21 dezembro 2012

crônica: colhendo laranjas

ainda não peguei a moto. alguns minutos ainda faltam para eu sair. e o que faço aqui? vim ter notícias do fim do mundo. e aí? e aí que não teve fim do mundo.

e daí? de novo.

daí que terei que ir trabalhar. terei que ligar a moto, cruzar as ruas chatas e cinzas, esperar os verdes cinzas dos semáforos, ignorar as setas cinzas inexistentes, fechar meus olhos verdes-cinzas para manobras estúpidas de motoristas cinzas.

férias escolares. as estradas estarão mais vazias. menos cinzas. as crianças nos bancos traseiros estão tão cinzas, coitadas. parecem dormir para a vida.

coitadas.

chega. vou dar adeus ao meu gato (amarelo-alaranjado) e subir na minha moto (cor-de-abóbora) para mais um dia de labuta. fechar a folha de pagamento. não aguento mais isso. não aguento mais isso. mais uma vez: não aguento mais isso. se não fossem tantas repetições...

ei, só agora eu percebi: minha camisa é orange (ou cor-de-abóbora, ou laranja, ou quase amarela...). que legal. algo não é cinza nesse mundo cinza.

Nenhum comentário:

Dez mitos sobre dietas

Muitos mitos você com certeza já deve ter ouvido e talvez até possa acreditar, mas o fato é que não correspondem à realidade. Aqui vão ...