30 abril 2010

POESIA 1730 – SUPLICANDO

Esse frio
Essa saudade
Essa vontade
Essa falta...

Estou deprimido
Nervoso
Ansioso com nada
Entediado
Querendo o terremoto
O prometido
O ultimo...

Não me concentro em nada
Passo canais a esmo
Troco as músicas sem ouvi-las
Não assisto nem dez minutos do filme e o tiro
Não consigo navegar na internet
Não quero nada
E quero tudo...

Se eu fosse louco
Se eu fosse um pouquinho mais louco
Eu viraria andarilho...

Consultei Nietzsche que não me explicou nada
Perguntei pra Vinícius que não soube falar
Procurei até Cora Coralina que só mandou boas mensagens
Mas não resolveu meu problema...

O que há comigo?
Já subi escadas
Estive lá em cima
No mais alto nível
Sorrindo
Inocente...

Hoje estou perdido, aqui embaixo, debaixo do piso onde fica a escada...

O que há comigo?
Quero respostas!
Preciso de respostas.
Suplico por respostas...

Quem tem as respostas?

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA





POESIA 1729 – OUTRA VEZ

Ah, mulher, que saudades eu tenho de você.
Que mundo injusto!
Que vida injusta!
Separar-nos assim
Sem lógica
Sem razão.
A quem devo culpar?
Deus?
Demônios?
Eu e minha covardia?
Você e seu materialismo?
A vida?
Tento achar um culpado e sei que todos têm culpa.
E ninguém é culpado...

Ah, que saudades de você...

Saudades da praia na quinta
Do caranguejo, da Skol,
Combinações perfeitas.
Saudades de seus olhos que já foram verdes
E hoje são cor de Skol.
Saudades da feirinha
Dos vestidinhos
Da volta
Da caminhada no lago.
Saudades da vida a dois...

Ah, mulher, preciso culpar alguém
E xingá-lo
Senão vou explodir, estourar...

Já pensei em largar tudo e te procurar
E tentar um recomeço
Mas, sou covarde, tenho medo,
De você, da vida,
Dos homens, de Deus...

E vivo o passado vendo as fotos que tiramos juntos
Marejando os olhos
Doendo o coração
De saudades
De amor...

E o futuro?
O que será de nós no futuro?
Seremos mais corajosos...?

Ah, mulher, que vontade de você, na minha vida, outra vez...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

29 abril 2010

POR QUE EU VOTARIA NO LULA DE NOVO?

Em artigo no 'El País', Zapatero diz que Lula 'surpreende' o mundo
Presidente foi escolhido personagem do ano pelo jornal.
Mundo se dá conta de que Brasil é mais que futebol e praias, diz espanhol.

Eleito personagem do ano pelo jornal espanhol "El País, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi tema de um artigo assinado pelo primeiro-ministro espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, com o título "O homem que surpreende o mundo". No texto, Zapatero diz que sente "profunda admiração" por Lula e faz diversos elogios ao colega brasileiro. O artigo faz parte de um suplemento especial com 100 personagens do ano.

"O mundo tem se dado conta que o Brasil é muito mais que carnaval, futebol e praias. É um dos países emergentes que conta com uma democracia consolidada e está chamado a desempenhar nas décadas seguintes uma liderança política e econômica crescente no mundo, assim como já vem fazendo na América Latina com sucesso".

Ele conta que conheceu Lula em setembro de 2004, quando a Espanha passou a integrar a Aliança contra a Fome, na cúpula das Nações Unidas em Nova York. “Não podia ter havido melhor ocasião”, diz Zapatero.

O premiê espanhol diz que Lula marcou posição ao declarar que é inaceitável uma ordem econômica em que "poucos podem comer cinco vezes por dia e muitos sequer saber se conseguirão comer ao menos uma" e lembra uma declaração do brasileiro de que terá realizado a missão de sua vida se, no fim de seu mandato, os brasileiros puderem tomar café da manhã, almoçar e jantar todos os dias.

“Nesse empenho, segue esse homem honesto, íntegro e admirável, transformado em referência inegável para a esquerda do continente americano."

Ao destacar que o Brasil deixou de ser o país de um futuro que nunca chegava, o líder espanhol diz que o país foi conduzido pela mão de Lula, seguindo um caminho aberto por seu antecessor, Fernando Henrique Cardoso.

"Lula tem o imenso mérito de ter unido a sociedade brasileira em torno de uma reforma tão ambiciosa como tranqüila. Está sabendo, sobretudo, enfrentar, com determinação e eficácia, os desafios de desigualdade, pobreza e violência que tanto têm atingido a história recente do país."

Zapatero destaca ainda que, durante o mandato de Lula, o Brasil tem recebido a confiança dos mercados financeiros internacionais "pela capacidade de atrair investimentos diretos e pelo rigor com as contas públicas".

POR QUE EU VOTARIA NO LULA DE NOVO?

'Le Monde' escolhe Lula como 'homem do ano 2009'

É a primeira vez que jornal faz homenagem a personalidades. Também neste mês, presidente foi homenageado pelo 'El País'.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi eleito o "homem do ano 2009" pelo jornal francês 'Le Monde'. É a primeira vez que o veículo decide conferir a honraria a uma personalidade, como já ocorre uma vez por ano em publicações como a revista americana 'Time'. No começo do mês, o jornal espanhol 'El País' também concedeu a Lula a mesma homenagem.

Em uma reportagem que ocupa a capa e quatro páginas da revista semanal do jornal, a publicação francesa diz que Lula mudou a cara da América Latina e transformou o Brasil em uma potência. O jornal ressalta ainda seu histórico de sindicalista, sua luta contra as desigualdades e a defesa do meio ambiente.

Em seu site, o jornal afirma que para avaliar quem seria seu primeiro homenageado em 65 anos de história decidiu abordar personalidades com contribuições positivas no cenário mundial. O nome do presidente americano chegou a ser cotado, conforme explica o texto. Entretanto, a publicação afirma que Barack Obama foi mais merecedor do título em 2008 do que em 2009.

POR QUE EU VOTARIA NO LULA DE NOVO?

'Revista Time' escolhe Lula como o líder mais influente do mundo
Presidente é o primeiro na categoria 'leaders'. Obama ficou em quarto lugar na mesma relação; brasileiro Jaime Lerner é citado entre 'pensadores'.
Do G1, em São Paulo


O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi apontado como o líder mais influente do mundo em uma lista de personalidades escolhidas pela revista americana 'Time'. A relação foi divulgada nesta quinta-feira (29) no site da revista. O presidente americano Barack Obama aparece na mesma lista em 4° lugar.

A revista faz uma tradicional indicação anual das 100 pessoas mais influentes do mundo nas categorias "líderes", "heróis", "artistas" e "pensadores". Bill Clinton foi escolhido como primeiro na lista dos heróis e teve sua apresentação redigida por Bono, enquanto Lady Gaga é a artista mais influente, apresentada por um artigo de Cyndi Lauper. Na categoria pensadores, a primeira da lista é Zaha Hadid. O ex-governador do Paraná Jaime Lerner foi apontado como 16º na lista dos pensadores.

O documentarista Michael Moore foi o responsável por escrever o texto no qual apresenta uma breve biografia de Lula. "O que Lula quer para o Brasil é o que nós [dos Estados Unidos] costumávamos chamar de sonho americano", avalia o documentarista.

Outras homenagens

Lula já havia recebido outras homenagens de jornais e revistas importantes no cenário internacional. Em 2009, foi escolhido pelo jornal britânico "Financial Times" como uma das 50 personalidades que moldaram a última década.

Também foi eleito o "homem do ano 2009" pelo jornal francês 'Le Monde', na primeira vez que o veículo decide conferir a honraria a uma personalidade. No mesmo ano, o jornal espanhol 'El País' escolheu Lula o personagem do ano. Na ocasião, Zapatero redigiu o artigo de apresentação do brasileiro e disse que Lula 'surpreende' o mundo.

Veja abaixo a lista dos 10 líderes mais influentes da Time
1 - Luiz Inácio Lula da Silva
2 - J.T. Wang
3 - Admiral Mike Mullen
4 - Barack Obama
5 - Ron Bloom
6 - Yukio Hatoyama
7 - Dominique Strauss-Kahn
8 - Nancy Pelosi
9 - Sarah Palin
10 - Salam Fayyad

LORENZO MATTOTTI






MEU PREFERIDO!
PERFEITO!
QUEM SE HABILITA?

28 abril 2010

SANTOS FUTEBOL CLUBE

SANTOS FUTEBOL CLUBE

HISTÓRIA

Fundado em 14 de abril de 1912 por iniciativa de três desportistas da cidade: Raymundo Marques, Argemiro de Souza Júnior e Mário Ferraz de Campos que convocaram uma Assembléia para a fundação de um time de futebol na Rua do Rosário (foto ao lado), atual Avenida João Pessoa, na sede do Clube Concórdia. Durante a reunião foram colocados três nomes: Brasil Atlético, Euterpe e Concórdia. Mas Edmundo Jorge Araújo, sugeriu batizar o clube com o nome da cidade, ou seja, Santos Foot-Ball Clube, que foi aprovado por unanimidade. As cores escolhidas para o uniforme foram o azul e branco em listras verticais e, entre elas, frisos dourados (ao lado) - as cores do Concórdia. Só um ano depois o Santos se tornaria Alvinegro.

A primeira diretoria foi formada por Sizino Patusca (presidente), George Cox (vice-presidente), José G. Martins (1° secretário), Raul Dantas (2° secretário), Leonel Silva (1° tesoureiro) e Dario Frota (2° tesoureiro). Os diretores eram: Augusto Bulle, João Carlos de Mello, Henrique Cross, Raymundo Marques, Cícero F. da Silva e Jomas de C. Pacheco.

O primeiro uniforme as cores do clube

As cores escolhidas para a nova agremiação foram o branco, azul e o dourado na primeira camisa do clube (foto ao lado), utilizada no ano de fundação. Mas devido a grande dificuldade de se confeccionar os uniformes, quase um ano depois, o Santos, na terceira reunião de diretoria, o sócio Paulo Pelúcio sugeriu que o clube passasse a utilizar como cores oficiais o branco e o preto. Em defesa de sua idéia, disse que "o branco representa a paz, e o preto, a nobreza". E conseguiu aprovação geral dos presentes. Na oportunidade, o presidente do Santos, Raymundo Marques, apresentou os modelos da bandeira do clube, que passaria a ser "branca, diagonalmente atravessada por um faixa preta com as iniciais do Club em letras brancas".

