28 junho 2014

7 cursos online para quem gosta de literatura

Retirado de:

http://revistagalileu.globo.com/Cultura/Livros/noticia/2014/06/7-cursos-online-para-quem-gosta-de-literatura.html

7 cursos online para quem gosta de literatura



Você nem precisa estar em época de vestibular: se curte literatura, estudá-la é o máximo. E que tal fazer isso sem sair de casa? Diversas instituições e até professores independentes disponibilizam vídeos gratuitos na web. Selecionamos sete alternativas para você:

Literatura, AulaDe.com.br
Material disponibilizado por um projeto educacional de professores brasileiros que querem democratizar o conhecimento por meio de aulas gratuitas.

Professor Wallace
O canal apresenta comentários e reflexões sobre língua portuguesa, literatura brasileira e redação para vestibulares.

Literatura, Aulalivre.net
Ministradas por Greice Cunha, as oito aulas ajudam a fixar e compreender conteúdos básicos da área.

Introdução à Teoria Literária, Yale
As 26 aulas ministradas por Paul H. Fry ajudam a dar o pontapé inicial para quem quer se aventurar por Teoria Literária. O curso aborda temas como semiótica, linguística e a construção institucional do estudo literário. Legendado em português.

Dante Alighieri e a Divina Comédia, Yale
Quer saber tudo sobre o poema épico de Dante Alighieri? Assista as 23 aulas de Giuseppe Mazzotta. O conteúdo é legendado em português.

Palavras, palavras, palavras!, TED
Uma seleção de palestras bem interessantes envolvendo literatura. Tem "Como a linguagem transformou a humanidade", de Mark Pagel, "tc mata a linguagem. OMG!!!", de John McWhorter, e muitas outras. Legendado em português.

Cervantes' Don Quixote, Yale
As aulas comandadas por Roberto González Echevarría facilitam uma leitura aprofundada de Don Quixote, situando seu contexto artístico e histórico. Em inglês.


18 junho 2014

Projeto Serra da Canastra

RESUMO

1º dia - Saída de Rio Claro, parando para conhecer: Cachoeira de Emas, Monte Santo de Minas, São Sebastião do Paraíso, Itaú de Minas, Passos, São João Batista do Glória, Babilônia, Iacaiá e dormir em Delfinópolis. Pilotar por aproximadamente 400 km.


2º dia -  Saída de Delfinópolis, pilotar pelo Parque Nacional da Serra da Canastra, dormir em São Roque de Minas. Pilotar por aproximadamente por 250 km (sem considerar desvios dentro do Parque para conhecer cascatas e assemelhados)


3º dia -Saída de São Roque de Minas, seguir para Piumhi, Capitólio, Furnas, Alpinópolis, Ilicínea, Boa Esperança, dormir em Campo Belo. Rodando a Represa de Furnas, aproximadamente 350 km.



4º dia - Já voltando pra casa, saindo de Campo Belo, seguir para Cana Verde, Perdões, Santo Antonio do Amparo, Ijaci, Lavras, Nepomuceno, Santana da Vargem, Campos Gerais, Alfenas, Serrania, Campestre, Bandeira do Sul, Poços de Caldas.


5º dia - Saindo de Poços de Caldas, seguindo para Caldas, Santa Rita de Caldas, Ibitiúra de Minas, Andradas, Santo Antonio do Jardim, São João da Boa Vista, Águas da Prata, Aguaí, Pirassununga, Leme, Araras, Rio Claro. Assistirei o jogo do Brasil em casa. Será que dá tempo? Aproximadamente 250 km.



6º dia - Postar fotos aqui no blog.


PLANEJAMENTO

Dias de viagem: 

19/06 - quinta-feira (feriado nacional)
20/06 - sexta-feira
21/06 - sábado
22/06 - domingo
23/06 - segunda-feira (dia de jogo do Brasil)
24/06 - terça-feira (feriado em Rio Claro)

Intenção:

Visitar a Serra da Canastra (prioridade)

Roteiros (cidades em que pararei):

DIA 01














DIA 02



DIA 03


12 junho 2014

AUTOPSICOGRAFIA - Fernando Pessoa

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
que chega a fingir que é dor
a dor que deveras sente.

E os que leem o que escreve
na dor lida sentem bem
não as duas que ele teve,
mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas de roda
gira, a entreter a razão,
esse comboio de corda
que se chama coração.

Fernando Pessoa

Jorge Leite de Siqueira - 12/06/2014

10 junho 2014

Poesia

O selo

Fui mexer na carteira
encontrei Vinícius
solitário
como eu.

Ele diz:
"Que não seja imortal
posto que é chama.
Mas que seja infinito
enquanto dure."

