

Invejo-te...

AUTOR - JORGE LEITE DE SIQUEIRA

-------------------------------------------------
  
2327 – ISSO NÃO É VIDA

O que vejo na esquina?
Um ônibus a me esperar
A morte a lhe guiar
A vida a me acompanhar...

Passageira também...

Leve-me logo!
Cansei daqui.
Talvez haja outra vida
A qual pode ser melhor...

Porque essa!
Essa!
Ah, essa não conta...

Isso não é vida...

AUTOR - JORGE LEITE DE SIQUEIRA

-------------------------------------------------
  
2328 – DEZ DE FEVEREIRO

Dez de fevereiro!
Aniversário dela.
Será o último que passaremos juntos?
Será o último antes de nos casarmos?
O que será que será?

Tantas dúvidas
Quantas perguntas
E ninguém me responde...

Tempo!
O mestre que nos mata
E que sabe as respostas...

Tempo!
Só nos conta na hora certa...

AUTOR - JORGE LEITE DE SIQUEIRA

-------------------------------------------------
  
2329 – ESTOU CANSADO

Estou cansado.
Na verdade, vivo cansado.
É uma busca constante
Que me dói os músculos e as carnes
Que dilacera o restante de neurônios que me sobraram da fumaça
Que massacra os poucos pensamentos positivos que ainda mantenho.
Estou cansado.
Tento andar, seguir caminhos,
Não consigo
O cansaço me joga ao chão
Me faz fazer planos de recomeço
Que sempre recomeçam
E nunca passam de planos.
Meus planos são ótimos.
Planos esotéricos de encontros espirituais
Planos metafóricos em amar no mar
Planos ilusórios de encontro da paz, do amor, da outra metade.
Estou cansado.
Até de planos estou cansado.
Vivo zanzando pela vida
Nunca chego a lugar nenhum
Nem aprendo todos os sotaques.
Estou cansado.
Resolvi ler Vinícius para que pudesse ter fundamentos poéticos.
Mas, por que Vinícius?
Sonhos. Sonhos. Sonhos.
Meus planos são sonhos
E vice-versa.
Estou cansado.
De sonhar também...

AUTOR - JORGE LEITE DE SIQUEIRA

-------------------------------------------------
  
2330 – Programação Normal

O arrepio
Desce pela coluna
Medo
Coragem
Abaixo-me
Espero o estrondo
Que nunca chega
Apesar dos gritos...

Há frio.
Não sinto nada
Só sono.
Nem sono
Pois durmo
Eternamente
Até ser lembrado
No jornal nacional
Como estatística...

Mais um assalto.
Mais uma morte.
Continua a violência...

E continua a programação normal...

AUTOR - JORGE LEITE DE SIQUEIRA

-------------------------------------------------
  
2331 – Grito no inferno

Ouço um grito!
Na desordem em que me encontro
Assusto-me
E me vejo no inferno
Apartando briga de anjos
Empurrando braços
Segurando armas...

Desordem no caos.
É ordem.
Ordem de silêncio
Que não fazem
E gritam
Ignorando até a chuva...

O silêncio, enfim, chega.
Traz a chuva.
Ou vice-versa.
Mortos? Feridos?
Todos
Inclusive eu
Que não saí daqui
De onde estou
Deitado no escuro do quarto...

Outro grito:
É minha mente.
Pedindo para parar...

AUTOR - JORGE LEITE DE SIQUEIRA

-------------------------------------------------
  
2332 – Louco, andarilho

Eu sou louco.
Eu penso na paz
No amor
Em coisas boas.
Eu sou louco.
Ainda acho possível vivermos em harmonia
Sem fingimento
Sem enganações...

Eu sou um louco.
Ninguém mais pensa assim...

Por isso quero a solidão
Quero ser ermitão
Quero ser andarilho...

Todos os andarilhos são loucos e gênios...

Eu sou louco.
Gênio?
Só quando tiver
Coragem
E acreditar mais em mim...

Sou um louco.
Andarilho?
Ainda não...


AUTOR - JORGE LEITE DE SIQUEIRA

Nenhum comentário:

Dez mitos sobre dietas

Muitos mitos você com certeza já deve ter ouvido e talvez até possa acreditar, mas o fato é que não correspondem à realidade. Aqui vão ...