31 maio 2010

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

MENTIRAS

Você mente demais
Eu te vi!
Lembra disso?
Eu te vi...

Você estava abraçada ao cara
Beijava-o
Eu vi bem...

O quê?
Mentira?
Você acha que estou inventando?
Pra quê eu faria isso?
Deixa de ser estúpida...

Olha
Eu não te quero mais
Fica com o cara...

Não existe cara?
Tá bom, tá bom,
Então eu sou cego?
Ou estou vendo demais...?

Era um amigo?
Tá vendo! Existe o cara...
Mas era apenas um amigo...

Amigo?
Beijando na boca?
E aquele abraço?
De tão apertado só parecia um...

Não te quero mais
Vai viver a sua vida
E eu vou viver a minha.
Talvez eu sofra um pouco
Mas vou ficar legal...

Aliás,
Antes disso
Vem cá!
Me dá um beijo...

Smack...

Pronto
Este beijo
É para esse cara já ir se acostumando
Com suas traições...

Tchau...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

30 maio 2010

BRASILEIRAO 2010

RODADA 5

Avaí 0 x 0 Vitória-BA Ressacada
Flamengo 1 x 1 Grêmio Maracanã
Palmeiras 0 x 0 Grêmio-SP Arena Barueri
Guarani 0 x 0 São Paulo Brinco de Ouro
Atlético-MG 1 x 3 Fluminense Mineirão
Corinthians 4 x 2 Santos Pacaembu
Internacional-RS 4 x 1 Atlético-PR Beira Rio
Botafogo-RJ 1 x 1 Vasco Engenhão
Ceará 1 x 0 Cruzeiro Castelão
Atlético-GO 1 x 3 Goiás

CLASSIFICACAO ATUAL

1° Corinthians 13 pontos
2° Ceará 11 pontos
3° Fluminense 9 pontos
4° Avaí 8 pontos
5° Botafogo-RJ 8 pontos
6° São Paulo 8 pontos
7° Palmeiras 8 pontos
8° Santos 8 pontos
9° Cruzeiro 8 pontos
10° Internacional-RS 6 pontos
11° Atlético-MG 6 pontos
12° Flamengo 6 pontos
13° Guarani 6 pontos
14° Grêmio 5 pontos
15° Vitória-BA 5 pontos
16° Vasco 5 pontos
17° Grêmio-SP 5 pontos
18° Goiás 4 pontos
19° Atlético-PR 4 pontos
20° Atlético-GO 1 ponto


29 maio 2010

POESIA 1786 – DIMENSÕES DIFERENTES

Eu te sinto
Na sala
No sofá
Andando pela casa...

Mas não te vejo...

Vou ao seu encontro.
Nada!
Mas sei que você está ali...

Com lágrimas nos olhos
Olhando para mim
Gritando meu nome
Você me vê
Mas não consegue me tocar...

A morte é cruel com os amantes...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 1785 – O PEIXINHO IDIOTA

O peixinho, coitado,
Sozinho no minúsculo aquário
Ganha cinco bolinhas por dia
Para não engordar...

Coitado, é anti-social
Só pode viver sozinho
Não pode ter amigos
Não pode namorar...

Quem é pior?
O peixinho com sua violência?
Quem comprou o peixinho?
O louco que o fez assim?

Até seu nome é de teste idiota: Beta...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 1784 – LEMBRANDO-ME DE VOCÊ

Lembro-me de você
Tenho saudades
Vontade intensa de revê-la...

Lembro-me de seus olhos
De seu sorriso de menina
Do seu corpo de mulher...

Seu calor me faz falta...

Lembro-me de seu cheiro
De seu ronronar ao dormir
De seu abraço
De seu beijo...

Você me faz falta...

Você foi feita pra mim
E eu pra você
E estamos tão longe.
Por quê?

Para sentir essas saudades eternas...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 1783 – BOM DEMAIS PRA VOCÊS

Piso leve
Tento não tocar o chão
Não quero deixar rastros
Não quero que eles se lembrem de mim...

Eu já andei,
Eu já corri,
Hoje vôo...

Vôo para não deixar rastros...

Não gostam de mim?
Esqueçam-me
Sou bom demais para vocês...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 1782 – LEMBRANÇAS

Ontem eu era rocha
Hoje sou vidro
Cristal caído ao chão
Espelho atingido por pedras...

Ontem eu era montanha
Hoje sou quebra-cabeça incompleto
Fantasma sem rumo
Leite derramado...

Ontem eu era solo fértil
Hoje sou deserto
Solo lunar
Floresta incendiada...

Ontem eu era.
Hoje, não sou nada...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

NADA

Não sou nada
Vôo
Apenas vôo
Como uma pena ao vento
Uma folha no outono...

Levado pelo destino
Sem intuição
Às vezes
Peito aberto
Cabeça erguida,
Outras vezes
Triste
Deprimido
Chateado...

Não sou nada...

Quando percebi isto?
Não sei
Era tarde demais
Tudo rodava...

O que sinto?
Um vazio
Sua falta
Dores...

O que eu quero?
Não muita coisa
Talvez viver
Ou apenas morrer...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

28 maio 2010

BRASILEIRÃO 2010

CAMPEONATO BRASILEIRO 2010

RODADA 04

Grêmio 3 x 0 Avaí
Vitória-BA 4 x 3 Atlético-MG
Fluminense 2 x 1 Flamengo
São Paulo 1 x 0 Palmeiras
Cruzeiro 1 x 0 Botafogo-RJ
Santos 3 x 1 Guarani
Grêmio-SP 2 x 2 Corinthians
Goiás 0 x 0 Ceará
Vasco 3 x 2 Internacional-RS
Atlético-PR 2 x 1 Atlético-GO

CLASSIFICAÇÃO ATUAL

1° Corinthians 10 pontos
2° Santos 8 pontos
3° Cruzeiro 8 pontos
4° Ceará 8 pontos
5° Avaí 7 pontos
6° Botafogo-RJ 7 pontos
7° São Paulo 7 pontos
8° Palmeiras 7 pontos
9° Fluminense 6 pontos
10° Atlético-MG 6 pontos
11° Flamengo 5 pontos
12° Guarani 5 pontos
13° Grêmio 4 pontos
14° Vitória-BA 4 pontos
15° Atlético-PR 4 pontos
16° Vasco 4 pontos
17° Grêmio-SP 4 pontos
18° Internacional-RS 3 pontos
19° Atlético-GO 1 ponto
20° Goiás 1 ponto

POSIA 1781 – A MINHA INSANIDADE É O QUE ME RESTA

Como vagabundo sou conhecido pelos amigos, pela família,
Minhas idas e vindas incomodam a todos,
Perdi mais do que ganhei, segundo eles...