Os primeiros jogos

Duas versões são dadas por historiadores do clube. A primeira, segundo o Conselheiro Guilherme Gomez Guarche, aponta que o primeiro jogo teria ocorrido em 23 de junho de 1912 contra o combinado local do Thereza Team, contestada por Francisco Mendes Fernandes (historiador oficial do peixe), dizendo que esta partida foi um jogo treino. A outra, apontada por Francisco como a verdadeira, teria ocorrido apenas em 15 de setembro daquele ano contra a equipe do Santos Athletic Club.

Na partida contra o Thereza Team, o Alvinegro saiu-se vencedor pelo placar de 2 a 1, gols de Anacleto Ferramenta e Geraule Ribeiro. O Santos formou com Fauvel, Simon e Ari, Bandeira, Ambrósio e Oscar, Bulle, Geraule, Esteves, Fontes e Anacleto.

No jogo considerado oficial, em 15 de setembro, o adversário foi o Santos Athletic Club, mais conhecido como Clube dos Ingleses, hoje uma das agremiações mais tradicionais da Cidade, mas que não mantém uma equipe de futebol na atualidade. O Santos Futebol Clube venceu por 3 a 0. O primeiro gol oficial da história do clube foi marcado por Arnaldo Silveira.

Primeiro título

Em 1913, foi disputado pela primeira vez, o Campeonato Santista de Futebol, contando com a participação do Santos, América, Escolástica Rosa e Atlético. O Alvinegro foi o grande campeão, com seis vitórias em seis jogos, 35 gols pró e apenas sete contra. Este foi o primeiro título da história do clube, feito repetido em 1915, mas neste caso, jogou com o nome de União FC (veja escudo na lateral).

Estréia no Campeonato Paulista

No início de 1913, o Santos recebia um convite da Liga Paulista de Futebol para disputar o campeonato estadual daquele ano. Esta foi a primeira competição oficial disputada pelo clube. Sua estréia aconteceu no dia 1° de junho, diante do Germânia. O resultado, porém, não foi nada animador: derrota por 8 a 1. O Santos jogou com Durval Damasceno, Sebastião Arantes e Sydnei Simonsen; Geraule Ribeiro, Ambrósio Silva e José Pereira da Silva; Adolfo Millon, Nilo Arruda, Anacleto Ferramenta, Harold Cross e Arnaldo Silveira.

Trinta e dois anos depois, em 1935, a equipe viria a conquistar seu primeiro título estadual. Outro título estadual só viria 20 anos depois, com a conquista de 1955, dando início a chamada era Pelé, que chegaria ao clube, trazido pelas mãos de Waldemar de Brito em 1956. O Santos de Pelé fez seu nome em todo mundo, encantando torcedores com o futebol mágico de seus craques. Formou um ataque memorável: Dorval, Mengávio, Coutinho, Pelé e Pepe. Nesse período, o Santos foi Bicampeão da Copa Intercontinental, Bicampeão da Taça Libertadores da América, pentacampeão da extinta Taça Brasil, entre outras glórias.

Os 10 maiores artilheiros

Pelé (jogou de 1956 a 1974) fez 1091 gols;
Pepe (1954-1969) 405 gols;
Coutinho (1958-1970) 370 gols;
Toninho Guerreiro (1963-1969) 283 gols;
Feitiço (1927-1936) 216 gols;
Dorval (1956-1967) 198 gols;
Edu (1966-1976) 183 gols;
Araken Patusca (1923-1929) 177 gols;
Pagão (1955-1963) 159 gols;
e Tite (1951-1963) 151 gols marcados.

Linha do tempo

1912 - No dia 14 de abril é fundado o Santos Football Club, um dos maiores clubes da história do futebol mundial de todos os tempos.

1913 - disputa do primeiro campeonato oficial, o paulista

1913 - primeira partida oficial, pelo campeonato paulista, Santos 1 x 8 Germânia. O clube jogou com: Durval Damasceno, Sebastião Arantes e Sydnei Simonsen; Geraule Ribeiro, Ambrósio Silva e José Pereira da Silva; Adolfo Millon, Nilo Arruda, Anacleto Ferramenta, Harold Cross e Arnaldo Silveira.

1913 - A primeira vitória em uma competição ocorreu em 22 de junho de 1913, Santos 6 x 3 Corinthians, no Parque São Jorge, em São Paulo.

1913 - Primeiro titulo foi o 1° Campeonato Santista. Participaram, além do Santos, Atlético, Escolástica Rosa e América.

1915 - Conquista o segundo título municipal, mas para poder disputar o campeonato da cidade, o clube adotou o pseudônimo de União, mantendo o mesmo uniforme, mas com um escudo com o nome União entre losangos.

1916 - Inauguração da praça de esportes da Vila Belmiro, em 12 de outubro

1930 - Araken Patusca se torna o primeiro jogador santista a disputar uma Copa do Mundo.

1931 - No dia 21 de março, exatamente às 20 horas, eram acesos pela primeira vez os refletores do campo da Vila Belmiro. O adversário foi uma seleção da cidade de Santos que venceu por 1 a 0.

1933 - O estádio da Vila Belmiro é denominado de Urbano Caldeira.

1935 - Foi o ano da conquista do primeiro titulo estadual

1956 - Chega ao clube, trazido por Waldemar de Brito, o maior atleta do século XX, o Rei Pelé.

1958 - Pelé, Pepe e Zito se tornam campeões da Copa do Mundo na Suécia.

1962 - Primeiro clube brasileiro a ganhar a Libertadores e a Copa Intercontinental, feito repetido em 1963.

1986 - O uruguaio Rodolfo Rodriguez foi o primeiro jogador estrangeiro do clube a participar de uma Copa do Mundo.

Todos os Títulos do Santos



Competição Ano

Copa Intercontinental 1962, 1963
Copa Libertadores 1962, 1963
Supercopa dos Campeões(Zona Intercontinental) 1969
Supercopa dos Campeões (Zona Sulamericana) temporada 1968/69
Copa Conmebol 1998
Campeonato Brasileiro 2002, 2004
Torneio Roberto Gomes Pedrosa 1968
Taça Brasil 1961, 1962, 1963, 1964 e 1965
Torneio Rio-São Paulo 1959, 1963, 1964, 1966 e 1997
Campeonato Paulista 1935 (LPF), 1955, 1956, 1958, 1960, 1961, 1962, 1964, 1965, 1967, 1968, 1969, 1973, 1978, 1984, 2006 e 2007
Torneio Inicio do Camp. Paulista 1928 (Apea), 1984
Torneio da Liga Paulista de Futebol 1937
Torneio Fed. Paulista de Futebol 1952
Taça Cidade de São Paulo 1949, 1970
Torneio Laudo Natel (Gov. de SP) 1975
Copa Fed. Paulista de Futebol 2004 (conquistado pelo "Santos B")
Campeonato de Santos (Citadino) 1913, 1915 (* jogando com o nome de União)
Taça Santos 1952

Torneios Internacionais

Torneio Internacional da FPF 1956
Torneio Pentagonal do México 1959
Troféu Tereza Herrera (Espanha) 1959
Torneio de Valência (Espanha) 1959
Troféu de Gialorosso (Itália) 1960
Torneio de Paris (França) 1960, 1961
Torneio da Costa Rica 1961
Pentagonal de Guadalajara (MEX) 1961
Torneio Itália 1961 1961
Hexagonal do Chile 1965
Torneio de Caracas (Venezuela) 1965
Quadrangular de Buenos Aires (ARG) 1965
Torneio de New York (EUA) 1966
Quadrangular Roma/Florença (ITA) 1968
Octogonal Nicolau Moran (Chile) 1968
Pentagonal de Buenos Aires (ARG) 1968
Hexagonal do Chile 1970
T. Triangular de Kingston (Jamaica) 1971
Hexagonal do Chile 1977
Triangular de León (México) 1977
T. Vencedores da América (URU) 1983
Taça Cidade de Barcelona (ESP) 1983
Copa Kirim (Japão) 1985
Troféu Cidade de Marselle (FRA) 1987
Supercopa Americana (China) 1990
Torneios Nacionais
Quadrangular de Belo Horizonte/MG 1951
Troféu Dr. Mario Echandi 1959
Torneio da Amazônia 1968
Torneio de Cuiabá/MT 1969
Torneio Gov. Roberto Santos/BA 1975
Copa Denner 1994
Torneio de Verão (Santos/SP) 1996

MOTIVOS DE FELICIDADE

Moro em São Paulo...


Tenho um filho verdadeiro que se chama Igor que hoje é maior de idade e não se lembra dessa foto tirada por sua tia em Porto Seguro...


Sou santista e também quero Neymar e Ganso na seleção...


Sou pai platônico da Alice...


E fui ao show do Metallica no Morumbi...

MULHER DE 145 KG!!!





POESIA 1728 – TRECHOS DE UMA MENTE IN(Sã)NA

Tenho problemas:
Psiquiátricos, psicológicos, sentimentais,
Tenho muitos problemas financeiros
Profissionais, também...

Tenho problemas com bebida
Com vícios, sociais, familiares,
Pessoais...

Eu tenho um monte de problemas
Mas, são meus!
O que você tem a ver com isso?

--- x ---

Eu sou uma contradição?
De quê?

--- x ---

Antes, tinha medo.
Não tenho mais.
Nem desculpas.
Sou vítima...

--- x ---

Sou Pôncio Pilatos reencarnado?
Tenho os peitos grandes (gordo)?
Escolheria outra mãe se me formatasse?
Coisas de mãe...

--- x ---

Vou continuar falando.
Um dia você me escuta.
Vou continuar ouvindo
Um dia eu te escuto dizer que me ama...

--- x ---

Lábios.
Carnudos.
Que fome...

--- x ---

Ontem, dormi menino.
Hoje, acordei homem.
E amanhã?
Morrerei?

--- x ---

Gosto das coincidências
E as sigo
Mas, onde estão?
Não vejo mais coincidências.
Pra onde ir?
O que fazer?

--- x ---

O que me falta?
Já plantei uma árvore
Já escrevi um livro
Ta tive filhos...

Sinto-me inútil...

--- x ---

A Maria Tereza me rogou uma praga:
Disse que eu morreria à noite.
Só porque eu disse que Deus é sacana...

No contexto Ele é sacana
Em geral Ele é legal...

Estou perdoado?

--- x ---

Medo.
Tenho medo de ficar velho.
Tenho medo de envelhecer sem ter vivido dignamente...

Quero vida!
Quero ter histórias para contar para os netos...

--- x ---

Não tive sorte na vida.
Não consigo viver
Não consigo ser feliz
Sou azarado...

--- x ---

Será a maldição de Pôncio Pilatos?

--- x ---

Meu quarto é azul
Não é azul céu
Nem azul mar
É azul mofo...

