21 maio 2017

Conselhos de um velho pai

Nesta noite eu acordei, assustado. Acho que era reflexo de algum pesadelo, mas só me lembro de ter sido demitido do emprego e não saber o futuro. Eu me lembro isso, do sonho (ou pesadelo), que eu estava "perdido" porque não tinha "futuro" profissional.

Acordei pensando nos filhos. O mais velho, formado, tem futuro onde quer que esteja, já que fez doutorado em matemática. Não pelo "doutor", mas pela profissão. Onde quer que vá morar será um professor de matemática, no mínimo.

Os outros dois filhos ainda estão em definição do futuro, apesar da idade avançada, academicamente falando.

O sonho me trouxe a realidade de que não sou nada sem a formação acadêmica, e quanto mais velho, pior será. Se eu fosse demitido hoje, o que faria? Todos os empregos que consegui foram através de concursos, ou seja, sou inteligente o suficiente para passar em concursos, mas não me formei.

Mas, quanto mais o tempo passa, quanto mais velho eu fico, mais a minha memória me trai. Estou lento para muitas coisas, mas principalmente no sentido de "paciência" eu estou ridiculamente prejudicado, pois não me concentro em nada, me irrito com pequenos barulhos e o pior é que não consigo me lembrar do que estudo.

E vocês, filhos, ficarão assim também, é inevitável.

A mensagem é: corram atrás, procurem se formar em algo que dê segurança hoje e sempre, aqui e no interior, aí e nas montanhas. Depois vocês podem até arriscar em experiências diversas, realizar os sonhos, brincar de viver, mas enquanto há juventude é bom aproveitar da "saúde".

É simples: sejam como o irmão mais velho ou como seu pai.


Nenhum comentário:

Vírgulas...

Hoje, no trabalho, com os pensamentos em tantos lugares, fui viajando, viajando, pensando na perda de tempo que é viver. Bem, na verdade tu...