Eles que pensam...

O que aprendi é inimaginável,
O que vivi é incomensurável...

Cada pedra que chutei,
Cada rocha que escalei,
Cada grão de areia de cada praia que visitei
Cada folha de cada árvore em que descansei
Cada pássaro que escutei...

Em cada uma dessas coisas eu cresci
Deixei de ser apenas um corpo
Descobri que tenho alma...

Mesmo que alguma lágrima tenha caído
Mesmo que eu tenha pensado em desistir
Mesmo que eu tenha me desesperado
Isso nunca vai tirar a beleza do que vi
A beleza do que ouvi
A beleza do que vivi...

Andarilho? Vagabundo?
É um detalhe.
Eu aprendi a viver
A superar esses pontos de vista...

Eu encontrei meu espírito sendo andarilho...

Você é feliz trabalhando oito horas por dia?
Você está satisfeito com seu salário?
Que nada, você está esperando a aposentadoria para ser como eu...

Eu pulei essa fase!
Fui direto ao final.
Espero por Deus todos os dias,
Vivo cada dia como o último...

E sou feliz, assim, sem bens materiais,
Sem carro, sem casa.
Já vi tantos sorrisos em meus passos
Já senti tantos abraços
Já olhei tantos olhos
Que superam de longe a satisfação de posse desses bens materiais...

Eu sou feliz sendo andarilho, vagabundo.
Chamem como chamar.
Eu sou feliz...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

"...que as palavras que eu falo não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor, apenas respeitadas..."

Oswaldo Montenegro

POESIA 1780 – GNOMO

Ele pegou minha meia, à noite,
E a escondeu no banheiro.
Eu o ouvi andando pelo quarto
Mexendo nas coisas
Abrindo portas
Mexendo na comida do armário...

Ele come minhas frutas, à noite.
Suga a essência.
A banana fica com pontos negros
A maçã murcha
E a pêra chega a apodrecer...

Eu já o vi, uma vez!
Havia bebido um pouco a mais
Deitei ao chão, estava calor,
Ele se aproximou
E conversou comigo...

Na verdade, eu falei com ele,
Ele só me ouviu...

Foi só uma vez
Uma única vez
Mas sei que ele existe
E vive aprontando comigo...

O gnomo é legal
Eu gosto dele
Não me preocupo com suas brincadeiras...

E, para tentar encontrá-lo, bebo todos os dias.
Quero vê-lo novamente
Mas ele nunca mais apareceu...

Mas, sou insistente, uma hora o encontro...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

27 maio 2010

POESIA 1779 – SE EU FOSSE O ÚNICO

Se eu fosse o único no mundo
Andaria a esmo
Cruzando fronteiras
Por montes e pradarias...

Se eu fosse o único
E nem animais tivesse
Eu andaria a esmo...

Se eu fosse o único
E nem montes e pradarias houvesse
Eu nadaria...

Nunca eu iria parar...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 1778 – A LEI DO ANDARILHO

É lei: todo andarilho deve andar.
Está escrito...

O andarilho nunca chega
É um eterno caminhar
Mas é o que o andarilho quer: nunca chegar...

Parece uma contradição
Mas é a realidade utópica de cada andarilho...

O vento o empurra
Os pés o guiam
A natureza o permite...

Sem rumo
Nenhuma obrigação
Nada de responsabilidades.
Ele só quer seguir
Sempre em frente
Sorriso no rosto
Paz no coração...

Feliz, como todos deviam ser...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

ANDARILHO

Uahhhhh!
Já amanheceu
Os cachorros latem
E não me deixam dormir...

Me sentei
Peguei a água ao meu lado,
Tomei um gole,
Que sede...!!!

Acho que vou ao banheiro...

Me levantei
Peguei a sandálias que achei,
Legítimas, que não solta as tiras,
Mas, bastante gastas...

Olhei para um lado,
Para o outro,
Me levantei e fui
Fazer meu xixi
Atrás do caminhão,
Perto do pneu...

Escondido,
Ninguém viu...

Que horas são?
Deve ser muito cedo ainda
Ninguém está de pé
Só os cachorros latem...


Me deitei novamente,
Escondi minhas sandálias
Para ninguém roubar,
É claro...

Me cobri com o cobertor
Que Deus me deu
Conforme meu frio e o provérbio...
Daqui a pouco vou ao banco
Mas não irei sacar nem depositar
Vou tomar café
Comer bolachas...

Não foi colocado ali, para mim,
Eu sei disso,
É para os aposentados.
Mas, cá pra nós,
Eu posso me considerar um aposentado...

Afinal,
Não quero mais responsabilidades.
Estou fugindo do stress,
De todas estas doenças
Que a sociedade inventou...

Quero viver
Apenas isso,
Em liberdade,
Como os pássaros e as plantas
Esperando a comida de cada dia
Conforme tiver que ser...

Meu amigos são tantos
Que só consegui dar valor
Agora,
Depois da minha aposentadoria...

Antes, tinha apenas conhecidos
Com quem não tinha tempo
Nem de conversar...

Meus filhos podem se envergonhar,
Minhas ex-mulheres nem querem me ver,
A sociedade me taxa de excluído...

E eu?
Sou o homem mais feliz do mundo
Porque sou livre
E tenho o mundo aos meus pés...
Sou andarilho...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

26 maio 2010

O ANDARILHO QUER PARTIR...