Sinto-me no céu!
Em paz?
Não! Morto...

--- x ---

Meu coração está confuso.
Não sei o que fazer
Não sei a quem amar
Não sei por que amar
Não sei nada...

Não tenho respostas
Ninguém me entende
Só vejo confusão em meu futuro...

Não é excesso.
É falta...

--- x ---

Tantas cédulas passaram em minhas mãos
Nunca fui feliz.
Serei agora?
Quem me explica?

--- x ---

Hoje estou cansado, chateado,
Não sei o que é
Acho que é a rotina, a prisão, o barulho.
Uma repetição sem solução...

E o corpo vai acabando
Gordo, cansado,
De corpo e mente...

Meu cérebro está parando...

--- x ---

Quando deito, desejo sonhar.
Queria, no sonho, ver uma porta
A saída, para qualquer lugar,
E ir, ir, ir, sempre ir, sem parar...

Mas, nunca sonho,
Nunca vejo a saída,
E nunca vou...

--- x ---

Antes, via o caminho, o mar, a pedra no meio do caminho.
Hoje?
Não vejo nada, apenas uma escuridão profunda...

Fecho os olhos, não quero ver.
Tomo calmante e durmo.
Tomo Skol e esqueço...

--- x ---

Eu sorrio o dia todo.
Sou feliz
Todos acham...

Ah, quanta mentira!
Mas, é necessário,
Faz parte da minha socialização...

Estou certo?

--- x ---

O amor!
O que é o amor?
Um filme?
Um vício?
Sexo?

O que é o amor?
A vida?
Outra pessoa?
Nós mesmos?

O que é o amor?
Como senti-lo?
No coração?

O amor é bom?
É prazer?
É sofrimento?

O que é o amor?
Ainda não sei.
Estou confuso...

--- x ---

Estou em frente à porta
Toco a campainha
Ninguém me atende...

Nunca ninguém me atende (entende)...

--- x ---

Tocam a campainha!
Não vou atender.
Desculpe-me, estou ocupado com outra...

--- x ---

Certo estava Drummond:
João amava Maria
Que amava José
Que amava Joana...

--- x ---

Jogo as palavras
Escrevo mecanicamente
Não crio, desabafo,
Quero irritar a quem gosta de mim
Incomodar a quem me ama...

Por que faço isso?
Você precisa me compreender totalmente para me amar...

--- x ---

Por que não ataco meus inimigos?
Não tenho inimigos...

--- x ---

Se eu fosse fazer uma música
Teria que ter rima
Mas isso é uma loucura
Não consigo ficar por cima
E vivo nessa tortura
Sem ter quem me ensina...

Não rimou...

--- x ---

Sou triste?
Sim.
Mas não choro...

Então não sou triste?

--- x ---

Ciclos!
A cada hora um novo ciclo se inicia em mim.
Alegria, depressão, tristeza, esperança...

Sorte sua me conhecer numa boa hora
Mas, um conselho: não conviva comigo...

Não sou psicótico.
Nem bipolar.
Sou hiperativo...

Imperativo, ativo, hiperativo...

--- x ---

Lua de São Jorge
Dia de São Jorge
Show dos quatro Jorges
Show de Seu Jorge
E eu também sou Jorge...

Tio Jorge...

--- x ---

A borboleta
De tão longe, na mala,
É estrangeira...

Não é borboleta, é butterfly...

Yellow, red e azul.
Seguiu os instintos
Foi conhecer outros mundos
E morreu...

Mas seguiu seu arco-íris...

--- x ---

Abri meu peito
Cortei meu coração
Queria limpá-lo...

Saiu sangue
Senti dor
Mas você continuou lá...

O que isso significa?

--- x ---

Sou um palhaço!
Social, mas sou...

Que ridículo...

--- x ---

Você se atreve a comparar Vinícius com Quintana?
Arroz a feijão?
Rosas a margaridas?
Marte a Terra?
Gosto e nariz, cada um tem um...

--- x ---

Perguntam-me: - Você gosta de rock?
Escuto o dia inteiro
Ouço bem alto
Canto junto...

Não gosto, não. Sou apenas maluco...

--- x ---

As drogas estão acabando com nossos jovens.
Matam-se entre si
Viciam-se sem perceber
Gastam tudo o que têm (roubam o que não têm)...

É triste, muito triste ver isso,
Um futuro desperdiçado...

Ah, meu tempo, belo tempo,
Em que um baseado era apenas um baseado...

Hoje: gírias das prisões,
Música das cadeias,
Completamente cegos...

Ah, molecada, saiam dessa, manos...

--- x ---

Eu poderia ter um avatar
Um substituto
Um robô...

Estou cansado de viver e não ter futuro...

--- x ---

O que é paz?
Para mim é o silêncio...

--- x ---

Já vivi bastante.
Posso morrer?
Estou só começando...

Estou na fase do estágio ainda...

--- x ---

Nunca é tarde demais!
Ou é?
Maldita confusão mental
Que me cega
E me amarra os pulsos...

--- x ---

Como dar certo contigo?
Olhar juntos para o horizonte?
Ter os mesmos planos?
Falar as mesmas coisas?
Pensar as mesmas coisas?

É difícil achar a outra metade...

Sei que sou metade de alguém
Mas, estou só bagaço,
Como alguém me reconhecerá?

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

27 abril 2010

TODA A POESIA DE VINÍCIUS DE MORAES ESTÁ LIBERADA NA BRASILIANA USP

TODA A POESIA DE VINÍCIUS DE MORAES!!!
ACESSE:

http://www.brasiliana.usp.br/node/455

E DIVIRTA-SE...

COMO FAZER SMIRNOFF ICE

O Smirnoff desde que foi lançado foi um sucesso, mas está nessa grande variedade de cocktails unida às peças publicitárias o grande crescimento de consumo da bebida no país. A popularidade da vodka cresceu consideravelmente nos últimos anos, tanto que, é o principal personagem em bebidas misturadas.

Hoje, a bebida vem em diversos formatos. Tem em garrafa, em lata, tipo long nack. Tudo para se adequar ao perfil do consumidor. Tudo para tornar o produto fácil de ser consumido em qualquer circunstância que o consumidor esteja.

Dentre suas variações, está o sucesso do Smirnoff Ice. Essa variação traz uma característica de unir o forte sabor da vodka com um toque doce.

Confira a receita logo abaixo:

Ingredientes
1 litro de vodka Smirnoff
2 litros de Sprite
1 envelope de Clight de limão
1 litro de água mineral com gás

Modo de Preparo
É só misturar todos os ingredientes bem gelados. Rende
o equivalente a 16 garrafinhas.

26 abril 2010

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

ADMIRÁVEL MUNDO NOVO

O vizinho da direito está no carro
Pronto para o batente
Indo para o trabalho...

O vizinho da esquerda
Repete sua rotina
Todos os dias...

Robôs, num sistema cíclico,
Infinito...

Sorrir, chorar, molhar o rosto,
Falar, gritar, escovar os dentes,
Tomar café...

E eu, nobre louco egoísta
Sou estranho
Porque penso e faço o que quero
Porque quero, eu repito,
E repito porque quero...

Minha camisa não está na moda
Hoje é brechó
Minha calça já foi jeans
Hoje é um pano azul desbotado.
Meus cabelos cresceram
Minha barba também...

Meu sorriso é pura alegria
Não tenho botão liga/desliga
Não vão me mudar...

Se sou tudo isso
Sou porque sou louco
Desvairado e maluco
Hippie, doido varrido,
Sujo, feio e banguela...

Mas sou o que eu quero ser...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

25 abril 2010

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

MENDIGO

Ele anda pelas ruas
Todos os dias
Em busca de moedas
Que o ajudem a viver...

São latinhas amassadas
Papelão em demasia
Que já não cabem no carrinho...

As roupas, rasgadas, esfarrapadas,
Fora de moda
Combinam com as botas
Apesar de serem diferentes em cada pé...

Sua esposa, na outra calçada,
Ajuda-o na labuta diária.
Seu filho, pequeno e inocente,
Pede centavos no semáforo...

Sua casa, um barraco,
Tem a vantagem de ser própria
E a desvantagem de não ser casa...

Mas é um lar...

Hoje tem feijão e arroz
E ovo frito...

Dorme abraçado à esposa
Que também cheira à pinga
Entre outras coisas.
Seu filho dorme como um anjo,
Ali ao lado...

No dia seguinte, voltam ao trabalho,
E uma mulher comenta com a amiga:
- Tenho nojo do mendigo...

E ele continua vivendo
Mais feliz que aquela pobre mulher...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

24 abril 2010

POESIA 1727 – CICLO POÉTICO

Com uma pá recolho palavras do chão:
São as migalhas de Fernando Pessoa
Que deixou escapar ao vento;
São as sobras de Carlos Drummond de Andrade
Que jogou fora por falta de interesse;
São os restos que Vinícius de Moraes não quis,
Pois, tão apaixonado estava, deixou que escorregassem ao solo...

Palavras...

Encho com elas a minha caixa das fantasias
Junto aos versos que já havia recolhido anteontem
E faço poemas que se entrelaçam entre si
Misturando os meus ídolos a mim...

Todas as noites são assim:
Enquanto leio na varanda,
Palavras escapam e caem ao chão, sob a rede,
Acumulando-se aos montes das noites anteriores
Misturando amor e ódio, paixão e sedução...

Quando a insônia me ataca, às madrugadas,
Encho um copo de uísque, sento-me na cama,
Abro a caixa e vou brincar de combinar letras
Criar ordens nas palavras
E montar versos
Que nada mais são do que os farelos dos outros poetas
Que já disseram tudo
E só me deixaram suas sobras...

Sou grato a eles, a todos os poetas,
Que estimulam a minha imaginação
Emprestando-me suas musas
Com as quais sonho
E crio as mais loucas poesias...

Da mesma forma
Sei que também jogo palavras ao chão, ao lixo, ao mundo,
Para que alguém tropece nelas
E inicie um novo ciclo...

Um ciclo poético sem fim...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

VIDA CONFUSA

Sou homem
Heterossexual assumido
Confuso
Insensível
Cansado da lida...

Apaixono-me todos os dias.
Muitas vezes pela mesma mulher
Algumas vezes por outras...

Sem motivos, sou responsável.
Emotivo, sou poeta...

Escrevo muito
Leio pouco
Penso demais...

Misturo meus pensamentos
Faço planos que nunca dão certo...

Algumas vezes
Sinto-me numa partida de pingue-pongue
Onde sou a bolinha:
Pra lá e pra cá...

Muitas vezes sou vidro
Um espelho
Que se quebra facilmente
E vive em cacos...