Eu me lembrei quando comprei aquele selo.
Aquele e outro, seu par.
Um está comigo
e o outro?
O outro está com ela.

Eram labaredas
ou salamandras mágicas?

PS. Tudo me faz lembrar de você...







Tritono Blues

Aquecimento para TRITONO BLUES no Sesi Rio Claro neste final de semana.


Falando e ouvindo sobre os Pensadores


09 junho 2014

08 junho 2014



Desabafo

Anteontem à noite fiz a besteira de misturar umas dez coisas dentro de mim (entre remédios, comidas e bebidas) e fiquei com uma infecção estomacal complicada. Passei a madrugada me revirando na cama e na manhãzinha não deu mais pra segurar: vômitos e diarréia.

Passei o dia todo entre o banheiro e a cama. Literalmente o dia todo. Tinha alguns planos de acompanhar o campeonato de balonismo aqui na cidade mas não consegui. O dia foi ótimo pois não ventou e perdi (tristemente) o evento que esperei a semana toda.

Culpa de quem? Minha, eu sei. Assumo a minha culpa e prometo que me controlarei com mais rigor. Senti a morte segurando a minha mão. Drama? Claro, não foi para tanto, mas em cada encarada à bacia do banheiro na tentativa de vomitar o que não tinha mais, eu pensava que morrer era melhor. Com todo o exagero possível, foi isso que pensei.

Na quarta-feira eu havia escrito o início de uma poesia:

"quando me deito cruzo os dedos das mãos na altura do peito
se eu morrer, sozinho,
já estarei ajudando aos que me encontrarem..."

Hoje, domingão de sol e alegria, estou ótimo. Fui ao aeroclube procurar os balões que já haviam sumido no horizonte e não voltarão mais. Acabou o campeonato. No final de julho terei outras chances de umas boas fotos.

27º Campeonato Brasileiro de Balonismo - Rio Claro (SP)

27º Campeonato Brasileiro de Balonismo - Rio Claro (SP)

27º Campeonato Brasileiro de Balonismo - Rio Claro (SP)



Moro sozinho, mas tenho mais de 700 amigos no facebook. Nenhum soube de minha crise. Nem meus filhos. Nem minha família. Se fosse algo mais sério eu estaria ainda aqui dentro, endurecendo e apodrecendo.

Isso me faz pensar. E você? Isso te faz pensar? Não? Pois pense...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA

03 junho 2014

Algumas poesias menos famosas



Poesia 2364 – O cão e o cavalo

O cão ladra,
O cavalo passa.

O cavalo
Elegante
Continua seu trote
Tendo a carroça às costas.

Tento adivinhar o que o cão diz:
- Espera aí, covarde!
- Pula aqui, quadrúpede!
Ou será que brinca:
- Você é grande mas não é dois!
- Vem aqui, filho de uma égua!

Meus pensamentos humanos
– ridiculamente humanos –
Materializam a malícia humana
Em meus pensamentos caninos.

E o cão abana o rabo.
Parece me entender:
Apenas late...

E o cavalo trota...

E eu?
Abaixo a cabeça
Acelero o passo
E vou.

Covardemente saio de fininho de cena...

--------------------------------------------

Poesia 2365 – Estou

Não que eu seja triste
Estou
É diferente.
Mas sou livre
E isso pode ser ruim
Pois há tantos caminhos
Que meus traumas me prendem as asas.
Escravo
De traumas.
Medos. Velhos medos.
Há até o medo de começar a ter medos.

E o fim de quem ama
É a solidão.
Vinícius sussurrou um dia.
E fico só
Sempre só.

E essa espera
(por quê? por quem?)
É o que me tira forças
E me atira forcas.

Sou fraco até para meus pensamentos...

--------------------------------------------
 
Poesia 2366 – Quem atira nunca alcança

Quem?
Atira?
Nunca?
Alcança?
Quem atira nunca alcança...

Era uma vez
Um rio.
Era uma vez
O mar.
É a vez da televisão...

-------------------------------------------- 

Poesia 2367 – Os tristes poetas

Os tristes poetas
Passam as vidas em caos
Amando
Sofrendo
Escrevendo sobre emoções que sentem
Mas fingem não sentir.
Bebem
Acabam-se em beber até os últimos neurônios
E no dão a vida.
Desenterro-os.
Eis-me aqui!
Agora sou poeta
E sou triste
Envenenado por alcoóis
Conversando bêbado
Com livros espalhados no chão.
Que triste somos.

Que triste fim para os poetas...