POESIA 1777 – O ANDARILHO ESTÁ PRONTO NOVAMENTE

O andarilho está inquieto
Quer partir mais uma vez.
Precisa de companhia
Cansou de andar sozinho...

Seus amigos o abandonaram
Sua família o ignora
Ninguém aceita sua loucura
Ninguém o apóia...

O andarilho está pronto.
Senta-se numa pedra, triste,
E se põe a pensar...

Um cão senta-se ao seu lado
Um bem-te-vi pousa em seu ombro
O vento começa a soprar...

O andarilho percebe a presença divina...

Levanta-se e parte.
O cão o segue
O bem-te-vi o acompanha
O vento o empurra...

Sempre à frente...

O andarilho sorri.
Saber entender a natureza é o que o diferencia de todos.
É o que o faz feliz...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 1776 – QUASE PERFEITO

Tantas alternativas
Eu, pura luz, virei homem.
Não queria, eu juro, houve alguma falha...

Tenho certeza que escolhi ser pássaro
Um bem-te-vi ou beija-flor.
Ou um cachorro,
Vira-lata vagabundo.
Mas, humano não...

Uma vez eu fui humano,
Não gostei.
Tinha que pensar
E isso cansa...

Sou humano por imposição divina
Vôo por opção
Sou andarilho por necessidade utópica...

Sou quase perfeito...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 1775 – QUEBRA-CABEÇAS

Estou dividido,
Monte-me!
E me conheça...

Quanto a você
Estou quase te completando.
Só não achei a alma
A última peça que falta...

Dê-a para mim...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 1774 – MEUS SONHOS

Meus sonhos.
O que são?
Eu não sei.
Meus sonhos nem existem.
Nada sei deles
Não os sonhei...

Meus sonhos são pura imaginação,
Fantasias de um morto.
Meus sonhos são minha ligação com a magia divina...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

25 maio 2010

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

CHOCOLATE

O chocolate olha para mim
Eu olho para ele
Ele me diz:
- Me come!!!

Eu me recuso
Se eu fizer isso
Serei um ladrão:
- Não posso! Você é da Solange...

Ele insiste
Me mostra suas qualidades
Seu sabor
Sua cor:
- Eu sou gostoso! Aproveita!

Não posso me segurar
Pego o chocolate
Agarro-o
Mordo:
- Hummmmm...

Saciado
Comparo minha vida:
Se tudo que for gostoso
Também for irresistível
Eu vou agarrar muita gente...

Você, por exemplo...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 1769 – NEM ALTO, NEM BAIXO

Grito por paz
Por silêncio
Por calma...

Ele vem, o silêncio, mas não traz a paz...

Agora, é uma agonia.
Sinto-me só
Num quarto azul
Debaixo do mundo...

Vejo fantasmas
Vejo a morte
Vejo doenças...

Não quero barulho, nem silêncio.
Basta-me o meio termo...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 1770 – FANTASMA NA CADEIRA

Saia, mulher, dessa cadeira.
É tarde, é noite,
E eu preciso dormir...

Leve essa criança contigo
Estou cansado
Trabalhei o dia inteiro
E preciso descansar...

Vá embora!
Sei que você é um fantasma
Preciso relaxar
Amanhã tenho muito que fazer...

E se o fantasma for eu?

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 1771 – PARQUE DO IBIRAPUERA

Enorme formigueiro...

Em fila
Insetos correm
Andam
Usam bicicletas...

Em ordem:
Direita, sempre em frente.
Esquerda, contramão.
Cuidado com a travessia de pedestres...

Pares e beijos
Parentes e comidas
Desconhecidos...

São muitos os insetos que se esbarram.
Falam línguas diferentes
Em sotaques diferentes.
Não se importam se chove ou não
Mas se espantam com as tilápias na água suja
E com os pássaros esfomeadamente domesticados...

Segue o fluxo...

Eu?
Extraterrestre
No meio dos insetos
Odiando tudo...

Não vejo as árvores
(os insetos as esconderam)
Não vejo a grama
(está coberta de insetos)
Não vejo a água
(os insetos a sujaram)
Não vejo o parque
(os insetos o tomaram de mim)...

Achei um banco
Puxei meus papéis
E esperei o contato de Antares...

Deito no banco
E durmo.
Vou deixar as formigas me atacarem
Enquanto não são pisoteadas...

Pelo menos não são insetos...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 1772 – DOMINGO NO PARQUE

Casais de mãos dadas
Mãos masculinas
Mãos femininas
Abraços homogêneos...

Cabelos pintados
Penteados com franjas
Toucas, acessórios...

Meninos e meninas...

Muitos sorrisos
Bastante algazarra
Tanta alegria...

Piercings, tatoos,
Roupas e enfeites coloridos
Maquiagens...

Tudo tão diferente
Todos tão diferentes
Tudo tão igual...

Tantos...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 1773 – CULTIVADOR DE PEDRAS

Já fiz de tudo:
Vendi flores nas ruas
Fabriquei chapéus em fábricas
Costurei calças em oficinas
Cozinhei...

Resolvi mudar.
Participei de maratonas
Criei o meu time de futebol
Fui roupeiro na seleção de basquete
Escalei...

Insatisfeito ainda
Coloquei pedras nos bolsos e sai pelas ruas
Em plenas madrugadas
Atirando pedras nos outros...

Procurava telhados de vidro...

Massacrei muitas pessoas.
Inocentes
Inexperientes
Cansados
Desprotegidos...

Arrasei-os...

Eu sorria, satisfeito com tantas pedras que atirava,
Mas, relaxei, abri a guarda
E deixei meu telhado exposto...

E também era de vidro...

Uma chuva de granizo acabou comigo.
As mesmas pedras que eu havia jogado
Eram-me devolvidas...

Eu, caído no chão,
Tentei o suicídio.
Cortei os pulsos, não sangraram.
Bebi veneno, vomitei...

Percebi o mal que fiz...