É isso!
Sou um caco qualquer
Jogado ao lixo
Sendo consertado por um menino enorme
Com uma mão enorme
Usando uma cola invisível...

Uma menino enorme
Chamado Deus
Brinca diariamente comigo...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

23 abril 2010

POESIA 1726 – A AGENDA DE DEUS

Deus
Em seu escritório divino
Grita com seus ajudantes:
- Quem pegou minha agenda?
Quem escondeu minha agenda?
Estou perdido sem essa agenda...

Os anjos voaram para longe, com medo...

O Universo é enorme
Deus tem que administrar tudo
E sem a agenda?
Vai virar um enorme caos...

Tantos humanos na Terra
E tantos extraterrestres
Cada um com um pedido
E Deus ouvindo todos
Pois Deus tudo vê e tudo ouve...

- Quem pegou a minha agenda?

E os anjos fugiram para o Jardim
Temem a ira de Deus
Que é só Amor
Pois foi criado assim...

Contradições divinas...

De repente, no Planeta Terra:
Tsunami no Havaí
Terremoto no Brasil
Vulcão na Inglaterra
Furacão nas Ilhas Malvinas...

Graças a Deus, Deus achou a agenda
E tudo volta ao normal:
Tsunami na Indonésia
Terremoto na Indonésia
Vulcão na Indonésia
Furacão na Indonésia...

Deus deve odiar a Indonésia...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 1725 – FORMATAÇÃO

Eram três da madrugada quando Deus me criou.
Boneco pronto
Molde perfeito (segundo Sua opinião)
Instalou o Sistema Operacional...

E me mandou para o Planeta Terra...

Meu HD foi enchendo.
Deus se esqueceu de me fazer up-grade
Fiquei com placas antigas
Acabou a memória
Fiquei com programas desatualizados...

Estou lento, pesado, muito devagar...

Às vezes, travo.
Às vezes nem o CTRL + ALT + DEL funciona.
Às vezes viro noites sem desligar...

Para piorar, peguei diversos vírus...

Meu Windows é antigo
Não conheço o Linux
Não consigo rodar novos programas...

Deus me abandonou
Esqueceu-se de desligar o estabilizador
Não mexeu na fonte de energia...

Eu tenho a solução!
Não resolve, mas ajuda:
Formatação total...

Se eu pudesse
De Deus quisesse
Bastaria me formatar...

Limparia meus vírus
Apagaria minha memória
Instalaria novos programas
Um Sistema Operacional mais moderno...

Meu HD ficaria com mais espaço
Quem sabe até instalaria uns jogos (preciso me divertir)
Ou me conectava à Internet (preciso me socializar)
Onde eu poderia fazer amizades
Visitar shows, cinemas, museus,
Conhecer mulheres
Ir a sites adultos...

São só conjecturas...

Enquanto a formatação não acontece
Só me resta girar a manivela
Para continuar funcionando nesta lentidão:
Sou do tempo do DOS...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 1724 – MEU PRÓPRIO MOLDE

Corro na superfície.
Sou medroso
Temo a profundidade
Não quero me aprofundar mais do que posso...

Perco mais que ganho
É inerente a mim...

Também é parte de mim voar.
Temo o solo
Receio tropeçar, cair,
E nunca mais me levantar...

Por isso vago sozinho...

Quero mudar
Conhecer o mistério
Ver o que só os raros vêem
Entender os sonhos
(os meus, principalmente)
As utopias
Que me isolam da realidade...

Quero ter o abstrato nas mãos
Como barro
E formar o meu próprio molde...

Cansei de apenas assistir...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 1723 – DOCE VOZ

Doce.
Mesmo que não te escute tanto
Sinto teu mel lambuzando meus ouvidos
E acalmando minha alma...

Doce.
Sinto na audição
Degusto nos tímpanos
Como um deus mitológico e seus poderes...

Doce.
Que me traz o sol para perto
E me deixa o sal do mar tão claro
E transforma a fúria em correnteza amena...

Doce.
Que me transforma
De leão a gato
De senhor a escravo...

Doce voz a tua
Que agradeço aos Cosmos por existir...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

DEUS ET

São tantas estrelas
Uma escuridão imensa
Entrei na Via Láctea
O Sol brilha...

Não conheço essa área do espaço
Que lugar bonito
Tantos planetas
Uma mais belo que o outro...

Minha nave é rápida
Visito a todos
Rapidamente
E escolho o terceiro, o azul,
Para conhecer melhor...

Não sabia que existia vida aqui...

Estaciono ainda visível
Tantos me olham...

Mudo de dimensão
Fico invisível
E me misturo aos humanos...

Gostei da água, das árvores,
Do vento que as balança.
Gostei das pessoas
Que falam entre si usando a boca
Diferentes de mim, telepata...

Por engano, fico visível por instantes,
E me vêem.
Chamam-me Deus
E clamam a minha presença.
Não estou aqui para mudar
Nem a ordem nem o caos...

Entro na nave e volto
Para o espaço, para o céu...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

ONZE PIADAS

1. NO GINECOLOGISTA
A mãe, desesperada, pergunta pro médico:
- O que houve com ela, doutor?
- Sua filha está com o clitóris igual a uma tampinha de caneta bic!
- Azul, doutor ?
- Não, todo mordido.

------------------x---------------------

2. NA CLÍNICA PARA DEFICIENTES
Na hora do almoço, um interno ia passando pelo refeitório, quando o cozinheiro lhe pergunta:
- Quer uma torta, amigo?
- Agora não, obrigado! Acabei de comer uma ceguinha!

------------------x---------------------

3. NO DEPARTAMENTO DE IMIGRAÇÃO
- Sexo?
- 3 vezes por semana
- Não... eu quero dizer masculino ou feminino.
- Não importa.

------------------x---------------------

4. NO CELEIRO
Diz a ovelha para o carneiro:
- Tens tão pouca lã...
- Tá, mas viemos para aqui trepar ou fazer tricô ???

------------------x---------------------

5. NO UROLOGISTA
Uma mulher, toda boazuda, vai ao consultório médico:
- Doutor, queria que fizesse algo pelo meu marido... Algo que o fizesse ficar como um touro!
- Pois bem, dispa-se. Vamos começar agora mesmo pelos chifres...

------------------x---------------------

6. NA BALADA
Um cara chega para uma mulher e diz:
- Tá afim de uma transa mágica?
A mulher pergunta:
- Como é uma transa mágica?
Ele diz:
-É muito simples, a gente transa e depois você desaparece.

------------------x---------------------

7. NA FESTA
O menininho pergunta pra mãe:
-Mamãe! Por que você é branca, papai é negro e eu sou japinha...
-Ah, meu filho! Se você soubesse a festa que houve naquele dia... você tem sorte por não latir.

------------------x---------------------

8. NO PLANTÃO MÉDICO
O sujeito vai ao hospital, caindo de bêbado. Durante a consulta, vêm as perguntas de praxe:
- Nome?
- Juvenal dos Santos!
- Idade?
- 32 anos.
- O senhor bebe?
- Vou aceitar um gole, mas só pra te acompanhar!

------------------x---------------------

9. NA BOLSA
A mãe americana encontra uma lata de cerveja na bolsa da filha e pergunta para si mesma:
- Será que minha filha está bebendo?
A mãe italiana encontra um maço de cigarros na bolsa da filha e se questiona:
- Será que minha filha está fumando?
E, como não poderia faltar, a mãe portuguesa encontra uma camisinha na bolsa da filha, e se pergunta:
- Meu Deus! Será que minha filha tem pinto???!!!

------------------x---------------------

10. NO LAR PARA IDOSOS
Dois velhinhos conversando:
- Você prefere sexo ou Natal?
- Sexo, claro! Natal tem todo ano, enjoa.

------------------x---------------------

11. NO FIM
No consultório, fim de tarde, o médico dá a péssima notícia:
- A senhora tem seis horas de vida.
Desesperada, a mulher corre para casa e conta tudo para o marido. Os dois resolvem gastar o tempo que resta da vida dela fazendo sexo.
Fazem uma vez, ela pede para repetirem. Fazem de novo, ela pede mais.
Depois da terceira vez, ela quer de novo.
E o marido:
- Ah, não, chega! Eu tenho que acordar cedo amanhã... você não!

22 abril 2010

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

MEU MUNDO

Big bang
Poeira espacial
Micróbios...

Areia, terra,
Água e pedra
Solidificações...

Um planeta, um Mundo...

Vida!
Homens e animais
Vegetais e minerais...

Um mundo...

Mas
O Mundo é de quem sonha...

O Mundo é meu!
Todos os dias...

Sonho
Sempre
Olhos abertos e fechados
Sonhos vêm e vão
Formam-se
E se destroem
A todo instante...

Mas são sonhos
E são meus...

Como o Mundo...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

PIADAS MINEIRÍSTICAS

NUDEZ MINEIRA

Dois cumpadre de Uberaba tavam bem sossegadim fumando seus respectivo cigarrim de paia e proseano.
Conversa vai, conversa vem, eis que a certa altura um deles pergunta pro outro:
- Cumpadre, u quê quiocê acha desse negóço de nudez?
- No que o outro respondeu:
- Acho bão, sô!
O outro ficou assim, pensativo, meditativo...e perguntou de novo:
- Ocê acha bão purcaus diquê, cumpadre?
E o outro:
- Uai! É mió nudês do que nunosso, né mesmo?

------x-x------

SUTILEZA MINEIRA

O cumpadi, há muito tempo de olho na cumadi, aproveitô a ausência do cumpadi e resolveu fazer uma visitinha para ver se ela não carecia de arguma coisa...
Chegando lá, os dois meio sem jeito, não estavam acostumados a ficar a sós... falaram sobre o tempo....
- Será qui chove?
- Pois é.....
Ficô um grande silêncio.....
Aí, o cumpadi se enche de corage e resorve quebrá o gelo:
- Cumadi....qui qui ocê acha: trepemo ou tomemo um café?
- Ah, cumpadi...cê mi pegô sem pó.....

------x-x------

TREM CAIPIRA

Uma mulher estava esperando o trem na estação ferroviária de Varginha, quando sentiu uma vontade de ir urgentemente ao banheiro.
Foi...
Quando voltou, o trem já tinha partido. Ela começou a chorar.
Nesse momento, chegou um mineiro, compadeceu-se dela e perguntou:
- Purcaus diquê qui a sinhora tá chorano?
- É que eu fui urinar e o trem partiu....
- Uai, dona! Por caus dissu num precisa chorá não...tenho certeza bissoluta qui a sinhora já nasceu com esse trem partido....

