13 abril 2012

MÁRIO QUINTANA

QUANDO EU ME FOR

Quando eu me for, os caminhos continuarão andando...
E os meus sapatos também! Porque os quartos, as casas que habitamos, Todas, todas as coisas que foram nossas na vida Possuem igualmente os seus fantasmas próprios, Para alucinarem as nossas noites de insônia! [Mario Quintana; Velório sem defunto, 1990] ------------------------------------------------------ CONTO AZUL Certa vez, tinha eu quinze anos, inventei uma história que principiava assim: "A primeira coisa que fazem os defuntos, depois de enterrados, é abrirem novamente os olhos". Mas fiquei tão horrorizado com essa espantosa revelação que não me animei a seguir avante e a história gorou no berço, isto é, no túmulo. [Mario Quintana; Sapato Furado, 1994] ------------------------------------------------------ ARTE POÉTICA Esses poetas que tudo dizem Nada conseguem dizer: Estão fazendo apenas relatórios... [Mario Quintana; Velório sem defunto, 1990] ------------------------------------------------------ O TAMANHO DO ESPAÇO A medida do espaço somos nós, homens, Baterias de cozinha e jazz-band, Estrelas, pássaros, satélites perdidos, Aquele cabide no recinto do meu quarto, Com toda a minha preguiça dependurada nele... O espaço, que seria dele sem nós? Mas o que enche, mesmo, toda a sua infinitude É o poema! - por mais leve, mais breve, por mínimo que seja... [Mario Quintana; Velório sem defunto, 1990] ------------------------------------------------------ ESTRANHEZA Os vivos e os mortos Sempre tivemos uma coisa em comum: Não acreditamos muito uns nos outros... [Mario Quintana; Velório sem defunto, 1990]

Dez mitos sobre dietas

Muitos mitos você com certeza já deve ter ouvido e talvez até possa acreditar, mas o fato é que não correspondem à realidade. Aqui vão ...