Mudei-me.
Afastei-me de tudo e de todos
E o viaduto foi minha casa...

Planejei o futuro
E, sem futuro, resolvi viver o presente...

Só então consegui ser feliz...

Sem ninguém
Sem ao menos um espelho
Consegui me encontrar
Achei a felicidade
Em cada passo que dava...

A felicidade está aí, em seu coração.
Abra-o
Deixe-a sair...

Coração.
Alguns carregam pedras
Outros, felicidade, amor, paixão...

E você?

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

24 maio 2010





POEMAS CLÁSSICOS

OS BARCOS

Você diz que tudo terminou
Você não quer mais o meu querer
Estamos medindo forças desiguais
Qualquer um pode ver
Só terminou pra você.

São só palavras, texto, ensaio e cena
A cada ato enceno a diferença
Do que é amor e qual o seu retrato
A peça que interpreta um improviso, um insensato.

Essa saudade eu sei de cor
Sei o caminho dos barcos
E há muito estou alheio e quem me entende
Recebe o resto exato e tão pequeno é dor.

Se ar entrava, já não tento,
E ao transformar em dor
O que é vaidade ao ter amor
Se este é só orgulho
É o passo da mentira e verdade
De qualquer quintal faço cidade
Insisto que é virtudo o que é entulho
Baldio é o meu terreno e o meu alarde
Eu vejo você se apaixonando outra vez
Eu fico com a saudade
Você com outro alguém
E você diz que tudo terminou, mas qualquer um pode ver
Que só terminou pra você...

RENATO RUSSO

1768 – SOBRE EXTRATERRESTRES

Eles existem?
Os fatos mostram que sim
Torcem para que não...

Eu tenho certeza que existem...

– o –

Meu amigo viu uma nave.
Ele saia de casa
Outras pessoas olhavam para a nave, ali, bem perto
Eram quase seis da tarde em Americana...

– o –

Eu me lembro
Eu era pequeno
Tive contato...

Depois de grande só os vejo em sonhos...

– o –

Evidências?
As pirâmides bastam.
Maias, Egito, muitas coincidências...

– o –

Eles estão entre nós!
Mas, onde se escondem?
Nos vulcões?
No deserto?
No mar?

– o –

Os extraterrestres nos acham atrasados
E nos ajudam nos avanços tecnológicos.
Avançamos muito nos últimos cem anos...

– o –

Abdução?
Só vivendo para acreditar...

– o –

Vídeos?
Não podemos mais acreditar
A tecnologia avançou demais
Criam o que quiserem.
Vejam os filmes...

– o –

Eles são feios?
E como eles nos vêem?
Seremos bonitos para eles?

– o –

Como eles comem?
Como eles bebem?
Como eles falam?
Qual o tamanho deles?
Como são seus poderes?

Dúvidas...

– o –

Alguém me disse, assim, sob pagamento,
Que eles me deram poderes tecnológicos.
Escrever? Poemas?
De jeito nenhum...

– o –

O que somos para eles?
Extraantarianos?
Extramarcianos?
Idiotas?

– o –

Marcianos são verdes, eu vi no cinema.
Por que somos pretos e brancos?
Eu quero ser colorido...

– o –

Eles escrevem poesias?
Falam de mar e amor?

– o –

Os extraterrestres assistem às novelas?
Dormem tarde?
Trabalham?
Vão à escola?
Não são burros...

– o –

Eles acreditam em Deus?
Eles são Deus?
Mas, Deus é brasileiro.
Extraterrestres são brasileiros?

Elvis e Michael são extraterrestres...

– o –

Os cachorros podem vê-los invisíveis?
Serão espíritos?



JORGE LEITE DE SIQUEIRA
extraterrestre honorário

FALARAM PARA MIM

"...gosto de muitas coisas ao mesmo tempo e me confundo inteiro e fico todo enrolado correndo de uma estrela cadente para outra até desistir. Assim é a noite, e é isso o que ela faz com você, eu não tinha nada a oferecer a ninguém, a não ser a minha própria confusão."

JACK KEROUAC - ON THE ROAD

BRASILEIRÃO 2010

23 maio 2010

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

ENVIADO

Vim!
Cheguei há 42 anos
Estou lutando
Todos os dias...

Já matei leões
Muitos leões
Dia a dia...

Me taxam
Me criticam
Invejam quem eu sou...

Sempre disse:
Inveja
É falta de capacidade...

Sou louco
Louco de Deus...

Sou um enviado
De Deus,
Dos ETs...

Estou completando minha missão
Todos os dias
Dia a dia
Em verso, em prosa,
Agora, por exemplo,
Enquanto você me lê...

Estou entre o bem e o mal...

Não me critique
Nem me cobre
Sou apenas um enviado
E nada mais me resta
A não ser viver para falar
Pouco a pouco
De mim
De você
De Deus e dos ETs...

E sentir prazer por isso
Como eu sinto...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POEMAS CLÁSSICOS

EU SEI QUE VOU TE AMAR

Eu sei que vou te amar,
Por toda a minha vida,
Eu vou te amar,
A cada despedida,
Eu vou te amar.

E cada verso meu
Será pra te dizer
Qu eu sei que vou te amar
Por toda a minha vida.

Eu sei que vou chorar,
Mas cada volta tuda
Há de apagar
O que essa ausência tua me causou.

Eu sei que vou sofrer
A eterna desventura de viver
À espera de viver ao lado teu
Por toda a minha vida.

VINÍCIUS DE MORAES

22 maio 2010

1767 – SOBRE O SEXO

Um dia tudo cai
O teto
O pinto
Os seios...

– o –

Para alguns, sexo é tudo,
Para outros, sexo é nada.
Para mim, é tudo e é nada, depende onde estou...

– o –

Sexo é o fechamento bom de uma noite
Sexo é a abertura boa de um dia
Sexo é o andamento de uma boa tarde...

– o –

Sexo na cama é bom, mas é normal.
Sexo na rede é normal e é ótimo.
Sexo na mesa?
Arrisca se sujar. Mas é bom...