------x-x------

CUNVERSA DE MINEIRIM

- Cumpadi, muié é bicho estranho, num é mêsss???
- Num gosta di pescá....
- Num gosta di futebor...
- Num sabi contá piada...
- Num toma umas pinguinha....
- Óia, cumpadi.....si num tivesse xoxota, eu nem cumprimentava.

------x-x------

MUIÉ MINEIRA

Os dois cumpadres pitavam o cigarrim de paia e prosiavam.. Um deles pergunta:
- Ô cumpadre, cumé que chama mesmo aquela coisa que as muié tem (faz um sinal com as duas mãos), quentim, cabeludim, que a gente gosta, é vermeia e que come terra?
- Uai...quentim.... vermeia..? A gente gosta? Uái sô, só pode ser xoxota. Mas eu num sabia que comia terra, sô!!
O outro dá uma pitada no cigarro:
- Pois come, cumpadre. Só di mim, cumeu treis fazenda.

------x-x------

DIPROMA

O velho fazendeiro do interior de Minas está em sua sala, proseando com um amigo, quando um menino passa correndo por ali.
Ele chama:
- Diproma, vai falar para sua avó trazer um cafèzinho aqui pra visita!
E o amigo estranha:
- Mas que nome engraçado tem esse menino!! É seu parente?
- É meu neto! Eu chamo ele assim porque mandei a minha filha estudar em Belzonte e ela voltou com ele!

------x-x------

MINEIRIM NO RIDIJANEIRO

Um mineirim tava no Ridijaneiro, bismado cas praia, pé discarço. sem camisa, caquele carção samba canção, sem cueca pur dibacho.
Os cariocas zombano, contano piada de mineiro. Alheio a tudo, o mineirim olhou pro marzão e num se güentô: correu a toda velocidade e deu um mergúio, deu cambaióta, pegô jacaré e tudo mais.
Quando saiu, o carção de ticido finim tava transparente e grudadim na pele. Tudu mundo na praia tava oiano pro tamanho do 'amigão' que o mineirim tinha. O bicho ia até pertim do juêio...A turma nunca tinha visto coisa igual. As muié cum sorrisão, os homi roxo dinveja, só tinham olhos pro bicho.
O mineirim intão percebeu a situação, ficou todo envergonhado e gritou:
-Qui qui foi, uai? Seus bobãum... vão dizê qui quando oceis pula na agua fria, o pintim doceis num incói tamém...?

------x-x------

TRAIÇÃO À MINEIRA

O amigo chega pro Carzeduardo e fala:
- Carzeduardo, sua muié tá te traino co Varti.
- Magina!! Ela num trai eu não. Cê tá inganado, sô.
- Carzeduardo! Toda veiz qui ocê sai pra trabaiá, o Varti vai pra sua casa e prega ferro nela.
- Duvido! Ele não teria corage....
- Mais teve! Pode confiri.
Indignado com o que o amigo diz, o Carzeduardo finge que sai de casa, sesconde dentro do guarda-roupa e fica olhando pela fresta da porta.
Logo vê sua mulher levando o Varti para dentro do quarto pra começar a sacanage.
Mais tarde, ele encontra com o amigo, que lhe pergunta o que houve.
E então, o Carzeduardo relata cabisbaixo:
- Foi terrive di vê!!!... ele jogou ela na cama, tirou a brusa.... e os peito caiu....tirou a carcinha...e a barriga e a bunda dispencaro...... tirou as meia...e apariceu aquelas varizaiada toda, as perna tudo cabiluda.. E eu dentro do guarda roupa, cas mãos no rosto, pensava: 'Ai...qui vergonha que do Varti!!!'

------x-x------

UAI SÔ

Um mineirinho bom de cama, passando por New York, pega uma americana e parte para os finalmentes.
Durante a relação, a americana fica louca e começa a gritar:
- Once more, once more, once more.....(tradução de once more: 'mais uma vez') E o mineirinho responde desesperado:
- Beozonte, Beozonte, Beozonte.....

------x-x------

O EMPRESÁRIO E O MINEIRIM!

Num certo dia, um empresário viajava pelo interior de Minas.
Ao ver um peão tocando umas vacas, parou para lhe fazer algumas perguntas:
- Acha que você poderia me passar umas informações?
- Claro, sô!
- As vacas dão muito leite?
- Qual que o senhor quer saber: as maiáda ou as marrom?
- Pode ser as malhadas.
- Dá uns 12 litro por dia!
- E as marrons?
- Tamém uns 12 litro por dia!
O empresário pensou um pouco e logo tornou a perguntar:
- Elas comem o quê?
- Qual? As maiáda ou as marrom?
- Sei lá, pode ser as marrons!
- As marrom come pasto e sal.
- Hum! E as malhadas?
- Tamém come pasto e sal!
O empresário, sem conseguir esconder a irritação:
- Escuta aqui, meu amigo! Por quê toda vez que eu te pergunto alguma coisa sobre as vacas você me diz se quero saber das malhadas ou das marrons, sendo que é tudo a mesma resposta?
E o matuto responde:
- É que as maiáda são minha!
- E as marrons?
- Tamém!

------x-x------

INDO PARA A PESCARIA...

Os dois mineiros se encontram no ponto de ônibus em Cocalinho para uma pescaria.
- Então cumpade, tá animado? pergunta o primeiro.
- Eu tô, home!
- Ô cumpade, pro mode quê tá levano esses dois embornal?
- É que tô levano uma pingazinha, cumpade.
- Pinga, cumpade? Nóis num tinha acertado que num ia bebê mais?!
- Cumpade, é que pode aparece uma cobra e pica a gente.. Aí nóis desinfeta com a pinga e toma uns gole que é pra mode num sinti a dô.
- É... e na outra sacola, o que qui tá levano?
- É a cobra, cumpade. Pode num tê lá...

------x-x------

MINEIRIM COMPRANDO PASSAGEM

O mineirin vai a uma estação ferroviária para comprar um bilhete.
- Quero uma passage para o Esbui - solicita ao atendente..
- Não entendi; o senhor pode repetir?
- Quero uma passage para o Esbui!
- Sinto muito, senhor, não temos passagem para o Esbui..
Aborrecido, o caipira se afasta do guichê, se aproxima do amigo que o estava aguardando e lamenta:
- Olha, Esbui, o homem falou que prá ocê não tem passagem não!

------x-x------

A PESQUISADORA E O MINEIRIN

Uma pesquisadora do IBGE bate à porta de um sitiozinho perdido no interior de Minas.
- Essa terra dá mandioca?
- Não, senhora.. - responde o roceiro.
- Dá batata?
- Também não, senhora!
- Dá feijão?
- Nunca deu!
- Arroz?
- De jeito nenhum!
- Milho?
- Nem brincando!
- Quer dizer que por aqui não adianta plantar nada?
- Ah! ... Se plantar é diferente..

21 abril 2010

POESIA 1722 – DETALHES

1
Sonhei com Renato Russo
Que discutia religião com Nietzsche
Enquanto bebiam uísque...

Deus morreu, Deus não morreu,
Peguei meu chapéu e saí...

Eles que se entendam...

2
Confusão no metrô:
Sobe aqui
Desce ali
Reformas...

Se fosse em Messejana daria briga...

3
Vinte rapazes armados com paus
Outros vinte gritando desaforos
E a polícia no meio...

Briga de gangues em minha rua...

4
Sou um vagalume
Que voa entre rosas e margaridas
Que não me vêem
Pois dormem...

Queria ser uma borboleta...

5
Três meses de namoro
Ambos surdos-mudos
Sempre conversaram em libras
Até o dia que um deles cumprimentou um amigo
Em alta e boa voz...

O outro se espantou:
- Você fala?
- Claro! Você também?

E descobriram que não eram surdos-mudos
Mas conheciam libras
A linguagem das mãos...

6
João marcou encontro com Maria
E com Teresa
E com Esmeralda
E com Penélope...

No mesmo horário
No mesmo dia
No mesmo lugar...

João era masoquista e morreu nesse dia...

7
Os animais gostam de ser animais?
Ou preferem ser gente?
Ainda bem que eles não pensam...

8
Fui na padaria
Pedi um sonho
Recebi um conselho:
“Os sonhos custam uma vida!”
Eu pago!
Até duas...

9
Por que devo dormir à noite?
Vou mudar tudo
Trabalharei à noite...

10
A primeira Skol foi doce.
A décima foi mel.
Skol sempre é maravilhosa...

11
Vejo o tempo passando
Meus cabelos brancos são testemunhas...

12
A mosca voa
Mesmo à noite.
É estúpida?
Não!
Aproveita seus últimos minutos de vida...

Eu devia ter nascido mosca...

13
O longe é perto?
Feche os olhos.
Agora, responda...

14
Preciso de um milagre:
Ganhar na loteria
Achar um tesouro
Ser feliz...

Qualquer um, mesmo impossível...

15
Tantos mistérios me cercam:
A vida
A morte
O amor...

Como desvendá-los?

16
Robinho passa Neimar
Que toca para Ganso
Que manda para Madson
Que cruza para André
Que cabeceia e faz o gol...

Santos campeão...

17
Um dia achei um dicionário
Estava na estante
E me assustei quando o abri:
As palavras voaram como insetos
E entraram por meus olhos
E pousaram em meu cérebro
E comecei a ver...

E comecei a viver...

18
Muito prazer em te conhecer.
Sou Jorge
Você é Sócrates?
O jogador ou o filósofo?
Ah, é Platão?
Vocês são tão parecidos...

19
Voou!
Voou.
Mas era um bode.
Pode até ser bode, mas que voou, voou...

20
Minha cabeça contém muita coisa
Boas e inúteis...

Eu devia ter nascido dois...

21
Tiradentes?
Quem é Tiradentes?
Dia dos dentistas?

22
Formatei o computador
Ficou ótimo: rápido, novo, leve.
Posso formatar minha vida?
O que preciso?

23
Um zumbido me acompanha.
Ummmmmmm.
Quero o silêncio
Quero a paz
Mas só escuto mosquitos...

24
Alguns criam cães
Outros criam gatos
Eu crio dores de cabeça.
Está enorme
Dorme e acorda comigo
E vai aonde vou...

25
Quando não bebo, sofro.
Quando bebo, sofro.
Meu corpo é uma máquina quase parando...

26
Quero ouvir Bolero de Ravel.
Quero fazer amor.
Quero fazer amor ouvindo o Bolero de Ravel...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 1721 – FALANDO DE AMOR

1
Você já me esqueceu?
Agora só me lê.
Voltei a ser virtual pra você?

E nosso futuro, como será?

2
Ninguém entende de amor mais que eu
E eu não sei nada...

3
Por que é tão difícil amar?
Por que é mais difícil ainda viver em harmonia?
Quando a gente pensa que está amando
Acontece alguma coisa
Abala tudo
E tudo racha...