--------------------------------------------

Poesia 2368 – O grito da carne

Ouço o grito do churrasco.
Lembro-me que ele existe
Não me lembro do paladar.
Deve ser bom
Tenho saudades.
Tenho que me contentar
Com o grito do microondas
Em contagem regressiva
Assando a Lasanha da Seleção.
E dizem que podia ser pior...

--------------------------------------------
  
Poesia 2369 – Com ou sem você

Antes, contigo,
Eu me sentia sozinho.
Agora, sozinho,
Eu não sinto nada.
Eu era você e não sabia...

JORGE LEITE DE SIQUEIRA
 

02 junho 2014

Algumas poesias famosas

Soneto da Fidelidade
E tudo, ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meus pensamentos

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive)
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure

Vinícius de Morais

------

Fumo

Longe de ti são ermos os caminhos,
Longe de ti não há luar nem rosas,
Longe de ti há noites silenciosas,
Há dias sem calor, beirais sem ninhos!
 

Meus olhos são dois velhos pobrezinhos
Perdidos pelas noites invernosas...
Abertos, sonham mãos cariciosas,
Tuas mãos doces, plenas de carinhos!
 

Os dias são Outonos: choram... choram...
Há crisântemos roxos que descoram...
Há murmúrios dolentes de segredos...
 

Invoco o nosso sonho! Estendo os braços!
E ele é, ó meu Amor, pelos espaços,
Fumo leve que foge entre os meus dedos!...



Florbela Espanca

-----

Poema de Sete Faces
Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.

As casas espiam os homens
que correm atrás de mulheres.
A tarde talvez fosse azul,
não houvesse tantos desejos.

O bonde passa cheio de pernas:
pernas brancas pretas amarelas.
Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.
Porém meus olhos
não perguntam nada.

O homem atrás do bigode
é sério, simples e forte.
Quase não conversa.
Tem poucos, raros amigos
o homem atrás dos óculos e do bigode.

Meu Deus, por que me abandonaste
se sabias que eu não era Deus
se sabias que eu era fraco.

Mundo mundo, vasto mundo,
se eu me chamasse Raimundo
seria uma rima, não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é meu coração.

Eu não devia te dizer
mas essa lua
mas esse conhaque
botam a gente comovido como o diabo.


Carlos Drummond de Andrade

-----

Querer
Não te quero senão porque te quero
E de querer-te a não querer-te chego
E de esperar-te quando não te espero
Passa meu coração do frio ao fogo.
 

Te quero só porque a ti te quero,
Te odeio sem fim, e odiando-te rogo,
E a medida de meu amor viageiro
É não ver-te e amar-te como um cego.
 

Talvez consumirá a luz de janeiro
Seu raio cruel, meu coração inteiro,
Roubando-me a chave do sossego.
 

Nesta história só eu morro
E morrerei de amor porque te quero,
Porque te quero, amor, a sangue e a fogo.


Pablo Neruda

-----

Os Poemas
Os poemas são pássaros que chegam
não se sabe de onde e pousam
no livro que lês.
Quando fechas o livro, eles alçam vôo
como de um alçapão.
Eles não têm pouso
nem porto
alimentam-se um instante em cada par de mãos
e partem.
E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
no maravilhado espanto de saberes
que o alimento deles já estava em ti...


Mário Quintana

-----

Amor
Amemos! Quero de amor
Viver no teu coração!
Sofrer e amar essa dor
Que desmaia de paixão!
Na tu'alma, em teus encantos
E na tua palidez
E nos teus ardentes prantos
Suspirar de languidez!
Quero em teus lábio beber
Os teus amores do céu,
Quero em teu seio morrer
No enlevo do seio teu!
Quero viver d'esperança,
Quero tremer e sentir!
Na tua cheirosa trança
Quero sonhar e dormir!
Vem, anjo, minha donzela,
Minha'alma, meu coração!
Que noite, que noite bela!
Como é doce a viração!
E entre os suspiros do vento
Da noite ao mole frescor,
Quero viver um momento,
Morrer contigo de amor!


Álvares de Azevedo

------

Desencanto
Eu faço versos como quem chora
De desalento... de desencanto...
Fecha o meu livro, se por agora
Não tens motivo nenhum de pranto.
 

Meu verso é sangue. Volúpia ardente...
Tristeza esparsa... remorso vão...
Dói-me nas veias. Amargo e quente,
Cai, gota a gota, do coração.
 

E nestes versos de angústia rouca,
Assim dos lábios a vida corre,
Deixando um acre sabor na boca.
Eu faço versos como quem morre.


Manuel Bandeira

 

Dez mitos sobre dietas

Muitos mitos você com certeza já deve ter ouvido e talvez até possa acreditar, mas o fato é que não correspondem à realidade. Aqui vão ...