– o –

Procura-se:
Uma mulher para escrever um livro a quatro mãos.
O nome do livro?
Kama-sutra...

– o –

Tem gente que se sofistica para o ato sexual.
Compra roupa diferente
Acessórios diferentes
Cremes diferentes...

E se esquece do sexo...

– o –

Por cima, por baixo, de lado.
Não importa...

– o –

Sexo?
Tô dentro, tô fora, tô dentro, tô fora...
(Casseta e Planeta)

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

POESIA 1765 – QUE CONFUSÃO

Fecho os olhos
A noite já chegou...

O sonho chega abruptamente
Acho que nem dormia
Mário Quintana aparece
Voa nas asas que eu imaginei
Ri demais, apontando para mim:
- Queres ser poeta?
Nunca serás!
Nunca serás!
Isso é para poucos...

Que esquisito...

Como em um filme de quinta categoria
Rostos surgem e somem
São fantasmas que eu mesmo criei.
Alguns conhecidos
(Drummond, Vinícius, Bandeira)
Outros que ninguém conhece
(Joãos, Josés, Marias)
Gargalham e apontam para mim:
- Nunca! Nunca! Nunca!
Repetem, com o dedo em riste
Esmagando meu nariz
Desvirginando meus neurônios
Dilatando minhas pupilas...

Raul abraça Freud
Adão e Eva fazem amor
Renato tira a roupa de Camões
E todos viram livros
E todos os livros têm asas
E somem como apareceram...

Eu durmo.
Eu sei que durmo
Mas pareço acordado
E olho as luzes
E os fogos
E as sombras
E não sei mais quem eu sou...

- Quimera! Utopia!
Gritam os seres de asas...

Quintana me condenou!
Bandeira me condenou!
Todos os poetas me condenaram!
Quando publicaram seus livros
E me obrigaram a lê-los...

Há pauta na parede
Pego o giz e escrevo
Sem parar
De olhos fechados
Psicografando sem entender
Em japonês, inglês, alemão,
Sem lógica para mim...

Tenho calor
Tiro a roupa
Expulsam-me.
Não gostaram da cor da minha pele...

Sou uma caneta
Sou sobrenatural
Não tenho cultura
Não conheço nada
Não li ninguém
O que faço é pura psicografia...

Não sei falar difícil...

Mas falo.
E escrevo.
E dizem que sou louco
(às vezes concordo)
Como agora...

Assumo! Sou louco!
E vejo todos os poetas
Os mortos, os vivos,
E nunca os vi
Não assisto desenhos animados...

Ah! Que confusão!
O que fiz para merecer isso?
Essas palavras na minha cabeça
(que escrevo rapidamente para o papel)
Que nunca param...

É loucura poética?

Vão embora!
Deixem-me dormir...

Vou abrir os olhos.
Quem apagou o que escrevi nas paredes?
Onde estão os fantasmas?
Esqueci tudo o que escrevi...

Não sou nada sem os meus fantasmas...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

DIÁRIO

1766 – SOBRE A MORTE

Dona Matilde morreu
Foi merendeira na escola que estudei
Tornou-me amiga
E distante...

Por minha culpa...

Morreu sem pernas.
Alguma doença as cortou.
Mas, antes de morrer foi ao Ceará e viu sua família...

Despedida?
Meu pai se despediu
Meu tio se despediu
E tantas pessoas se despedem antes de morrer...

E ainda dizem que não existe o sobrenatural...

– o –

Eu sei que vou morrer
Mas, queria viver antes...

– o –

Eu sonhei com extraterrestres.
Dois discos voadores
Lindos
Luzes maravilhosas
No céu
E raios partiram da terra destruindo as naves...

Mortes.
As naves caíram ao chão
Uma espécie de líquido escorreu pela terra
Como um efeito da destruição das naves.
Eu me molhei no líquido
Senti muita paz
E muita pena...

– o –

Uma mulher morreu
Não vou mencionar o nome
Não vale a pena...

Ela teve uma vida ruim
Ela era complicada
Família complicada
E culminou com uma morte solitária...

Nos últimos meses de vida
Ela se esqueceu de tudo e de todos.
Não reconhecia todos os filhos
Não reconhecia os amigos...

Na verdade, tinha conhecidos, não tinha amigos...

Eu quero ter família
Eu quero ter amigos
Eu quero reconhecê-los
E quero ser reconhecido...

– o –

Os crentes vivem para morrer.
Eles são salvos
Eles irão para o céu
Eles irão morar com Deus.
E por que o medo da morte?
E por que choram a morte de alguém?
E por que adiam a morte?
Suicídio é a solução?

– o –

Elvis Presley morreu.
Michael Jackson morreu.
Cássia Eller morreu.
Reis e rainhas...

– o –

Eu não tenho nada e não gosto do que tenho.
Eu já tive tudo e não gostei do que tinha
Por quê?
Que coisa difícil que é viver...

A HISTÓRIA DO POETA ANDARILHO EM FOTOS

CLIQUE NA FOTO PARA LER A POESIA














POEMAS CLÁSSICOS

MOTIVO

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem triste:
sou poeta.
Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.
Se desmorono ou edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se fico ou passo.
Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno e asa ritmada.
E sei que um dia estarei mudo:
- mais nada.

CECÍLIA MEIRELES

21 maio 2010

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

PREDADOR

Tum-tum... tum-tum...

Sinto meu coração
Ainda bate
Mas estou deitado
Não sinto dor.
Mãos puxam meus cabelos
Arrancando em punhados
Todos
Até não ter mais nada...

Puxam minhas unhas
Com alicates, talvez,
Arrancam
Não doem
Mas sangram...

Tum-tum... tum-tum...

Um canivete corta minha pele
Que é arrancada
Pouco a pouco
Até sobrarem apenas carnes e músculos
Que sangram...

Como brincadeira
Diversas mãos me livram da carne
Passam facas nos ossos
E sinto perder os músculos.
Os órgãos internos se expõem
E são arrancados...