Era amor?

4
Liberdade?
O que é?
Abrir mão?
Isso é egoísmo...

Liberdade é fazer o outro feliz...

5
Gosto de pensar na mulher que amo.
Gosto de me lembrar do passado
Gosto de planejar o futuro...

É babaquice?
Gosto de ser babaca...

6
Está tocando “aquela” música.
Você se lembra?
É muito bom...

7
O que eu te dei?
O que você me roubou?
Quantas sementes nas pedras...

8
O futuro somos nós?
Juntos?
Quantos homens aparecerão
Quantas mulheres também...

Quão forte somos?

9
O que eu fiz para estar ao seu lado?
O que você fez?
Estamos longe por pura fraqueza...

10
Fui na livraria.
Procurei um manual
Ensinando-me a amar...

Não achei...

11
Vou virar ermitão
Vou morar numa caverna
Vou viver no fundo de um poço...

Não! Já estou no fundo do poço...

12
Tenho saudades de seu batom
Tenho saudades de sua pele
Tenho saudades de seus olhos...

Ainda seremos felizes
Aposto nisso
Mesmo sabendo o quanto é difícil...

13
Palavras!
Quantas palavras...

14
Quero te ver chegando.
Quero não me ver indo
E indo
E sempre indo...

15
Quero o coração batendo forte
Por amor
Por puro amor...

16
Tum tum,
Tum tum,
Tic tac...

Tum tum,
Tum tum,
Tic tac...

Meu coração parece um relógio.
Mas, quebrado…

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 1720 – RECORTES DE UMA PERSONALIDADE

1
Ganhei um DVD original de presente:
Vinícius de Moraes e amigos.
Foi o primeiro que ganhei...

Boa música. Boas idéias...

2
Ganhei também uma flor
Amarela
Mas, já murchou...

O amor acabou com ela...

3
Amplifique o silêncio!
Por favor...

4
Deus fez o homem?
Quem fez o barro?
Deus fez a luz?
Quem fez a escuridão?
Deus fez o som?
Quem fez o silêncio?
Deus fez o amor?
Quem fez o ódio?

Sou meio ateu...

5
Lentamente
Caminho
Atropelo
E chego...

Entre mortos e feridos
Os últimos serão desclassificados...

6
Sou um mosquito?
Sou uma barata?
Sou um grilo?
Você me chama de inseto, mas não especifica...

7
Como seria John Lennon hoje?
E Renato Russo?
E o velhinho Raul?
Imagine a Janis Joplin...

A morte é boa para os mitos...

8
Estou perdido!
Procure-me.
Acorde-me quando me achar...

9
Dia de prova
E meu pensamento está longe
Muito longe...

Lua? Marte? Plutão?
Oceanos? Lagos? Rios?
Rostos? Bocas? Pernas?

Estou concentrado
Totalmente focado
Mas, longe, muito longe...

10
Vejo passar uma grávida.
Mas, espere aí,
Ela não está grávida!
Que horror!

11
Pra quê eu quero ser feliz?
Pra ser diferente?
Todos reclamam de tudo
Não vejo ninguém feliz
E por que ser diferente?

12
Subo uma escada invisível
Bem devagar
Mas, quando a desço
É em queda livre...

13
Fui ao Interior
E vi a lua.
Pequena, minguada, mas a vi...

Havia três meses que não a via...

14
O que há em mim?
Confusão
Uma enorme vontade de acertar
Necessidade de mudar.
O que há em mim?
Um enorme menino adulto
Não brinca de brinquedos infantis
E nem tem responsabilidades.
O que há em mim?
A certeza que o tempo está passando...

15
Telepaticamente peço ajuda
E recebo respostas extraterrestres
Dizendo que tudo vai dar certo
Que a hora está chegando...

Que hora?
O que me acontecerá?
Covarde, desfaço o contato
E continuo mendigando...

16
Minha aura é boa!
Que bom!
Devo acreditar nisso?

17
Chico Xavier vive!
Devo acreditar nisso também?

18
Cheiro de rosas
Sombras que passam
Luzes que caminham na parede...

Tudo bem. Acredito...

19
Prova de concurso.
Lá no fundão, último,
Posso ver todos
De costas para mim...

Serão mais inteligentes que eu?
Devo temê-los?
Como tirar as suas concentrações?

Abro uma coca-cola fazendo bastante barulho.
Desembrulho o chocolate sem nenhuma educação.
Bebo e como, dou pequenos arrotos que quebram o silêncio...

Nada.
Todos estão concentrados.
Já sei!
Pergunto alto:
- Quem vai ganhar: Santos ou São Paulo?
Começam a discutir...

Consegui...

20
Não vejo a prova.
Estou quase cego.
Vou tirar os óculos...

Cego e velho...

21
Onde está o meu amor?
Com quem se parece?
Onde mora?
Ainda a encontrarei nessa vida?

22
Mim, Tarzan!
Você?

23
Aleatoriamente preencho o gabarito.
Espero que meu anjo da guarda
Esteja segurando a caneta...

24
Proibido fumar!
Proibido uso de celular!
E agora?
Como fazer a prova?
Posso beber Skol?
Não vejo proibições a respeito...

25
Esta semana eu bebi muito
Justo esta semana
Meu sangue é pura levedura...

26
A sala está quase cheia
Está chegando a hora
Vou apagar o cigarro
Desligar o celular...

Até onze horas, com nota máxima...

27
Onze horas!
Que prova horrível!
Eu não sabia nada...

Zero...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

APÓS A MORTE

Tantos olhos
Muitos rostos
Todas as cores
E ninguém igual...

Óculos
Nos olhos
Na cabeça
Na mesa...

Tantas pessoas
Todas diferentes
Cabelos, sorrisos,
Pesos e alturas...

E ninguém igual a ninguém...

Quem é o dono deste molde?
Como é possível não repetir?
Coincidências universais?

Quem é este ser
Que nos fabrica
E não repete...?

Perguntas que se confundem
E por si só se respondem
Pois se há morte depois da vida
O que haverá
Depois da morte?

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

20 abril 2010

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

TELEVISÃO

São oito horas
Noite
Ligo o televisor
E passo os canais...

Nada me interessa...

Novelas, seriados, filmes,
Repetidos
Repetitivos...

Estresso-me
Não me controlo
Quando chuto o aparelho
Que cai do módulo
E estoura no chão...

Aproveito e chuto um pouco mais
Aquele aparelho imóvel
Que emite fumaça
Sem resistência...

Como um vencedor
Olho aquilo
Sem ninguém na tela
Sem vozes
Sem movimento...

Ganhei da novela
Venci o filme dublado
Derrotei o Superman...

Agora, mais calmo
Pego o meu uísque
O meu livro preferido
E passo a ler
O que Freud falou a meu respeito...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

19 abril 2010

SANTOS, SEMPRE SANTOS!!!!

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

VÉSPERA DE NATAL

Natal, saio do Shopping,
Paro o carro
Sinal vermelho: fechado...

Luzes e mais luzes
Em todos os lugares
Todas as lojas
Menos nos olhos da menina
Que me pede uma moeda...

Só uma, qualquer valor!
É véspera de Natal
Daqui a pouco o Papai Noel chegará...

Tenho, mas não dou.
Educativamente...

Dói o coração
E não consigo mais avançar
Quando o sinal abre.
Volto no tempo
Quando não tinha carro
Quando não tinha casa
Quando não tinha moedas...

Eu mudei.
Passei a valorizar o sistema
E me afastei da bondade
Das pessoas que amei...

Persigo o materialismo
Vivo no consumismo desenfreado
E só agora percebo
Que tudo desaba
Quando vejo a menina chorando
Com fome
Sem ninguém
Sem a ceia
Na véspera de Natal...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

18 abril 2010

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

A MOEDA DO PALHAÇO

Em meu carro, baixa velocidade,
Luz verde, semáforo,
Amarelo, presto atenção,
Vermelho!
Paro. Atrás de outro carro...

Na frente, surge o palhaço.
Roupas coloridas
Nariz vermelho
Sorriso pintado na cara...

Faz malabarismos
Usa três peças
Não demora muito, mas impressiona...

Sorri.
Segue em direção aos carros
Mao estendida...

Olha para mim
Balanço a cabeça: não!
Carro a carro, repetem-me.
A mão, estendida,
Continua vazia...

Ele volta
Encosta-se no poste
Abaixa a cabeça...

Vi uma lágrima?

Tudo que ele queria era uma moeda
E eu tinha tantas...

Verde! Sigo em frente
Afinal, a vida continua
Mesmo que a lágrima do palhaço
Jamais saia de minha mente...

Sábado à tarde, interior de São Paulo...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

17 abril 2010

FÓRMULA UM 2010

RUBENS BARRICHELO
O MELHOR
Um piloto que deu azar em ser companheiro de equipe de Schumacher e foi "inteligente" em aceitar ser escudeiro dele. Inteligente, senão sairia e nem coadjuvante seria, pois as outras equipes eram horríveis.



FELIPE MASSA
O SORTUDO
Não quero lembrar o passado mas vale a pena saber que é o primeiro colocado no Campeonato, hoje, por pura sorte.



BRUNO SENNA
O FAMOSO
Tem que carregar um peso enorme tendo o sobrenome de um ídolo brasileiro. Acho que isso não o deixará crescer, mas o fará continuar na f1 por muito tempo, afinal, quem é o patrocinador que não quer usar esse sobrenome?



LUCAS DE GRASSI
A PROMESSA
Aposto que será o nosso futuro ídolo, não a nível de Airton Senna, mas pelos resultados nas categorias de baixo promete muito. Daqui dois anos arrumará uma equipe melhor e começará a deslanchar.

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

AGULHAS

Quando a agulha entra
Não dói
Estou anestesiado de ódio...

A seringa vazia
Enche-se, aos poucos
Com meu sangue...

Vou puxando...

Uma seringa,
Duas
Dez...

Tantas quantas forem necessárias
Tirarei de minhas veias.
Quero me ver livre desse sangue
Viciado em você
Impregnado por você...

Onze, doze, vinte...

Não tenho mais forças
Mas preciso continuar.
Tenho que tirar você de mim
Pois, agora que não está mais em minha mente
Ainda te sinto em meu coração...

Vinte e uma,
Vinte e duas...

Espero me ver livre desse sentimento
Quando não houver mais sangue
Em meu coração...

Cinqüenta
Cinqüenta e uma
Cinqüenta e duas...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

16 abril 2010

POESIA 1719 – RASCUNHO DIVINO

Deus
De papel e lápis nas mãos
Brinca com seu desenho inacabado.
Experimenta cortes de cabelo,
Troca de roupas,
Como um brinquedo muito infantil...

