06 janeiro 2016

Poesia - Lápide

Quando eu me for
embora
não levarei nada.

Quando a hora chegar
do sono finalmente me acalmar
não deixarei nada.

Nada!
Nem casas
nem carros
nem um mínimo saldo bancário.
Nada.

Quando eu for
embora
para a cidade mágica do sono eterno
que as minhas palavras
tragam-me de volta
para aquecer
o seu coração...

Palavras.
É só o que deixarei...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA


O deus de Baruch Spinoza

o deus de spinoza para de ficar rezando e batendo no peito! o que eu quero que você faça é que saia pelo mundo e desfrute d...