Tum-tum... tum-tum...

Meus olhos ainda estão intactos
Minha língua ainda está na boca
Meu cérebro ainda funciona...

Tum-tum... tum-tum...

Sinto meu coração
Mas não sinto o corpo.
Sou uma caveira
Com um coração
Aflito
Ansioso
Batendo, teimoso...

Tum-tum...

Até quando agüentarei...?

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

PRECISA DE UMA MÃO?





POR QUE EU VOTARIA NO LULA DE NOVO?

Alguns recados do Irã: a paz invadiu o meu coração

Por Beto Almeida

Após o anúncio do acordo construído entre Brasil, Irã e Turquia para evitar que a nação persa sofra novas sanções ou que tenha que renunciar ao seu direito de desenvolver a tecnologia nuclear para fins pacíficos, já se nota em certos segmentos políticos e midiáticos brasileiros uma tentativa de desmerecer a importância da iniciativa do presidente Lula que conseguiu apoio também da Rússia e da China.

Por isso mesmo vale colocar em realce - como já tem feito a imprensa internacional - os desdobramentos políticos que o Acordo Nuclear Brasil-Irã-Turquia poderá promover. A viagem de Lula à Teerã foi cercada de imenso ceticismo, silencioso ou declarado, como o da Secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton que disse que o presidente brasileiro iria ter que enfrentar uma montanha de problemas, desacreditando do êxito de sua empreitada. É como se não soubesse que Lula, desde que nasceu, enfrentou os mais montanhosos e espinhosos problemas que seres humanos pobres, nascidos no Nordeste, foram obrigados a enfrentar, a começar por vencer a pena de morte a céu aberto que executava crianças nordestinas pela fome dia-a-dia, fenômeno político denunciado com franqueza e precisão por outro nordestino mundialmente respeitado, Josué de Castro. Na mesma linha, o chanceler francês - que não acredita que o fim da tarde é lilás - chegou a afirmar de modo deselegante e desrespeitoso, que Lula seria embromado pelos iranianos, sendo obrigado a corrigir-se e a desculpar-se por orientação do presidente Sarkozy, este talvez mais pragmático e interessado na bilionária venda dos aviões Rafale para o Brasil.

O acordo é uma lição para muita gente. Não seria petulante afirmar que o episódio constitui grande recado para o presidente dos EUA, Barack Obama. Afinal, não deveria ser dele, Prêmio Nobel da Paz, a iniciativa principal de promover o diálogo, insistir em saídas pacíficas, apostar em soluções cooperativas, ao invés de falar precipitadamente na lógica das sanções que, obviamente, são muito interessantes para as encomendas da indústria bélica? Talvez por ser prisioneiro do Complexo-Militar-Industrial, denunciado por um ex-presidente dos EUA, Obama ainda não demonstrou claramente estar o Prêmio nas mãos mais adequadas....

O acordo firmado entre Lula, Ahmadinejad e o chanceler turco Ebergan manda recados também para o Conselho de Segurança da ONU, que, antes mesmo de explorar as possibilidades de uma saída pelo diálogo e que não implicasse no veto aos países que - como o Irã e o Brasil, entre outros - estão desenvolvendo tecnologias nucleares para finalidades pacíficas, deu péssimo exemplo de intolerância e prepotência ao mundo. O Conselho só tem falado em sanções, em ameaças, sem sequer referir-se ao fato que a via das sanções aplicadas por ele até hoje tem resultado, fundamentalmente, em castigos militares de gigantescos sofrimentos, perdas de vidas, destruição e rigorosamente nenhuma solução, como se observa no Afeganistão e no Iraque.

Embora o impacto internacional positivo seja inegável, o acordo traz ingredientes novos para o debate político brasileiro já que o candidato oposicionista, José Serra, manifestou-se de maneira negativa à viagem de Lula ao Irã, afirmando que nem iria lá, nem convidaria o presidente iraniano a vir ao Brasil. Se o objetivo é buscar soluções negociadas, por meio de conversações complexas e delicadas, como podem Obama, o chanceler francês, o Conselho da ONU e José Serra não privilegiarem o diálogo direto com a parte envolvida, o Irã, para se alcançar a paz? Sintonia entre tucanos e falcões....

Para a mídia sobram muitas lições, sobretudo para grande parte da mídia brasileira que, desde o anúncio da viagem de mandatário brasileiro à antiga Pérsia encontrou inúmeras qualificações negativas e pessimistas para a iniciativa, algumas de escassa qualificação, como aquelas que davam a entender que o “Lula não se enxerga”, ou que “isto é apenas uma bravata”. Ou, então, que seria pretensioso acreditar que o Brasil poderia ter alguma importância na solução de um problema de tão grande porte e tão distante. Uma por uma estas conceituações midiáticas, provavelmente eivadas de uma certa dose de preconceito, foram, pouco a pouco, desmanchando-se no ar. Agora, até mesmo os mais pessimistas admitem que o acordo reveste-se de importância altamente relevante e que é uma vitória de Lula e da política externa brasileira independente e soberana. O mundo inteiro está discutindo o gesto brasileiro e rejeitá-lo será altamente desgastante para eles, sobretudo para o Prêmio Nobel da Paz.

O curioso é que esta mesma mídia reconhece e destaca o protagonismo de outro brasileiro, Oswaldo Aranha, quando das gestões feitas para a criação de Israel, há décadas. Mas, agora, quando Lula insiste em ter voz ativa, convocando ou até mesmo desafiando as grandes potências a empenharem-se na via pacífica seja para o Irã, para o Iraque, como também, por desdobramento, para a Questão Palestina, nenhum reconhecimento. O difícil mesmo é acreditar que tanto o Prêmio Nobel da Paz, como os demais dirigentes dos países ricos, tenham coragem em apostar em caminhos que contrariem a indústria bélica. Coragem, que Lula, em sua dialética de retirante, tem demonstrado ter de sobra.

Beto Almeida é jornalista e membro da Junta Diretiva da Telesur

19 maio 2010

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

NEM OLHA...