Seu rascunho tem um nome: Jorge...

Insatisfeito com seu desenho
Deus experimenta as emoções:
Faz Jorge sofrer
Faz Jorge amar
Faz Jorge crescer...

Ainda não satisfeito,
Deus o muda de residência:
Joga-o no Nordeste,
Muda-o para o sudeste...

Joga-o na água salgada pra ver se ele gosta
(mas não importa sua opinião)
Joga-o no meio dos bois pra ver se ele acostuma
(mas, de que importa minha opinião?)
Joga-o no meio de mulheres...

Deus é sacana!
Gosta de ver Jorge sofrer nas mãos femininas
Que tiram suas roupas e seus bens
Que espetam alfinetes em seu cérebro e em bonecos voodoos
Que esmurram seu rosto com beijos ardentes
E socam sua alma com paixões doentias...

Cansado de brincar
Deus joga-o numa jaula
E testa sua paciência...

Até quando Jorge vai agüentar?
Ele não se domina.
Quem o controla é Deus
Que um dia pretende colocar chumbinho em seu queijo
Encerrando sua história...

Depois, começarão outras histórias.
Rascunhos divinos...

AUTOR: JORGE DE SIQUEIRA

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

ORGASMO ESPIRITUAL

Ainda é cedo
O sol não queima.
Esquenta...

O vento bate em meu rosto
A água salgada toca meus pés...

Seus cabelos
Seu corpo
Suas curvas...

Perfeição...

Seu sorriso quando falo
Sua atenção
Seus toques...

Alegria, prazer,
Reconhecimento da presença divina
A imensidão do mar
A sensação de liberdade...

Apenas eu e você
Numa praia deserta
Toda a areia
Todo o mar
O céu
O sol...

Orgasmo espiritual...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

15 abril 2010

POESIA 1718 – SKOL COM LOS HERMANOS ÀS TRÊS DA TARDE DE QUINTA

1
Não sou nada criativo.
É mentira o que dizem...

Eu copio.
Sou uma cópia das cópias que aí existem.
Até quando digo que te amo...

2
Eu fiz de tudo pra gente ser feliz.
Mentira!
Não fiz nada.
Nem tentei...

O que sou, o que sou, o que sou?
Sou um lixo...

3
A flor olha pra mim e gargalha aquela risada ridícula
Que já escutei tantas vezes em meus pesadelos.
Não sei onde estou
Não sei quem é aquela flor
Não me lembro dos pesadelos...

Sou a negação de todas as verdades...

4
Troco um beijo por um gole de cerveja!
Quem quer?
Eu não tenho dinheiro para comprar Skol
E preciso
Meu sangue não suporta mais ser tão puro...

Dou o beijo.
Quem dá a Skol?

5
Deixa ser o que será.
Acho que o mundo está acabando
Não por excesso de água
Não por excesso de drogas
Mas por excesso de ignorância...

Ah, como gostaria de ser ignorante
E não pensar em tanta besteira...

6
Sou um idiota.
Sou um idiota.
Sou um idiota.
O que é um idiota?

7
Não sei o que você tem
Que doce você passou em minha boca
Mas, eu não penso em outras mulheres...

O lado bom é que você é única
O lado ruim é que você está tão longe...

8
O carro branco passa
A mulher negra passa
A dor de cabeça passa...

Por que essa saudade não passa?

9
Depois da segunda cerveja eu fico mais eufórico
Começo a ver as coisas com maior colorido
E fico extremamente romântico...

Extremamente...
(Quem é mais sentimental que eu?)

10
Você espeta agulhas no meu cérebro
E fica mexendo-as devagarzinho
Manipulando meus pensamentos...

Minha dor de cabeça é culpa sua!
Tire as agulhas, por favor.
Ou me aceite do jeito que sou...

11
Boa tarde, senhor.
O senhor se interessa num varal abre e fecha?
Bem barato.
Preciso fumar alguma coisa.
Um crack, por exemplo...

Não. Obrigado...

12
A sua solidão é pior do que a minha.
Na minha tenho visitas:
Fantasmas do passado
Espectros do presente
Sombras do futuro...

A sua é só você...

13
Bebi três cervejas.
Estou bem melhor...

Skol devia ter bula...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

SE

Se minha poesia tivesse som
Você estaria ouvindo jazz
O sax de John Coltrane
Talvez...

Se minha poesia tivesse cheiro
Você sentiria meu incenso
Kama Sutra
Homem...

Se minha poesia tivesse movimento
Sentiria o vai e vem das ondas
Como um barco
No mar calmo...

Se minha poesia tivesse um portal
Você sentiria meu beijo
Minhas mãos em seus cabelos
Um roçar de lábios em seu pescoço
Um sussurro...

Se minha poesia fosse um espelho
Você se veria
Com essa cara de boba
Apaixonada...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

14 abril 2010

RAUL SEIXAS

RAUL SEIXAS - ANARKINOPOLIS



RAUL SEIXAS - A NATUREZA ESTÁ CERTA



RAUL SEIXAS - TREM DAS SETE

ALGUMAS POESIAS

1711 – A PORTA

Semi-aberta, vejo-a, a porta.
Se eu encostar um dedo, ela se abre;
Se eu soprar, ela se abre;
Se eu apenas respirar, ela se escancara...

Mas, eu, medroso, vejo-a, a dez metros de distância,
E não faço nada...

Sei que, se eu abrir a porta, terei que fazer escolhas.
Sei que existem caminhos após a porta aberta
Direita, esquerda, reto,
Curvas, retas, asfaltos e caminhos de pedregulhos...

Eu olho a porta, semi-aberta, e não faço nada, apenas olho...

Pessoas passam e me dão conselhos:
- Vá para cima!
- Vá para baixo!
- Fique parado!
E fico confuso...

Como escolher?
Preciso pensar por mim.
Ainda não...

-------

1712 – UM DIA

Um dia
Em meus planos
Eu fui alguém...

Um dia
Em meus sonhos
Eu fui feliz...

Um dia
Em meus passos
Eu apenas fui...

Esqueci de voltar...

-------

1713 – BIOGRAFIA NEGATIVA

Quem eu já fiz sofrer?
Mulher?
Filhos?
Mãe?
Irmãos?
Amigos?

Quem contará minha história?
Quem fará minha biografia negativa?

As perguntas continuam vindo à minha mente
E estão cada vez mais pulsantes
Dentro de mim...

Só as respostas não aparecem...

-------

1714 – REALIDADE

Acho que, na realidade,
Tudo não passa de um sonho.
E, nesse pesadelo,
Nada é real.
Os sonhos são reais?

-------

1715 – MÃO DIREITA

Na mão direita
O emprego básico
Com um salário mínimo...

Noites para descansar
Finais de semana para pescar
Feriados para ir à praia
Férias para viajar...

Custo de vida baixo
Aluguel de cem reais
Alimentação natural...

O que há de errado nisso?
Por que não posso viver assim?
Por que não fazer o que quero?
Por que escutar os outros?

Na mão esquerda
O dinheiro
Para gastar segundo o capitalismo
E esperar a morte...

Amém...

-------

1716 – SEGUINDO SEMPRE

Na corda bamba
Busco o equilíbrio
Quase caio
Mas sigo sempre...

Apóio em paredes invisíveis
Seguro em mãos sobrenaturais
Crio formas mentais de seguir
E sigo sempre...

Nunca chego!
Onde planejei, nunca chego.
Agora, nem sei se quero mais...

E sigo.
Sempre, em frente.
E sozinho...

-------

1717 – COM MALÍCIA

Ela passa na rua
Olha em meus olhos
E me encara até eu corar...

O vestido curto me alucina
E me atiça um fogo que jamais apaga
Que me faz perder o raciocínio
Pois o sangue foi embora...

Com malícia ela pára
Finge amarrar o tênis
De costas para mim
E expõe os decotes
Sem decoro
Mas com todo o respeito...

Olha para trás,
Confere se estou com atenção.
Meus clientes reclamam que não atendo bem...

Sem razão, tenho certeza...

Dou toda a atenção à ela
Que vale por todos...

E como vale...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

LOUCURA

Pois é, eu sou louco.
Isso mesmo: eu sou um louco!
Louco, mesmo, de rasgar dinheiro...

Quem me condenou a ser louco?
Não sei, esqueci,
Não levei em conta.
Para quê me preocupar com isso?
Eu sempre me considerei louco mesmo...

A loucura está na minha cabeça
Dentro de meu cérebro.
O que eu penso é diferente
Não é igual a todos.
As coisas que gosto
Não tem nada a ver com a maioria.
Converso com pássaros
Com o vento
Com as árvores...

Não gosto de gente!
Não confio em ninguém.
Admiro a natureza
Abomino as coisas humanas...

Por isso sou louco
E grito, e canto, e pulo,
E faço coisas fora do convencional...

E ninguém liga para o que faço
Por quê?
Porque sou louco
E só os loucos podem fazer tudo...

Por quê?
Porque os loucos são livres...

Adoro a liberdade...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

13 abril 2010

POESIA 1710 – FRAGMENTOS DE FRAGMENTOS FILOSÓFICOS

1
No espelho vejo o careca
Sei quem é
Mas, nego.
Sou novo, só tenho quase cinqüenta anos...

Meu pai morreu aos cinqüenta...

2
O mar!
Início ou fim?
Acaba o continente,
Começa o sonho...

E quando acaba o sonho?

3
O fogo, o sal, o sol,
O mar, a areia,
O amor.
Tudo está longe de minhas mãos
Tão longe
Distante...

E tão vivo...

4
Viciei em calmantes
Vou acabar como Michael Jackson!
Branco?
Não. Morto...

5
Nunca mais fiz poesias.
Quer dizer, fiz, mas poucas.
Agora só escrevo diários...

Escrever pra quê?
Só ficarei famoso se morrer...

6
Extraterrestres existem?
Eu acho que sim.
O espaço é enorme para sermos únicos.
Espero que não sejamos...

7
Não acredito na viagem no Tempo.
Se fosse possível voltar no Tempo
Já teriam voltado do Futuro...

8
E se eu fosse um animal?
Seria um boi?
Um cachorro?
Gato?
Nunca mais reclamo por ser gente e ruminar palavras.
Podia ser pior...

9
O pão me alimenta
O vinho me alucina.
Corpo e sangue...

10
E se o Papa declarasse que Deus não existe?
O que seria do Mundo?
Caos?
Terror?
Paz?
E dizem que a religião não é necessária.
É a ordem...