Você vem
Sorrindo
Vestido vermelho
Olhos verdes...

Senta-se
Longe...

Me vê?
Me olha,
Me ignora...

Sorri
Linda
Dentes perfeitos...

Bebe café
Come pão de queijo
Limpa os lábios
Vermelhos
Batom...

Levanta-se
E vai
Sorrindo...

Nem olha pra trás...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

17 maio 2010

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

INUSITADO

Seus lábios
Entreabertos
Esperando minha iniciativa.
E eu
Receoso...

Seus olhos
Aflitos
Pediam carinho.
Chamavam-me
Carentes...

Seus cabelos
Soltos em minhas mãos
Seus lábios em meus lábios
Seus olhos nos meus
Seu corpo
O meu...

Entrelaçamento...
Cobras?
Plantas...?

Tão rápido
Tão intenso
Tão marcante...

Não seria tão perfeito
Se fosse planejado...

Adoro o inusitado...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

COPA DO MUNDO 2010 - FRASES DOS ÔNIBUS

A Fifa divulgou a lista com as frase que irão estampar os ônibus das 32 seleções na Copa do Mundo da África do Sul. O veículo da Seleção Brasileira estará estampado pela seguinte frase: "Lotado! O Brasil inteiro está aqui dentro!". As frases foram escolhidas por meio de votação no site oficial da entidade.

A outra frase que estava concorrendo trazia a seguinte mensagem: "Veículo monitorado por 180 milhões de corações brasileiros". Adversário do Brasil no Mundial, a seleção portuguesa terá o sonho do título estampado no ônibus. "Um sonho, uma ambição... Portugal campeão!", diz a mensagem.

Atual campeão mundial, a Itália aposta no azul para contagiar os torcedores e estampa no ônibus a frase: "O nosso azul no céu africano!". Por outro lado, a Argentina apela para a glória com a inscrição: "Última parada: a glória".

Confira abaixo as frases das 32 seleções:

África do Sul:
Uma nação, orgulhosamente unida sob um arco-íris

Alemanha:
Na estrada para ganhar a Copa!

Argélia:
Estrela e a lua crescente com um objetivo: Vitória!

Argentina:
Última parada: a glória

Austrália:
Ouse Sonhar, Avance Austrália

Brasil:
Lotado! O Brasil inteiro está aqui dentro!

Camarões:
Os Leões Indomáveis estão de volta

Chile:
Vermelho é o sangue do meu coração, Chile campeão

Coreia do Norte:
1966 de novo! Vitória para a Coreia do Norte!

Coreia do Sul:
Os Gritos dos Vermelhos, República da Coreia Unida

Costa do Marfim:
Elefantes, vamos lutar pela vitória!

Dinamarca:
Tudo o que você precisa é uma seleção dinamarquesa e um sonho

Eslováquia:
Façam tremer o gramado verde! Vamos Eslováquia!

Eslovênia:
Com 11 corações valentes até o fim

Espanha:
Esperança é meu caminho, vitória é meu destino

Estados Unidos:
Vida, Liberdade e a busca pela Vitória!

França:
Todos juntos por um novo sonho em azul

Gana:
A esperança da África

Grécia:
A Grécia está em todos os lugares!

Holanda:
Não tema os cinco grandes, tema os 11 laranjas

Honduras:
Um país, uma paixão, 5 estrelas no coração!

Inglaterra:
Jogando com orgulho e glória

Itália:
O nosso azul no céu africano!

Japão:
O espírito Samurai nunca morre! Vitória para o Japão!

México:
É hora de um novo campeão!

Nigéria:
Super Águias e supertorcedores, estamos unidos

Nova Zelândia:
Chutando ao estilo Kiwi

Paraguai:
O leão Guarani ruge na África do Sul

Portugal:
Um sonho, uma ambição... Portugal campeão!

Sérvia:
Joguem com o coração, liderem com um sorriso!

Suíça:
Vamos, Suíça!

Uruguai:
O sol brilha sobre nós! Vamos, Uruguai!

BRASILEIRÃO 2010

POR QUE EU VOTARIA NO LULA DE NOVO?

Irã concorda em fazer troca de combustível nuclear na Turquia

Acordo foi anunciado nesta segunda-feira (17) após negociações.

O Irã concordou em fazer a troca de combustível nuclear na Turquia, anunciou nesta segunda-feira (17) o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Ramin Mehmanparast. O acordo sobre o enriquecimento de urânio iraniano foi assinado nesta segunda após reuniões realizadas entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, e o primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan, em Teerã.

Segundo o acordo, o Irã enviará 1.200 kg de urânio de baixo enriquecimento para a Turquia, que devolverá o material enriquecido para um reator de pesquisas do Irã. Depois de até um ano, o Irã deverá receber 120kg de urânio enriquecido a 20%. De acordo com o porta-voz do ministério das Relações Exteriores iraniano, o urânio enriquecido estará sob supervisão da Agência Internacional de Energia Atômica na Turquia.

"A diplomacia venceu hoje", diz Lula

Após a assinatura do acordo, o ministro de Relações Exteriores turco, Ahmet Davutoglu, disse que não há mais justificativas para outras sanções e pressões das Nações Unidas sobre o Irã a respeito da questão nuclear. Os EUA ainda não se pronunciaram sobre o acordo.

Assim que assinou o acordo, o presidente iraniano iniciou ligações rápidas para os países membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas (Estados Unidos, Rússia, China, França e Inglaterra), além da Alemanha. “É o momento de esses países iniciarem conversas com o Irã baseadas na honestidade, Justiça e respeito mútuo”, disse.

Viagem de Lula

Lula desembarcou na noite de sábado no Irã em busca de tentar o acordo nuclear com o país. A visita do presidente foi considerada por potências internacionais a última chance de evitar uma nova rodada de sanções da Organização das Nações Unidas (ONU) ao Irã, cujo programa nuclear é visto com desconfiança, principalmente pelos Estados Unidos.