11
Para onde vai o dinheiro de Edir Macedo?
E se ele não existisse
Quem ficaria com o dinheiro dos pobres trouxas?

12
A meninada do Santos ganhou.
Campeões?
Sou Santista, prefiro esperar o segundo jogo...

13
Já berrei,
Hoje, sussurro.
Ainda não me escutam.
Apenas quando pago...

14
Sou uma parede
Tenho ouvidos
Escuto tudo
O que quero e o que não preciso...

Preferia ser porta, surda...

15
De que sou digno?
Casas? Carros? Amor?
De perdão...

16
Consciência.
Tenho, não uso.
É indispensável o uso
Mas não sempre.
Agora, não, senão fico louco.
Mais louco.
Nem posso ficar o que já sou...

Ou posso?

17
Sexo?
O que é isso?
Macho e fêmea?
O que é isso?

18
E o caminho?
Cadê os rastros?
Quem limpou as pegadas?
Não posso seguir
Muito menos voltar.
Parei.
Espero.
É o que me cabe...

19
Os espirros me acordam.
Alergia?
Gripe suína...?

20
Se eu fosse Sócrates?
Não beberia cicuta
Esperaria a injeção
Ou o estrangulamento...

21
Será que Platão reencontrou Sócrates?
Será que Fernando Pessoa reencontrou Vinícius de Moraes?
Será que Renato Russo reencontrou Cazuza?

Quem irei reencontrar?
Meu pai?
Meus amigos de infância?
Não conheci ninguém...

22
Sou um poço profundo.
De palavras
De ódio
De amor...

Jogue o balde
Recolha o que quiser...

Às vezes, sou espontâneo.
Sempre, sou seu espelho...

23
O passarinho canta
Não é bem-te-vi, é pardal.
Aqui é São Paulo
Cinza
Por manipulação humana
Lugar provável da Bomba H mundial...

24
Gosto de viver
Gosto da contradição que é viver
De querer, de ser, de ter,
Gosto de você
E gosto de mim.
Mas, prefiro o nós, mesmo nas contradições...

25
Os corpos, longe, sem calor,
No frio, pior,
No calor, pior,
Almas apenas que se esquentam
Enquanto se encontram
Nos sonhos
Enquanto dormimos...

26
Os deuses banqueteiam-se
E não passo de um pássaro
Comendo suas migalhas...

Um dia me sentarei à mesa
E comerei com os deuses.
Quem comerá de minhas migalhas?

27
Falta pouco para eu morrer
Mas não penso nisso
Tenho muito o que viver...

28
Vou estudar
Vou passar num concurso
Vou trabalhar
Vou ter férias
Vou passear...

Mas, eu vivo em férias...

29
Se a vida fosse só de inícios
Seria pura alegria.
Amanheceres
Nascimentos
Vidas...

Só encontros, nunca despedidas.
O adeus sumiria do dicionário
A morte seria um passado
E o passado não existiria...

Seria enjoativo?

30
Gostaria de te conquistar todos os dias.
E te fazer feliz.
Gostaria de não prometer nada...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

TRAPEZISTA

Solte suas mãos
Confie em mim
Pule que eu te seguro...

Pegue em minhas mãos
Segure firme
E deixe que eu te leve
Ao meu trapézio
Ao meu mundo
À minha vida...

Venha comigo!
Não tenha medo...

Mas, parece que você não quer.
Nunca solta seu trapézio.
O que você teme? Eu?
O meu modo de viver?

Sou um trapezista
Essa é a minha vida
Tornei-me assim...

Vivo de um lado para o outro
Seguro-me até quando posso
Depois, solto, e caio...

Subo a escada novamente
E recomeço...

Mas, quem sabe,
Se você me ajudar
Quando eu segurar em suas mãos
E você segurar nas minhas
Ficaremos mais forte
E poderemos nos tornar domadores
Ou malabaristas
Ou apenas palhaços...

Venha! Confie em mim. Solte-se...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

12 abril 2010

POESIA 1709 – FILOSOFANDO NO PAÍS DAS MARAVILHAS

1
Às vezes acho tudo muito engraçado.
Os problemas, inclusive.
Fico incomodado com tudo
E percebo que sou o único.
Conclusão?
O problema sou eu...

2
Ó pedaço de mim
Ó metade arrancada de mim...

3
Simultaneamente:
Arnaldo Antunes canta pra mim
Glória Maria locuta o Globo Repórter para mamãe
A Disney passa um filme para JC
E há shows de forró nos vizinhos contíguos...

Já passam das vinte e três horas
E minha dor de cabeça só aumenta...

4
E se tudo for um sonho?
E se eu já morri?
E se todos morreram e eu sou médium?

Já me belisquei e não acordei...

5
Quantas balas bastam para matar um cachorro?
E se for bala de hortelã?
E se for bala Chita?

6
H´pa tres dias não bebo.
Quer dizer, só água.
E Coca-Cola Zero...

Estou ficando doente...

7
Para quê casar?
Por que ficar sozinho?
Por que a vida não tem manual?

8
Por que o pobre ri a toa?
O que há de tão engraçado na vida?
Pobre é feliz?

Dedução: felicidade não está na riqueza...

9
Em São Paulo tenho mais azia
Por que?
Aumentou minha gastrite?
Cachorro tem gastrite?
E se for poodle?

10
Como calcular a área do quadrado?
Com o Teorema de Sócrates?
O raio do pi é o quadrado da hipotenusa?
Minha cabeça está tao confusa...

11
Cadê o Sol?
Por que o Sol não sai à noite?
Seria mais quente...

12
O que voce quer de mim?
O que voce quer que eu faça por ti?
Quer que eu viva ou morra?

13
O ódio que sint6o
Não é o suficiente para que eu mate
Mas é o suficiente para que eu sofra...

Nessas horas de ódio
Sinto-me gente
Completo...

14
Qualquer dia eu fujo
Qualquer hora eu sumo
Qualquer momento eu vou...

Serei feliz...

15
Vejo a Cobra
Tenho Medo
É um Pesadelo.
Sei que é um sonho.
E se não for?
E se for de verdade dessa vez?

16
Fico quieto
Nessa areia movediça
Quanto mais me mexo
Mais afundo...

Fico quieto e voce vem me balançar...

17
Sei de tudo
Mas finjo não entender.
Sei de tudo
Mas finjo-me de inocente.
Sei de tudo
Mas finjo não saber...

Para que apressar as coisas...?

18
O avião caiu na Rússia
Quase cem mortos
Todos políticos...

Quase não senti nada...

19
O fio de cabelo cresce sem eu pedir.
A unha cresce sem eu pedir.
A gente cresce sem eu pedir.
Só me resta cortar. Ou morrer...

20
Tempo.
Passa o tempo.
Aprendo, todos os dias,
E passa o tempo.
Esqueço, tudo, todos os dias...

O tempo passa. Estou ficando mal...

Não é a velhice
Mas, se for, não me assusta.
Passa, tempo, passa...

21
Estou com frio.
Visto blusas, calço meias,
Continuo com frio.
Tomo sopa, bebo chocolate,
Continuo com frio...

Vem! Esquenta meu coração...


AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

COMO UM FILME

A minha vida é um filme
Tantos personagens e locações
Tantos encontros e desencontros
Tantos desdobramentos...

Às vezes é uma tragédia
As coisas acontecem
Não seguem roteiro...

Às vezes vira comédia.
Em outras, terror.
Sofrimentos passam pelos meus dias
Trazem crescimento
E derrubam na mesma proporção...

Sexo, drogas e rock and roll
Misturam-se em noites mal dormidas
Mas, bem vividas...

Trabalho e romance
Aventura e balada
Compõem o meu dia-a-dia
Trocando figurinos e maquiagem...

Acendo o cigarro
Pego o uísque
Dão close-up
Captam minhas preferências...

Marketing...

Todo dia é dia de filmagem
Estou sempre cansado...

Vou contando os dias
Esperando a estréia.
Com quem ficarei no final?
Como será o final?
Como morrerei no final?
Afinal, todos os finais são iguais...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

11 abril 2010

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

VOZ

Entre duas pessoas é bate-papo
Sozinho é monólogo
Em grupo vira reunião
No virtual é conferência
No celular é ligação...

Acima do tom torna-se grito
Desespero
Loucura
Berro
Exagero...

Abaixo vira cochicho
Gemido
Resmungo
Segredo
Sussurro
Fofoca...

Com sorrisos é piada
Com lágrimas é má notícia...

No palanque é discurso
Na escola é aula
No hospital é consulta
Em casa é educação...

Inteligente é solução
Insistente é incômodo
Autorizada é livre-arbítrio
Proibida é ditadura...

A minha voz
É seu conforto.
A sua?
É minha paz...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

10 abril 2010

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

MARIONETES

Fios invisíveis
Seguram o Sol
Acima de nossas cabeças...

Os Planetas
Um a um
Estão pendurados no infinito espacial
Girando incessantemente
Em torno de si mesmos
E em torno do Sol...

Fios invisíveis
Brincando com os Planetas
Um móbile...

Na Terra
Homens, como bonecos,
Andam pra lá e pra cá
Em carros, a pé,
Sempre em frente
Mesmo em marcha a ré...

Homens
Bonecos controlados por fios invisíveis
Como os planetas...

Homens
Que andam nas ruas
Nadam nos rios
Morrem em hospitais...

E se transformam em almas
Que voam
Para o Paraíso
Ou não
Manipuladas por fios invisíveis
Em enormes mãos celestes...

Homens, bonecos,
Marionetes de Deus...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

09 abril 2010

IMPERDÍVEL! EXCELENTE! MAGNÍFICO!!!

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

PEDRA QUE ROLA

Eu não quero ser apenas a pedra
Imóvel, sozinha na praia
Tomando sol ou chuva
Sem possibilidades...

Quero ser pedra que rola
Não quero criar limo
Quero viver a vida...

Perdi o medo da chuva
O medo do mar
O medo da vida
O medo de amar...

O segredo da vida
É querer sempre ser o rei
Não apenas o príncipe
Muito menos o bobo da corte...

Todos nós somos iguais
Independente de tudo e de todos
E não podemos aceitar as migalhas...

Somos capazes
Somos mais...

É por isso que quero a chuva
Quero me molhar
Com a água da vida
Na maré do dia-a-dia
Onde as ondas me levem
Mas também me trazem
Para o amanhã
Para o próximo passo...

Pois sou pedra que rola
Como o Raul pediu para eu ser:
Uma metamorfose ambulante
Nesta Sociedade Alternativa
Que eu mesmo construí...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

Dez mitos sobre dietas

Muitos mitos você com certeza já deve ter ouvido e talvez até possa acreditar, mas o fato é que não correspondem à realidade. Aqui vão ...