Em outubro, a Organização das Nações Unidas (ONU) propôs ao Irã que enviasse 1.200 kg de urânio de baixo enriquecimento para a França e para a Rússia, onde seria convertido em combustível para um reator de pesquisas em Teerã. O país chegou a concordar com o acordo no início, mas depois impôs condições como a de só trocar seu material por urânio em níveis maiores de enriquecimento e somente no seu próprio território, termos que as outras partes envolvidas no acordo consideraram inaceitáveis.

Antes de embarcar para Teerã, Lula havia falado em "99% de chances" de chegar a um acordo com o país de Ahmadinejad. Por sua vez, o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores do Irã, Ramin Mehmanparast, informou no sábado (15) que havia a possibilidade de fechar um "sério acordo" com o Brasil para a troca de combustível nuclear.

Turquia

O premiê da Turquia chegou ao Irã na noite do domingo. Antes de embarcar, ele falou na possibilidade de um acordo em que a troca de urânio enriquecido seria feita em território turco.

"Estou indo ao Irã porque uma cláusula será acrescentada ao acordo que diz que a troca será feita na Turquia", disse o premiê turco. "Teremos a oportunidade de começar o processo em relação à troca. Eu garanto que encontraremos a oportunidade para superar esses problemas, se Deus quiser", afirmou Erdogan.

Ceticismo

Nesta sexta-feira (14), a secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, reafirmou o ceticismo dos norte-americanos quanto às chances de sucesso no diálogo com o o Irã. Perguntado sobre a declaração de Hillary, durante uma entrevista coletiva em Doha, o presidente brasileiro respondeu sem citar o nome da secretária americana.

"Eu não sei com base no que as pessoas falam [isso]", disse Lula. "Não é porque o meu time não ganhou o jogo de ontem que ele não pode ganhar o jogo de amanhã", afirmou o presidente em entrevista concedida após o encontro com o emir do Catar, Hamad bin Khalifa Al Thani, neste sábado.

A nação islâmica começou um enriquecimento maior em fevereiro para produzir combustível para um reator de pesquisa, após as negociações com as grandes potências para uma possível troca de combustíveis terem falhado. A medida aproxima o enriquecimento de urânio no Irã aos níveis necessários para a produção de material para armas --urânio refinado com 90% de pureza.

15 maio 2010

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

LOUCURA?

Pois é!
Eu sou louco!
Isso mesmo: eu sou louco!
Louco, mesmo,
De rasgar dinheiro...

Quem me condenou?
Esqueci,
Nem levei em conta.
Pra quê?
Eu sempre me considerei louco...

A loucura está na minha cabeça
Dentro do meu cérebro...

O que penso é diferente
De todos os normais,
As coisas que gosto
Não tem nada a ver.
Converso com pássaros,
Com o vento, com as árvores...

Não gosto de gente,
Não confio em ninguém,
Considero todo mundo falso...

Admiro a natureza como meu Deus,
E abomino as coisas humanas...

Por isso sou louco
E grito, e canto, e pulo,
E faço coisas fora do comum...

E ninguém liga pra nada que faço
Por quê?
Porque sou louco,
E só os loucos podem fazer tudo...

Que delícia...
Eu sou livre!

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

VIRADA CULTURAL - É NESSA QUE EU VOU!

Av. São João

Av. São João, próximo a Rua General Osório, virado para a Av. Ipiranga

Tradicional palco do rock da Virada Cultural, em novo local.

20h00 - Grand Mothers – Re:Invented

22h00 - Big Brother & the Holding Co.

00h00 - Patrulha do Espaço

01h30 - L.A. Guns

03h30 - Velhas Virgens – Tributo a Adoniran Barbosa

05h30 - Krisiun

07h30 - Imbyra

09h30 - Pitty

11h30 - CPM 22 – Só Ramones

13h30 - Raimundos

15h30 - Arnaldo Antunes

17h30 - Titãs

14 maio 2010

POESIA 1756 – A MINHA HISTÓRIA

Na história que escrevo sou o ator principal.
E, como protagonista,
Sofro, amo, choro, sorrio...

Em minha história
Sou poeta, sou escritor,
Sou tudo e não sou nada...

Nessa história só há passado.
Um passado destruidor
Um passado traumatizante...

Na minha história há poucos personagens
Há muita solidão...

Na história que crio
Não cabe um final feliz
Mas cabe uma história feliz...

Estou tentando fazê-la...

AUTO: JORGE LEITE DE SIQUEIRA





13 maio 2010

SÉRIE: POESIAS DO PASSADO

MENDIGO

Ele anda pelas ruas
Todos os dias
Em busca de uma moeda
Que o ajude a viver...

São latinhas amassadas
Papel e papelão em demasia
Que nem cabem mais no carrinho...

As roupas
Rasgadas e esfarrapadas
Sem moda.
Suas botas estão boas
Apesar de serem de modelos diferentes...

Sua mulher
Em uma calçada
Ajuda-o na labuta diária.
Seu filho
Pequeno e inocente filho
Pede centavos no semáforo
Para motoristas sisudos...

Sua casa, um barraco,
Tem a vantagem de ser própria
E a desvantagem de não ser casa.
Mas é um lar...

Em sua mesa
Hoje tem feijão e arroz
E ovo frito...

Dorme abraçado à esposa
Que também cheira à pinga
Entre outras coisas.
Seu filho
Dorme como um anjo
No colchão, ali pertinho...

No dia seguinte
Quando volta ao trabalho
Uma mulher do outro lado da rua
Comenta com a amiga:
- Olha lá o mendigo.
Tenho nojo dele...

E ele continua vivendo
Mais feliz
Que aquela pobre mulher...

AUTOR: JORGE LEITE DE SIQUEIRA

SÃO PEDRO (SP)



PAI CORUJA

ABEL


IGOR


DANIEL

Dez mitos sobre dietas

Muitos mitos você com certeza já deve ter ouvido e talvez até possa acreditar, mas o fato é que não correspondem à realidade. Aqui vão ...